Relações interpessoais
2017-07-27 11:07:25 +0000
60

Como pedir ao meu sogro para parar de entrar em nossa casa sem aviso prévio?

O meu sogro recusa-se a ouvir os nossos pedidos para não trabalhar em/na nossa casa durante os dias de semana.

Portanto, há aqui um pouco de história inversa. Comprámos uma casa há 8 meses, começámos a renovar e durante esse período fomos convidados a viver na casa dos meus sogros. O meu sogro já está reformado e está aborrecido todo o dia. Ele tem a chave da nossa casa em caso de emergência, etc. Quando ainda não vivíamos em casa, ele era livre para trabalhar sempre que quisesse. Há 2 meses atrás mudámo-nos, mas ele continua a ir e vir quando quer.

Falámos sobre ele a discutir a sua vinda primeiro, mas ele fica zangado sempre que tentamos. Ele atira o argumento "Devias estar grato por eu estar a ajudar" para todo o lado. Ele agora só envia uma mensagem ao filho (o meu parceiro), mas muitas vezes está a trabalhar ou não pode responder em breve e depois vai sem ter uma resposta de qualquer forma.

Isto resultou no facto de ele aparecer em muitas situações infelizes. Enquanto escrevia isto agora estou a trabalhar em casa devido a algumas circunstâncias e ele simplesmente entrou a marchar pela porta. Eu enviei uma mensagem X, mas ele não respondeu e agora está a trabalhar com equipamento muito barulhento. Quando lhe pedi para parar ele disse que era importante que ele fizesse isto hoje. Condições de trabalho perfeitas...

Ao lado disto ele é bastante desajeitado quando não estamos por perto, talvez porque ele está a ficar velho. Ele já partiu ou danificou várias coisas.

Sempre que discutimos este assunto, ele acaba numa luta ou ele fica ofendido. Precisamos da ajuda dele para acabar a casa, mas preferíamos que ele viesse aqui apenas aos fins-de-semana. Ele diz que precisa de descansar aos fins-de-semana para não querer trabalhar nessa altura.

A única opção que nos resta é pedir-lhe que não venha de todo? Receio que até pedir isso o vá ofender. Normalmente sou bastante bom a virar as coisas à minha maneira mas, seja como for, ele encontra algo que o ofende e fará todo um drama por causa disso.

Respostas [7]

71
2017-07-27 12:13:31 +0000

Da perspectiva de um estranho:

  • É a sua casa, por isso pode dizer quem pode lá estar quando e quem recebe uma chave.
  • É a sua hora, por isso pode dizer quando e se quer trabalhar para si.

Se ainda depende do seu trabalho livre terá de encontrar um compromisso sobre quando ele trabalha - ou na pior das hipóteses aceitar o seu comportamento. Se ele não quer trabalhar aos fins-de-semana, então não o podes obrigar (e nem sequer o deves obrigar a justificar porque é que ele não quer; é a hora dele!). Ter de o sugar será o preço a pagar pelo trabalho "gratuito" que ele faz.

Talvez os conselhos sólidos da Anketam resultem para si. Talvez você possa pedir a ajuda de um parente (sogra?) para pedir ajuda para outra coisa (que ele goste) a fim de mantê-lo ocupado durante a semana? Talvez o seu sobrinho precise mesmo daquele treefort construído pelo avô?

Se tudo isso não der em nada e se estiver disposto e puder pagar a outra pessoa para fazer o trabalho (ou encontrar outra pessoa que ajude de graça) então pode discutir com ele uma última vez (idealmente o seu parceiro faz isto) e deixar claro que ele só é bem-vindo sob certas condições. Se ele não aceitar as condições, tire a chave ou troque a fechadura. Sim, é claro que isso vai ser doloroso. Se você estabelecer e aplicar limites com alguém que claramente não tem nenhum conceito de (seus) limites, alguém vai ficar chateado. Para ser honesto, não vejo uma forma de contornar isto. Se você impõe limites, mantenha as interações curtas, neutras e consistentes. "Desculpe, já falámos sobre isto antes: não pode entrar e trabalhar hoje. Se quiseres trabalhar, volta no sábado". Então ignore todo o drama que ele lhe atira e pareça o mais aborrecido que puder.

