Relações interpessoais
2018-02-01 21:48:25 +0000
72

Como posso contar a um potencial parceiro sobre o meu autismo?

Contexto

Recentemente conheci uma mulher numa aplicação de namoro e demo-nos bem. Ontem à noite tivemos o nosso primeiro encontro, que correu muito bem e estamos a planear voltar a sair. Estou interessado em potencialmente ter um relacionamento sério com ela se o próximo encontro correr tão bem como o primeiro.

Fui diagnosticado com Síndrome de Asperger (uma forma de autismo) quando estava na faculdade, e não tenho tido um relacionamento sério desde essa altura (há cerca de 3 anos e meio). Ao longo dos anos (tanto antes como depois do diagnóstico) aprendi bastante bem como "encaixar" com pessoas que são neurotípicas ao ponto de a maioria das pessoas não saberem que estou no espectro a menos que eu lhes diga.

Apesar de ter melhorado na gestão de muitas das questões sociais que acompanham o meu autismo, ainda tenho questões sensoriais que podem ser problemáticas. Embora não conte a todos sobre a minha condição, nunca poderia sair seriamente com alguém que não soubesse. É quase uma garantia de que, a dada altura, enquanto estiver com ela, terei dificuldades que não consigo controlar porque sou autista e, se ela estiver consciente, estará mais apta a compreender e a lidar com a situação. Para ser claro, sou totalmente auto-suficiente (emprego, apartamento, etc...) e não estou à procura de alguém para cuidar de mim. Só não quero assustá-la a primeira vez que ela me vê a experimentar uma sobrecarga sensorial.

A pergunta

Como é que lhe falo de ser autista e dos problemas que provoca sem pôr em risco uma potencial relação?

Respostas [11]

59
2018-02-02 07:06:39 +0000

Antecedentes da minha resposta

Vou começar por dar algum contexto a partir da minha própria experiência. Eu sou uma mulher que namora um homem que tem Asperger há mais de um ano e meio. Também vivemos juntos há cerca de nove meses. Conhecemo-nos num site de encontros online e a nossa relação continua a fortalecer-se à medida que avançamos.

Ele disse-me que tinha Asperger's no nosso segundo ou terceiro encontro. Nesta fase, tínhamos conversado muito e eu descobri que ele estava muito concentrado nas suas áreas de paixão, por isso quando ele me disse que não era uma grande surpresa. No entanto, aceitei-o simplesmente como parte da sua personalidade e, quer o rotulam Asperger ou não, isso não alterou a minha percepção dele. Tudo o que fez foi fazer-me estar consciente de como ele se sentia em certas situações sociais para que eu pudesse ajudá-lo a estar o mais confortável possível.

Então quando é que deve dizer ao seu potencial parceiro?

Bem, eu veria primeiro se você parece "clicar". Se não tem isso para começar, então revelar o seu Asperger's não fará qualquer diferença de qualquer maneira. Porque é que eu digo isto? Porque se tem de lhe explicar as suas características, então já tem um problema. Para mim, a sua divulgação do Asperger's foi para mim simplesmente uma sugestão para contextualizar os padrões de comportamento que já tinha visto com ele e com os quais me sentia completamente à vontade.

A questão é que, mesmo agora, ele está mais preocupado com o seu Asperger's do que eu. Ele é ele, e estes são simplesmente aspectos da sua personalidade que fazem dele quem ele é.

Resumo

O conselho mais importante que posso dar é ter a certeza de que não está a ser tão concentrado no seu Asperger como se fosse um problema que o torne num só. Seja você mesmo, e se as coisas estão a correr bem, então a divulgação do Asperger's será mais um "Oh, ok. Isso faz sentido!" em vez de algo que se tornará subitamente um problema.

Se é um problema para ela, então provavelmente tem problemas mais sérios a longo prazo pela frente.

Boa sorte, espero que resulte para si!

59
10
2018-02-01 22:53:13 +0000

É tudo uma questão de tempo. Se lhe disseres demasiado tarde, ela vai ficar descontente por não lhe teres dito mais cedo. E se lhe disseres demasiado cedo, ela pode entender mal ou ficar assustada. O "momento certo", infelizmente, é quando ela é capaz de compreender o que estás a dizer mas ainda gosta de ti o suficiente para dizer "e depois? Não há uma boa fórmula para isto.

