Relações interpessoais
2018-01-10 19:51:18 +0000
107

Como recusar gentilmente uma colega de trabalho que pediu uma doação de esperma?

Eu tenho uma colega de trabalho feminina (ela é tecnicamente minha superior, mas em outro departamento).

Nós trabalhamos juntas há cerca de 4 anos e meio e nos tornamos boas amigas, sempre conversamos na cozinha no trabalho e ocasionalmente nos vemos fora do trabalho para tomar bebidas ou o que não for.

Recentemente ela confidenciou-me que o seu marido era estéril e perguntou-me se eu estaria disposta a fazer uma doação de esperma para que ela pudesse ter um filho, pois ela "valoriza realmente a minha inteligência" (palavras dela, não minhas).

Penso que simplesmente não me sinto confortável em ter um filho lá fora em cuja vida não participo (especialmente um a ser criado por alguém tão próximo). Pedi algum tempo para pensar sobre isso mas tenho a certeza que ela espera uma resposta em breve.

Como posso recusá-la de uma forma que não prejudique a nossa amizade?

Respostas [7]

205
2018-01-10 19:58:05 +0000

Diga-lhe exactamente o que escreveu acima. Que não te sentes confortável em ter uma criança por aí cuja vida eu não participo"_**.

Se ela tentar participar num debate, lembra-te de que não lhe deves uma explicação para além disso. Eu não me envolveria num debate do tipo "e se você pudesse visitar" ou qualquer coisa do género. Quando se trata deste tipo de decisões muito privadas não precisa de sentir qualquer pressão para as elaborar.

Seja o mais educado possível, mas se ela insistir no assunto não tenha medo de a interromper:

Posso ver que esta não era a resposta que esperava, mas a minha decisão é definitiva e não quero participar num debate. Obrigado pela sua compreensão.

Pode então deixar todo o episódio para trás se quiser preservar a relação.

205
82
2018-01-10 20:01:51 +0000

Dizes apenas: "Sinto-me honrado por teres pensado nisto. Lamento, mas isso não é possível", e não me dê mais explicações ou razões. Geralmente as pessoas querem razões para tentar trabalhar à sua volta; se simplesmente não o quer fazer, então não há necessidade de oferecer uma razão.

Tenha isto em mente: num caso recente , o doador teve de pagar apoio à criança. Está disposto a correr esse risco? Mesmo que a maioria das leis o absolva da responsabilidade se feito sob a supervisão de um médico, se não estiver emocionalmente preparado para uma relação para o resto da sua vida com esta pessoa, não vale a pena.

Os colegas de trabalho vão e vêm. Mesmo que isso prejudique a sua relação, nenhum dos dois irá trabalhar lá para sempre. Considera-a uma honra mas não deixes que ela te culpe se não estiveres preparado. É a tua vida, também.

82
32
2018-01-11 12:38:20 +0000

Se se trata apenas de não ter qualquer parte na vida da criança, isso implicaria que, se lhe for permitido ter uma parte na vida da criança, não haveria qualquer problema. Não pretendendo argumentar, apenas salientar que isto é algo que ela poderá trazer à tona se você mencionar "nenhuma parte", o que poderá levar à frustração de ambos os lados (a menos que a possibilidade acima seja algo que você não se importe).

Eu sugeriria trazer como é grande uma parte que você quer ter em vez disso, por exemplo:

Sinto-me honrado por ter sido perguntado, mas infelizmente não me sentiria confortável em ter uma criança por aí ** sem ser aquela que a cria***.

É muito mais difícil argumentar contra isto, porque por muito grande que seja a parte que lhe é dada na vida deles, não seria você a criá-los.

Ela poderia trazer à tona a possibilidade de você ter alguma parte na vida da criança em resposta a isto, para a qual esta simples resposta deveria ser tudo o que é necessário:

Não é a mesma coisa, ainda não seria eu a criá-los.