editado para adicionar

Escreva nos seus comentários que

Precisávamos, queríamos e apreciávamos a sua ajuda quando nós e outros membros da família estávamos a trabalhar colectivamente na casa. Todas as outras pessoas deixaram de vir quando nos mudámos, porque nós pedimos que o fizessem. A minha FIL é a única pessoa que ainda sente que precisa de terminar certas coisas mesmo que não tenhamos pressa ou não nos importemos com elas.

Talvez possa tentar dar uma festa/jantar/jantar oficial "a renovação da casa acabou, yay! Convidado mais importante: o sogro. Agradeça-lhe profusamente pelo seu grande apoio (porque parece que ele nos apoiou bastante) e mencione repetidamente "Uau, estamos tão contentes por a fase quente ter terminado e agora podemos relaxar na nova casa que nos ajudou a construir". Demonstra a sua gratidão, dá-lhe atenção e apreço, celebrar juntos é (deveria ser) uma actividade alegre, e serve como um anúncio oficial de que a partir de agora o trabalho na casa não será norma, mas sim a excepção.

Claro que, depois da festa, é preciso impor os limites - mas talvez adocicem a pílula.

71
27
2017-07-27 11:38:02 +0000

Abrir esta situação com cuidado.

O ideal seria que o seu sogro tivesse um amigo próximo (de preferência outro reformado) que pudesse entrar e ter uma conversa com ele. Há muitas razões para isto, mas em particular uma possível causa poderia ser:

Se ele é alguém que obtém a sua identidade do seu emprego/trabalho então é possível que o seu sogro esteja a lutar para se reformar, e usando este esforço de renovação para ajudar a sentir que ele ainda tem algo para contribuir. Se esta é a causa, então um colega reformado pode dar-lhe conselhos de que esta não é uma forma construtiva de encontrar a sua identidade como reformado e precisa de encontrar uma forma diferente.

Há muitas razões possíveis para ele estar a agir desta forma (como se subconscientemente ele não aprovasse a sua relação). Trazer um terceiro que o seu sogro confia, respeita e dá bons conselhos pode ajudar muito a encontrar a causa raiz disto e a resolvê-la. Se não abordar a causa principal, e simplesmente tirar-lhe a chave da casa e contratar um empreiteiro para fazer o trabalho, isso provavelmente causaria danos irreparáveis à vossa relação.

27
14
2017-07-27 12:33:48 +0000

Neste momento, não há nenhum incentivo (a não ser a cortesia e o prazer) para a sua FIL fazer o que deseja. Você precisa fazer disso algo que ele quer fazer. O ideal seria que tivesses tido esta conversa no dia em que saíste de casa. Mas o recente incidente com você trabalhando em casa também pode ser um bom catalisador. Tente dizer algo como isto:

Pai (ou qualquer outro honorífico que use para ele), eu quero pedir desculpa pelo que aconteceu no outro dia quando você veio trabalhar na nossa casa. Estamos muito gratos por renovares a nossa casa para nós e por nos poupares tanto dinheiro para nos instalares a todos no mundo. Deve ter sido uma surpresa tão grande para si que eu estivesse em casa a trabalhar, e a querer silêncio quando tinha planeado um dia com as ferramentas barulhentas. Acho que isso realmente perturbou a vossa semana.