O importante é que você controle a narrativa. Deixa-a descobrir de uma forma que não seja grande coisa e que não envolva muitas mudanças no vosso comportamento em conjunto. Eu sugeria, antes de mais nada, que fossem encontros em que houvesse menos riscos de os vossos problemas sensoriais serem desencadeados. (Presumo que sejam luzes brilhantes/ som alto, mas isso é algo que estou a retirar do meu... bem, sabe). Saia com ela mais 2 ou 3 vezes e conheça-a e deixe-a conhecê-lo a si. Deixe-a ver que você é uma pessoa divertida com muito a oferecer. Depois, quando ela estiver mais confortável consigo, eu diria que seria o momento certo.

Leve-a a um sítio que ambos gostem e divirtam-se juntos. Depois, no final da noite, digam "Diverti-me imenso esta noite e os últimos encontros de casal têm sido muito divertidos". Devo dizer-vos que preferia não estar perto de certas situações e estas são... [seus gatilhos]. Eles afectam-me desta forma...". Diga-lhe o efeito, não a causa. Se ela se preocupa contigo e gosta de te ver, é isto que a vai afectar, não o teu Asperger". Portanto, concentre-se nisso.

Ela pode fazer perguntas; não seja evasiva. Se é embaraçoso explicar alguma coisa, diga-lhe que ainda não está pronto para explicar, mas que o fará mais tarde. Aconselhe-a que "é assim que eu sou quando tenho uma sobrecarga sensorial e aqui está o que eu pediria a sua ajuda". A maioria das pessoas não tem problemas com alguém a pedir ajuda; não estás a pedir-lhe para ser tua enfermeira, mas sim para ser tua parceira para gerir algo.

Tu consegues! O importante aqui é ter confiança e ser capaz de enfrentar a sua condição. Obviamente que fez o segundo bem, o que o deve ajudar a fazer o primeiro.

10
5
2018-02-04 00:47:45 +0000

Quando* Quando ela sabe que você é bastante normal. Então não na data #1, mas depois de 3-4 semanas de namoro/texto (ou, se não mandarem muitas mensagens de texto e se virem apenas uma vez por semana, talvez 5-6 semanas) quando ela souber que você não é super inepto socialmente.

Como* Traga isso quando você for (razoavelmente) privado e tiver algum tempo. Ela terá perguntas, e talvez seja melhor falar sobre outra coisa depois para terminar a data com uma nota diferente. Um restaurante pode ser um bom lugar. Espere um tempo normal para mudar o assunto.

** O que dizer** Poderia dizer "A propósito, deve saber que me diagnosticaram Asperger's. Pensei que devia dizer-te cedo, por isso... :)".

Ela provavelmente vai ficar um pouco surpreendida, e ou não sabe realmente o que dizer, ou pergunta "como é que isso afecta a tua vida?" (ou algo semelhante). Se ela não souber realmente o que dizer, explique de qualquer forma. Salte a teoria e dê exemplos. Tal como duas coisas principais, não uma lista exaustiva! Se houver mais, mesmo que seja importante, provavelmente deve esperar por outro tempo, desde que não seja urgente.

Um exemplo meu é: _"Por exemplo, acho novas situações, como ir a uma nova escola pela primeira vez, mais difíceis de lidar do que a maioria das pessoas, porque tenho de aprender a agir. Para mim não é tão automático".

5
4
2018-02-02 10:03:48 +0000

Como aspirante, e também diagnosticada tardiamente, eu sugeriria que "em breve é bom" mas "não demasiado cedo" - ela deveria ter os olhos abertos antes que seja "demasiado tarde" emocionalmente e que você, involuntariamente, cause danos. Eu não a conheço, nem a si, nem a ela, e por isso é difícil de perceber e muitas aspas não são muito boas a "detectar o momento".

Ela provavelmente já se aperceberá que não é um membro do espectro com baixo funcionamento, por isso não me daria ao trabalho de esclarecer isso. Basta ser sincero sobre quais as pequenas acomodações necessárias e o que lhe dá força. O seu não me soa muito invulgar ou extremo. Ela pode ter alguns na sua família ou amigos e saber o que fazer de qualquer maneira.

Você pode ter uma surpresa como eu tive. O meu encontro também acabou por ser uma surpresa.

