Relações interpessoais
2017-10-10 06:08:26 +0000
36

Como responder a apanhar alguém numa situação embaraçosa?

Não existem preconceitos religiosos ou outros contra / proibições ao onanismo, por isso não se trata de uma questão. Trata-se apenas do embaraço da situação.

Isto aconteceu há algum tempo atrás e ainda me pergunto o que deveria/ poderia ter feito melhor.

Situação

Bob é um parente meu por volta da idade da puberdade. Eu sou cerca de dez anos mais velho.

Eu estava a visitar outro familiar durante as férias, assim como o Bob e a sua família. Quando cheguei, nenhum carro estava estacionado lá fora, por isso pensei que não estava ninguém em casa. Sem que eu soubesse, os outros tinham saído por algum tempo, excepto o Bob.

Fui a um dos quartos para guardar a minha bagagem e rapidamente abri a porta. O Bob não tinha ouvido os meus passos e estava a masturbar-se. Com certeza, fiquei bastante surpreendido quando o vi e ele ficou assustado. Fechei imediatamente a porta e entrei no outro quarto.

Ele manteve alguma distância de mim durante o resto da nossa estadia, como se tivesse vergonha (corar quando se apercebeu de mim, evitar contacto visual, etc.). Para além disso, interagimos normalmente, pelo que provavelmente mais ninguém reparou em algo. A minha reacção foi não falar sobre o incidente e agir, como se nada tivesse acontecido.

Pergunta

O meu objectivo é que o Bob se sinta confortável e não envergonhado e que o ultrapasse rapidamente.

Não tenho problemas com o que ele fez e não penso, que devíamos fazer uma montanha a partir de um monte. Mas tive a sensação, que para o Bob deve ter sido muito desconfortável, porque o "apanhei" literalmente de calças para baixo e ele é um pouco tímido (imagino que teria sido mais fácil se um familiar masculino o tivesse surpreendido).

Qual teria sido uma boa resposta ao incidente?

Não tenho a certeza, se a minha reacção (agindo como se nada tivesse acontecido) foi a melhor. Quais são as melhores abordagens para aliviar a dor do Bob?

Numa nota: Como ele não faz parte da minha família imediata, vemo-nos de forma irregular.

Respostas [12]

30
2017-10-10 07:54:51 +0000

Agir como se nada tivesse acontecido é a melhor reacção para mim.

Como comento, a masturbação é uma "coisa perfeitamente natural, normal". A referência veio do filme "American Pie", onde o pai do Jim se deparou com a masturbação do Jim, e tentou pedir desculpa e educar o filho ao mesmo tempo, o que é bastante embaraçoso e embaraçoso.

Basta seguir em frente. Uma vez que Bob está na idade da puberdade, mencionou ainda que o incidente poderia dar-lhe a impressão de que "estou aqui para falar sobre o incidente e julgar o seu comportamento". Ele pode repensar a questão e causar ainda mais problemas. Além disso, ele provavelmente espera que você simplesmente esqueça o incidente e aja como se nunca tivesse acontecido.

Além disso, abordá-lo para uma conversa só ganhará mais embaraço ainda. Ele está consciente do embaraço, e o mínimo a fazer é torná-lo ainda mais embaraçoso.

Portanto, avancem.

30
27
2017-10-10 07:24:14 +0000

Isto pode parecer um pouco brusco, mas é o que eu faria...

Puxa o rapaz para o lado. Diga-lhe: "Ei, está tudo bem. Não há problema. E nós nunca, nunca mais vamos discutir isso. Agora dê um abraço à tia e depois um scat, sprat."

Excepto... Acho que eu seria tio, não tia.

Actualização: Mencionarei nas notas abaixo que há muito a dizer sobre se um abraço neste cenário é uma boa ideia. Esta parte está entiramente dependente de como é a sua família. Algumas famílias são grandes abraçadores. Algumas não são. OP ou qualquer pessoa numa situação semelhante - com que frequência é que isto surge, afinal? -- terá de estar ciente da dinâmica de abraços pré-existente.

27
20
2017-10-10 08:08:10 +0000

Bob irá definitivamente nunca esquecer esta situação sem falar sobre ela. Ele na verdade *não sabe** o que pensa sobre esta situação. Provavelmente ele espera que você fique enojado* ou que pense algo mais estranho sobre ele.

É por isso que eu recomendo vivamente que fale com ele. É o melhor para os dois. É importante como falar com ele.

Não façam dele um drama. Diga-lhe com facilidade que está tudo bem e que ele não tem de se envergonhar. O teu humor enquanto falas com ele é muito importante. Por isso ele pode dizer que isto não é grande coisa para si.