[Pausa]

Não vos quero fazer passar por isso outra vez. Se eu soubesse que você estava vindo, teria trabalhado de um café. Claro, custa-me um pouco de dinheiro e aborrece-me, mas isso não é nada comparado com o que estás a fazer por nós. Fá-lo-ei de bom grado. Talvez pudéssemos fazer um plano? Um número de dias por semana - talvez segunda, quarta, quinta? - Vou garantir que a casa estará vazia das 8h às 18h. Não terá de enviar mensagens nem nada, basta vir até cá. Quando chegarmos a casa à noite vamos ver o que fez, vai ser emocionante para nós! Às terças e quintas-feiras, normalmente não estará aqui, por isso podemos usar a casa durante o dia nesses dias, e os fins-de-semana, claro, são para relaxar. Acho que se tiveres de acabar alguma coisa e não puderes ficar longe, não te vou recusar, vou dizer ao [parceiro] para dizer "sim" quando nos enviares uma mensagem, mas podemos usar esses dias como o plano habitual. Parece-te bem? Penso que será mais previsível para nós os dois.

Agora ele pode questionar em que dias é, mas se isso é óptimo, ele aceitou a premissa. Ele pode salientar que o seu parceiro deve responder a mensagens sobre a sua chegada - e ele tem razão. Pode fazê-lo concordar que, se o seu parceiro não responder, ele terá de esperar e não vir até receber a resposta. Mas tudo isto é bom, porque em vez de argumentar "não venham cá a qualquer hora, os fins-de-semana são melhores para nós" "Nem pensar, sou demasiado velho para trabalhar aos fins-de-semana" estão agora a trabalhar calmamente juntos para estabelecer um horário que funcione para ambos.

É também do interesse dele saber que não se vai deixar entrar e descobrir que vocês estão no duche e não levaram roupa para a casa de banho convosco. Ou que você e o seu parceiro tiraram a tarde de trabalho para algum tempo, ahem, privado na cozinha. Numa pitada, pode referir-se a isso.

Olhe, também preciso mesmo de pedir desculpa pelo meu tom de voz quando fiquei surpreendida quando você chegou. (Pausa, pareça envergonhado, core se puder.) Veja, apenas uma hora antes disso eu estava no chuveiro. E fiquei horrorizada com a ideia de que poderia ter estado no duche quando tu chegaste. Deixou-me um pouco perturbado. Eu falei muito a partir disso.

Isto não devia ser uma mentira completa e total, adaptá-la a algo que realmente aconteceu (ou poderia ter acontecido) num dia em que ele uma vez apareceu, como se estivesses na sala de estar sem usar algo em que realmente pudesses ser visto, ou se estivesses na cozinha e tivesses de tirar alguma roupa por causa de um derrame, ou algo do género. A tua FIL parece não saber algumas das coisas que podem acontecer quando surpreendes as pessoas, por isso se necessário aludes gentilmente a algumas possibilidades.

14
12
2017-07-27 23:43:19 +0000

Da perspectiva de alguém que fez um pouco de trabalho de empreiteiro...

Já pensou que ele pode estar apenas a tentar completar o projecto e a fazer face à situação?

Tipos, especialmente os mais velhos, que já fizeram esse tipo de trabalho para ganhar a vida, normalmente gostam de o pôr inconsciente e completar o trabalho o mais rapidamente possível. Quando eu trabalhava para uma empresa de drywall, eles hesitavam em assumir projectos em casas ocupadas, em grande parte porque isso tornava tudo muito mais difícil e... Bem... Pode ser aborrecido ter um cliente por cima do ombro enquanto se tenta fazer as coisas.

Tente dar uma folga ao velhote, ele está literalmente a poupar-lhe milhares de dólares/euros e está a tentar terminar a coisa.

Se ajudar, tenha em mente que quanto mais ele estiver lá, mais perto o projecto está de ser concluído, e quanto mais cedo o projecto for feito, mais cedo a vida voltará ao normal.

Tente vê-lo da sua perspectiva. Ele tem feito muito trabalho árduo, de graça, e tudo o que ele recebe é aborrecimento sobre quando está tudo bem em vir e fazer todo este trabalho árduo não remunerado.

Os velhotes Cranky são normalmente rabugentos por uma razão. Ele pode ser rude, mas está realmente a fazer muito por si. Deixe-o fazer e acabe com isso.