4
3
2018-03-01 15:20:25 +0000

Há aqui muitas respostas boas, por isso espero poder acrescentar algo valioso:)

Eu também sou uma áspide. Não faço disto um segredo, mas raramente vou contar às pessoas. Há alguns anos atrás, comecei a namorar com o meu namorado. Achei que seria importante para o meu companheiro de vida saber (as razões para) o meu comportamento. Eu tinha feito um plano.

Durante os primeiros meses, eu pesquisei cuidadosamente o quanto ele sabia sobre o autismo e Asperger. Se ele soubesse, eu dizia-lhe directamente. Se ele conhecesse os estereótipos, eu só lhe diria sobre os meus "sintomas". Se ele não fizesse ideia, eu faria uma combinação.

Comecei por dar pistas claras de que eu não sou neurotípico. Embora normalmente não o faça, com ele eu apontava o que é difícil para mim. Dizia-lhe que detesto repetir sons e molhar coisas e que posso ser muito neurótica. Ele não ligava nada ao autismo, mas entendia onde eu precisava de ajuda.

Ele começou a fazer perguntas, como o que é difícil para mim e como ele pode ajudar. Ele queria saber até que ponto eu posso funcionar por conta própria. Ele tem-me apoiado muito, dando-me a ajuda de que preciso.

Isto não faz parte da sua pergunta, mas pensei em incluí-la na mesma. O meu parceiro anterior tentou "corrigir" o meu autismo, forçando-me repetidamente a situações desconfortáveis, para que eu "me habituasse" a elas. Tudo isto acabou por me colocar numa depressão. Ensinou-me a comunicar claramente as minhas necessidades ao meu parceiro e que se ele não as respeita, não é uma boa relação.

TL;DR: Comunique o que o torna diferente e o que precisa (dela), assim que for apropriado. Não tenha medo de ser diferente, mesmo as pessoas neurotipicas têm coisas que não podem fazer.

3
3
2018-02-02 23:10:47 +0000

Uma das questões que muitas vezes se colocam ao falar a alguém sobre uma condição psicológica ou desordem é que muitas pessoas têm, na melhor das hipóteses, uma ideia confusa do que o nome (o rótulo) da desordem se traduz na realidade. E geralmente diferentes indivíduos experimentam diferentes graus e expressões de sintomas relacionados. Além disso, um rótulo é um termo genérico que simplesmente não é pessoalmente relatável em si mesmo, a menos que essa pessoa já esteja familiarizada com alguém a quem se aplica.

As perturbações com nomes que no vernáculo significam algo diferente da sua aplicação clínica são propensas a isso, tal como as perturbações que são frequentemente o foco de lampooning ou outro tratamento semelhante, que apenas ampliam o mal-entendido que é a sua base.

Pessoalmente, sempre achei que a melhor abordagem é a de começar com o que vai ser relevante nas suas interacções com a pessoa com quem está a falar, e permitir que isso proporcione aberturas para mais discussões sobre o tópico/diagnóstico mais geral.

Este

  • Coloca o foco e o contexto em si.
  • Torna o tópico imediatamente relatável, porque você é o verdadeiro foco do tópico, em vez de um conceito generalizado.
  • Ajuda a evitar confusões relacionadas com entendimentos anteriores ou diferentes que não são aplicáveis à sua situação: as pessoas geralmente agarram-se ao que já sabem (ou pensam que sabem), e a forma mais fácil de mudar o conhecimento é através da experiência, em vez de simplesmente dizer a alguém que algo é diferente das suas crenças actuais.
  • É uma sincera demonstração de abertura e confiança.
  • Convida a uma maior conversa relacionada consigo e com as suas experiências, sinalizando claramente que está aberto a falar sobre o assunto dessa forma.

Ainda tenho questões sensoriais que podem ser problemáticas. Embora não conte a todos sobre a minha condição, nunca poderia sair seriamente com alguém que não soubesse. É quase uma garantia de que, a dada altura, enquanto estiver com ela, terei dificuldades que não consigo controlar porque sou autista e, se ela estiver consciente, será mais capaz de compreender e lidar com a situação. Para ser claro, sou totalmente auto-suficiente (emprego, apartamento, etc...) e não estou à procura de alguém para cuidar de mim. Só não quero assustá-la a primeira vez que ela me vê com uma sobrecarga sensorial.