32
14
2018-01-11 09:33:43 +0000

Não existe realmente "uma criança em cuja vida você não participa".

Não sou especialista em direito da família, mas mesmo que você pudesse assinar os seus direitos e outra pessoa "adoptasse" essa criança, todos deveriam ter o direito à sua verdadeira história familiar por razões médicas, se nada mais.

Diga simplesmente algo como:

Pensei nisso e lamento, não posso ajudar.

Não se deve sentir mal ao afirmar a sua posição pessoal sobre esta questão. Não está a negar-lhe um filho; há muitas outras formas de ela poder ter um filho (adopção, acolhimento, possivelmente até com o marido através de outras vias médicas). Se alguma coisa você seria aquela a quem seria negada a possibilidade de ver o seu filho crescer.

14
9
2018-01-10 23:59:31 +0000

Como observador, estou curioso em saber por que razão estaria preocupado com esta questão que afecta a relação. Haverá a possibilidade de dizer-lhe simplesmente "não" arruinar a dinâmica que tem actualmente?

As presentes respostas deverão responder adequadamente à sua pergunta sobre como abordar o tema. Por outro lado, não concordo que lhe deva dar uma decisão sem razão, porque isso poderia resultar potencialmente numa discórdia na sua comunicação e relação. Ela está a fazer uma pergunta de sim ou não, só há um caminho a seguir. Não é o "não" que a vai perturbar, é o "porquê".

Para simplificar ainda mais, seja sincero e genuíno.

Exprima as suas preocupações sobre isso, e não se preocupe muito em desiludi-la facilmente - afinal, ela já é casada. Se preferir ter tacto, talvez convide-a e ao marido para jantar com o objectivo de discutir o seu raciocínio, pedindo-lhe para ser o doador. Ouça-os primeiro, dê-lhes a sua decisão, depois deixe-os ouvi-la. Seja franca sobre isso e fale da sua contínua amizade como uma das suas preocupações.

Depois de os ouvir:

Quero que saiba que tomei uma decisão. A resposta é: não. Embora me sinta lisonjeado, considerei cuidadosamente todos os efeitos a curto e longo prazo de uma decisão como esta e receio que o risco seja demasiado grande para mim.

Cite os seus planos futuros e que o conhecimento de ter tido um filho como doador afectaria o seu bem-estar emocional dez, e mesmo vinte, anos a partir de hoje.

Ela não é uma estranha, é uma amiga, e com amigos é importante que saibam verdadeiramente de onde você vem.

9
8
2018-01-11 14:42:46 +0000

Uma abordagem diferente seria o dano que isso poderia causar à sua relação de trabalho/amizade...

Embora me sinta lisonjeado por ter perguntado, pensei nisso, e só de pensar nisso fico um pouco desconfortável. Preocupa-me que, se eu o aceitasse, a nossa relação se tornasse igualmente desconfortável.

8
0
2018-06-10 20:49:18 +0000

Diga-lhe simplesmente que não se sente à vontade com ela, pela razão que afirmou que deveria ser suficiente.

Se quiser elaborar para a dissuadir disto, há mais razões para que isto seja uma má ideia, para si, para ela e para o marido dela. Se no futuro entrares numa relação, como é que a tua namorada se vai sentir ao teres um filho com outra mulher? Não sei quais são as opiniões religiosas das pessoas envolvidas, mas já foram consideradas? Infelizmente, na cultura ocidental actual, a definição de sexo baseia-se no prazer em vez de no contacto ou algo do género. Mas não resistindo a essa definição, acha que não faz mal ter sexo com a mulher de outra pessoa, uma vez que o marido não pode ter filhos?

Se concordar com alguma destas razões, talvez possa encorajá-los a adoptar um filho em vez disso. Assim, a sua resposta poderia ser algo do tipo "Preocupa-me que isto seja mau para a vossa relação". Talvez fosse melhor para si adoptar uma criança".

0