Se tudo se resume a ele não bater antes de entrar, fale com ele sobre isso. Depois passe as manhãs seguintes enrolado numa toalha e pareça mortificado se ele simplesmente entrar... Principalmente brincando com a toalha, provavelmente funcionaria, mas não há necessidade quando um simples trinco interior ou uma corrente de porta lhe serve. Ele pode ter uma chave, mas adicionar um trinco extra vai forçá-lo a bater quando você estiver em casa.

12
2
2017-10-02 12:08:19 +0000

Encontro-me numa situação semelhante. Após um divórcio, encontrei-me um pai solteiro durante quase 5 anos e confiei muito nos meus pais e também na minha tia, de quem sou muito chegada. Eles tinham sempre uma chave da minha casa para situações de emergência e isso não era um problema. Mas embora eu confiasse muito neles, eles começaram gradualmente a fazer cada vez mais coisas por mim, bem intencionados, mas sem me provocarem. Enquanto eu estava sozinho, na verdade não me importava e nunca disse nada. Agora estou novamente casado, e a minha mulher sente-se desconfortável quando eles (ocasionalmente) se deixam entrar, e eu vejo o seu ponto de vista. Por outro lado, eles são maravilhosos e realmente ajudam-nos, algo que tanto eu como a minha mulher reconhecemos. A minha mulher também ama a minha família, e a questão não é a entrada, é o facto de ela não ser anunciada. Lembrou-se de arrumar alguma coisa embaraçosa? Talvez tenha deixado a roupa interior a secar em casa - há muitas coisas do quotidiano que não quer que a sua família, especialmente os sogros, veja.

Precisa de outro porta-chaves para emergências genuínas, como se estivesse fechado à chave, por isso não lhe tire a chave.

A minha sugestão é instalar um alarme anti-roubo e não lhe dar o código. Explique-lhe isto, expresse que quer que ele seja um porta-chaves para emergências, mas se ele quiser vir trabalhar para si, tem de o avisar e pode deixar o alarme desligado. Impressione-o que, se entrar em casa sem aviso prévio, o alarme disparará e ele poderá ter de lidar com a polícia. Esperemos que ele não se sinta ofendido porque ainda lhe confiam a chave, mas que modifique o seu comportamento. Saber quando é que ele vem ajudá-la-á a preparar-se - a esconder objectos quebráveis, por exemplo.

2
2
2017-07-28 22:33:10 +0000

Eu tinha a mesma situação - com o meu próprio pai. Penso que com o sogro pode ser mais complicado, pois o seu parceiro deveria estar mais envolvido do que você.

Ele estava a trabalhar no apartamento, normalmente em voz alta, sem perceber que horas são.

Eu também apreciei a sua "ajuda", mas estava a criar mais stress para o AMBOS do que era uma mais-valia.

Quando chegou o momento em que era insuportável, eu apenas me enchi do meu pai e ele deixou o apartamento com lágrimas nos olhos. Ele precisava de compreender que esta é a minha vida agora e que eu preciso de alguma privacidade.

Não telefonei primeiro. Quando ele telefonou, eu era rigoroso - quero vê-lo, claro, mas preciso de estar sob os meus termos. Isso significa que ele escreve pelo menos um dia antes se quiser vir visitar-me e tem de aceitar se eu disser NÃO.

Uma vez que a nossa relação melhorou muito :)

Por vezes ser 'rigoroso' é melhor.

2
0
2017-07-28 17:35:22 +0000

Em holandês há um ditado que diz que "médicos moles fazem feridas fedorentas". É melhor explicar-lhe de uma forma que não esteja aberta a interpretações, já não quer vê-lo em sua casa sem ser convidado. Se ele não respeitar os seus desejos, estará a persegui-la (penso que já o está a fazer). A perseguição pode levar a situações muito feias. Tive este problema há muito tempo com uma BIL, lidei com ele dessa forma e, desde então, demo-nos incrivelmente bem. Mas, no meu caso, o meu sogro não tinha más intenções.

0