Porque não começar por aqui? Você tem uma condição médica que geralmente está sob controle, mas que pode fazer com que certas coisas aconteçam quando você experimenta certos ambientes. Pode oferecer detalhes sobre isso. Seja aberto sobre como se sente quando isto acontece, e não há problema em ser aberto sobre o que geralmente se sente ao discutir o assunto.

Parte de uma boa relação é estabelecer confiança e descobrir até que ponto esses níveis de confiança vão quando nos tornamos vulneráveis de alguma forma a essa pessoa, e embora dizer a alguém que temos um distúrbio clínico e chamá-lo assim seja certamente uma forma de o fazer, sempre achei que conduzir com experiências pessoais e depois acompanhar com a explicação de algo que está a ser classificado como pertencendo a um determinado rótulo clínico leva a menos confusão e, ao mesmo tempo, significa claramente que ** quer e está aberto a falar sobre isso num contexto pessoal e não apenas como um rótulo.

Os rótulos existem para ajudar a facilitar uma compreensão rápida (transmitida apenas com esse rótulo), comum, presumivelmente partilhada general de uma forma que é por necessidade tanto imprecisa como impessoal. São de grande utilidade quando se trata, idealmente, de evitar ter de dar uma definição completa de algo quando apenas a própria etiqueta é suficiente. Mas a questão aqui deve ser sobre si e o seu potencial parceiro e as suas vidas e como isso significa neles, e a sua capacidade de comunicar entre os dois sobre assuntos pessoais como este... não apenas um termo genérico.

Começar pelos aspectos pessoais de viver com a sua condição ajuda a colocar a conversa resultante no contexto de ser uma discussão pessoal sobre si e a sua vida e não apenas um rótulo clínico geral que se aplica a si de alguma forma.

Nunca encontrei uma formulação ou abordagem específica que me facilite necessariamente esta situação, mas descobri que, de uma forma geral, abordar os detalhes da vida desta forma pode ser útil para transformar a discussão numa conversa honesta que a focalize mais pessoalmente, em vez de tentar começar desajeitadamente se a outra pessoa sente que está a abrir as coisas para uma discussão mais profunda ou não, ou mesmo defensivamente contra estereótipos ou outros mal-entendidos (ou pior, descobrindo mais tarde que a outra pessoa afirmava compreender, mas não os exprimia, nem sequer os exprimia, e eles coloriam a interacção subsequente).

Este é o tipo de discussão que eu, pessoalmente, traria mais cedo ou mais tarde, se sentisse que chegava a um ponto em que podia dizer que era alguém que faria um bom amigo com quem eu gostaria de passar algum tempo, independentemente de a relação se ter ou não desenvolvido mais romanticamente, uma vez que pelo menos alguns tópicos pessoais mais gerais já tinham sido abordados.

Penso que no momento em que se julga pela forma como as coisas têm andado, se vai ver a outra pessoa o suficiente para que seja bom para ela estar consciente da sua condição simplesmente devido ao resultado dos sintomas da mesma, é provavelmente o momento certo.

Falando talvez mais pessoalmente, penso que não estás a esconder nada se esse tempo chegar mais tarde do que mais cedo, e eu também pessoalmente sentiria que qualquer pessoa que julgasse que estavas a "esconder" alguma coisa simplesmente porque desenvolveste fortes capacidades de lidar com a situação e não é superficialmente visível que estás aflito com alguma coisa... pode ser alguém com quem é melhor não teres uma relação. Dito isto, o melhor é, em geral, revelar alguns detalhes cedo: se tiveres medo que isso afecte uma relação, é melhor saberes mais cedo do que passar demasiado tempo com alguém para descobrires que está mais preocupado com um rótulo que é apenas um entre muitos que podem ser usados para te descrever do que com a pessoa com quem realmente tens passado tempo.

3
2
2018-02-02 14:44:07 +0000

Se o primeiro encontro correu bem sem lhe dizer, será possível que ela goste apenas de ti para ti? Ela pode ainda não precisar desta informação.

Nos dias anteriores à Aspergers foi tão amplamente compreendido que havia muitas pessoas não diagnosticadas e qualquer coisa que fosse sintomática de Aspergers teria sido vista apenas como um traço de personalidade. Todos nós melhoramos a nossa personalidade ao longo do tempo, mesmo os neurotípicos! O seu desenvolvimento para se "encaixar", como diz, não é assim tão diferente.

Se existe alguma etiqueta popular a este respeito entre as comunidades Aspergers, não estou ciente disso. Falo inteiramente por experiência própria, conheço algumas pessoas com Aspergers e penso que ficaria mais feliz se aprendesse isto com alguém muito mais tarde, especialmente se estivéssemos a dar-nos bem sem uma explicação do porquê de terem agido ou falado de uma certa maneira.

Se pensa que se está a dar bem e que a relação está a progredir, porque não esperar um pouco? Veja, para responder à sua pergunta de "Como é que eu lhe digo sobre ser autista e as questões que causa sem pôr em risco uma potencial relação? "...

Contar-lhe cedo envolverá potencialmente muito mais discurso, especialmente se ela não tiver uma compreensão prévia da Aspergers. Terá de explicar a condição e depois continuar a explicar o tipo de coisas que ela pode esperar de si.

Dizer-lhe mais tarde - ou num momento da sua relação que se sinta naturalmente o momento certo, ou num momento em que sinta que um determinado comportamento necessita de uma explicação - significará que ela já experimentou o seu comportamento, terá um quadro de referência e provavelmente compreendê-lo-á muito melhor.

Não sei se esta é a opinião popular ou o que quer ouvir, mas estou preparado para atirar isto lá para fora para tentar ser útil. Estes são os sentimentos de alguém que é neurotípico (embora por vezes me pergunte!) e se a rapariga em questão é a mesma, então esta pode ser também a sua perspectiva.

2
1
2018-02-02 17:19:29 +0000

Sou neurotípico, por isso ia sugerir-lhe que o dissesse mais cedo ou mesmo perto da primeira coisa. Mas vejo aqui algumas das outras respostas e elas apresentam pontos muito positivos. Continuarei a dar a minha resposta original, mas com um pouco menos de ingenuidade.

Penso que depende do tipo de pessoa que ela é, em certa medida. Acabou de a conhecer na aplicação, mas também teve um primeiro encontro, por isso acho que está bem claro no que diz respeito a dizer-lhe em geral. É mais fácil, claro, se ela for uma pessoa amável e gentil, mas de qualquer forma, acho que deve falar nisso o mais cedo possível no seu próximo encontro.

Eu não a levaria a isso em particular. Tal como:

Ei, quero dizer-vos que tenho Asperger's, que só menciono porque por vezes tenho problemas sensoriais. Só quero que saibam com antecedência que se [tenho de sair da sala, ou o que quer que façam para lidar], é apenas porque estou um pouco sobrecarregado e preciso de me equilibrar.

Quero dizer, essas são palavras que eu usaria, mas algo do género que vos parece natural. Ela vai gostar de saber antes do tempo, especialmente porque você vai se certificar de que ela não receba sinais confusos. Ela irá provavelmente fazer-lhe algumas perguntas, e eu responder-lhe-ia tão honesta e directamente como você se sente confortável.

Ela pode sentir-se um pouco embaraçada, mas se sentir, pode dizer:

Por favor não se preocupe com isso; é apenas algo que eu queria que soubesse. Vamos falar de algo mais interessante.

Se tiveres mais alguma coisa que possas trazer à baila, começa a falar sobre isso e dá-lhe tempo para a processar.

Se ela vale a pena namorar, vai correr tudo bem. Espero mesmo que corra bem.

1
1
2018-02-03 23:13:25 +0000

Vou inverter um pouco a tendência com algo que pode ser impopular.

Acho que devias dizer-lhe o mais depressa possível*. (i.e. no vosso próximo encontro - não está certo neste segundo.)

Eu tendo a achar que _ quanto mais difícil é dizer algo a alguém, mais importante é dizer-lhe_.

Para examinar alguns dos cenários prováveis:

  • Se lhe disserem agora e ela tiver um problema com isso, então ambos ficarão chateados por algum tempo, mas vão seguir em frente.
  • Se você esperar até estar muito mais perto e ela tiver um problema com isso, então vai doer muito mais para ambos.
  • Se você lhe disser mais tarde e ela estiver bem com isso, então isso é bom.
  • Se você lhe disser agora e ela estiver bem com isso, então é um peso fora dos seus ombros e ela vai ser capaz de compreender melhor alguns dos seus comportamentos.

  • Ela pode não saber o que são aspergersos, nesse caso terá de lhe explicar.

  • Tente manter a explicação breve e não vá demasiado longe nos detalhes, caso contrário corre o risco de fazer parecer que o encontro inteiro foi apenas sobre ter aspergersos.

Quando acabares de explicar, pergunta-lhe se ela tem alguma pergunta e assegura-lhe que não te vais ofender, dessa forma é uma conversa de dois sentidos e ela vai cair como se tu a estivesses a incluir em vez de despejar algo importante nela.

Fazê-la fazer perguntas também é uma boa maneira de descobrir como ela é. Por exemplo, algumas das suas perguntas podem ser motivadas pela preocupação, o que mostra que ela é provavelmente uma pessoa carinhosa. Se ela está mais preocupada se isso tem impacto no seu trabalho, então pode ser uma dica de que ela está mais interessada na sua carteira. (Estas são generalizações, por isso tenha-as em mente mas não confie apenas nelas)

Importante, quando ela não tiver mais perguntas, passe para um tópico diferente para ter a certeza que não é a única coisa de que ela se lembra da noite. Talvez lhe queiras perguntar uma vez no final algo do género "Então estás bem com a história dos aspergersores? Lamento se foi um pouco de choque". (ou seja, pergunte-lhe como se sente e soa tranquilizador).

Esperemos que se ela não estiver de acordo com isso seja o ponto em que ela diga "Na verdade acho que não nos devíamos voltar a ver", mas o mais provável é que ela diga apenas "Sim, não é um problema, não se preocupe com isso".

Tente certificar-se de que só lhe pergunta se ela está de acordo com isso uma ou duas vezes. Se continuares a perguntar, ela pode começar a preocupar-se com o facto de ser um grande problema ou que estejas inseguro e à procura de alguém a quem te agarrar.

1
0
2018-02-02 14:30:14 +0000

O timing é também um factor a considerar, ou seja, não só como mas também quando. Primeiro queres estabelecer uma ligação com a pessoa, o que parece que tens.

Se fosse eu, falaria nisso quando surgir a situação certa. Por exemplo, talvez possa falar de um momento que uma vez o afectou por causa do seu autismo. Não precisas de fazer parecer uma história de "ai de mim" ou qualquer outra coisa, mas podias mencioná-la nessa altura.

Por exemplo, se ela está a contar uma história engraçada sobre uma altura embaraçosa em que conheceu uma pessoa e está a rir-se de algo embaraçoso que aconteceu, podias tentar trazê-la à baila, mencionando-te bem. Por exemplo, rir e dizer "Aconteceu-me uma coisa semelhante! Tenho um autismo que me torna um pouco difícil [x], por isso, quando [y] aconteceu, foi realmente embaraçoso. Eles viram o lado engraçado, por isso estava tudo bem".

Desta forma não estás a falar a sério do tipo "ouve, tenho de te dizer uma coisa", é à luz do tópico actual, e não é o foco principal da data. Se ela fizer mais perguntas, sinta-se à vontade para responder se é isso que deseja, mas ao trazê-lo à tona pelo menos ela sabe.

Esperança que ajuda

0
-1
2018-02-03 23:40:04 +0000

Eu não utilizaria o termo diagnóstico, porque os rótulos são para latas, como alguém observou acima. Eles apenas juntam pessoas que partilham alguns sintomas, e NÃO são todas iguais. Em vez disso, quando se fala de um possível local de encontro futuro, pode-se dizer algo como,

"Eu não vou a parques de diversões porque o barulho e as luzes intermitentes realmente me incomodam" "Que tal (alguma actividade que gostariam de fazer juntos, como uma caminhada ou um passeio de bicicleta, ou uma miniatura de golfe, ou...ou...) "

Seja muito concreto sobre aquilo com que tem problemas. A minha mulher teve uma concussão há alguns anos, e habituou-se a dizer às pessoas: "Por favor não leve a peito, mas eu tive uma concussão e tenho uma péssima memória de nomes". A resposta mais comum foi: "Eu não tive uma concussão. Qual é a minha desculpa?" Relaxa, sê simpático, sê tu mesmo.

-1

Questões relacionadas