Quando chegar a uma conclusão, não diga apenas "não vamos falar mais sobre isto" (isto não é definitivo). É melhor dizer algo como "vamos esquecer isto". A diferença é que, no primeiro caso, parece que já não se vai falar mais sobre isto, mas nunca se vai esquecer, porque neste cenário a pessoa envergonhada espera sempre o pior caso. Ao dizer-lhe que o vai esquecer, parece que este capítulo incómodo está prestes a ser encerrado.

20
8
2017-10-12 02:27:35 +0000

Podia tentar encontrar um momento para falar com ele em privado e dizer algo do género:

Hey, desculpe por ter entrado há pouco. É uma coisa perfeitamente normal que estava a fazer.

Mas de qualquer forma, [alguma desculpa para sair / mudar de assunto].

A mensagem pretendida aqui é "não é nada de especial".

  • Não arraste as palavras acima ou ponha demasiada emoção nelas - diga-o rapidamente de passagem como se não fosse nada de especial
  • Não peça explicitamente perdão com algo do tipo: "pode perdoar-me? "
  • Não entre em mais detalhes
  • Não diga explicitamente que não voltará a falar sobre isso
  • Não diga explicitamente as palavras "não é nada de especial"

Fazer qualquer uma das coisas acima faria com que parecesse uma coisa muito maior.

Eu provavelmente sugeriria tentar mudar de assunto em vez de arranjar uma desculpa para sair, pois isso faz com que seja ainda menos importante (pois pode parecer que começou realmente a conversa para falar sobre a segunda coisa) e pode impulsioná-lo de volta à forma como costumava interagir (porque está a colocar a conversa normal ao lado da embaraçosa, para sublinhar que pode simplesmente voltar ao normal). Mesmo que apenas perguntes algo tolo e diário como "já viste o gato".


Como alternativa ao "É uma coisa perfeitamente normal que estavas a fazer", podes tentar uma abordagem um pouco leve e dizer "Nem me consigo lembrar do que estavas a fazer".

8
6
2017-10-10 18:34:48 +0000

Rapaz, isto deve ter sido muito embaraçoso! Mas sim, isto foi um acidente. O Bob deve ter-se sentido muito envergonhado e tu também deves ter-te sentido envergonhado por "causar" o seu embaraço.

Isto aconteceu há algum tempo e tu não vês o Bob muitas vezes, pois não? Se ainda sente que precisa de fazer algo em relação a isso - eu deixaria as coisas como estão - a não ser que me sentisse extremamente mal e não conseguisse largar -** enviava-lhe um cartão apropriado para a idade, engraçado até, "I'm Sorry" (para aliviar o ambiente), e dizia simplesmente que lamentava**.

Não continuaria a escrever sobre se o que ele estava a fazer era normal. Não acho que seja necessário. O embaraço provavelmente foi causado não porque o Bob pensou que não devia fazer isso, mas porque você, um parente, o apanhou a fazer algo pessoal, algo privado. E todos sabemos que a masturbação e o sexo são, normalmente, feitos em privado.

Sentir-me-ia muito constrangido se não lhe tivesse passado vários anos e, mais uma vez, não o forçaria.

6
6
2017-10-10 11:33:09 +0000

Como alguém que já esteve em algo semelhante à situação do Bob; posso dizer-vos que ele está apenas em estado de choque. Ele não sabe como reagir e, na verdade, está mais assustado que talvez você diga às pessoas o que viu ou algo desse mal.

O tempo vai curar o factor choque - ele vai compreender no seu próprio tempo que, na verdade, ele não estava a fazer nada de estranho ou não natural; muito pelo contrário. Ele apenas sofreu um pouco de azar e vai passar por isso.

Entretanto, pode abordar o medo sugerindo uma viagem ao cinema ou alguma outra actividade para mostrar que no final do dia, aconteça o que acontecer, ainda é amigo dele e está feliz por passar tempo com ele.

6
2
2017-10-12 10:10:21 +0000

Já fui apanhado e preso em situações embaraçosas como esta.

O melhor, em quase QUALQUER situação de tensão, é falar abertamente sobre isso. De que forma, depende da sua relação com essa pessoa.

Se tivesse sido um dos meus amigos, provavelmente teria dito algo sarcástico ou feito uma piada perversa.

Se tivesse sido um parente como a situação que está a descrever, talvez algo mais como:

'Haha, isso foi um grande woops! Deve ter sido tão embaraçoso para si como foi para mim. Mas, ei, é tudo bom, vamos esquecer isso... É uma coisa humana a fazer. Mesmo que não fosse, quem sou eu para julgar o que fazem na vossa própria privacidade.

Desculpem ter entrado assim".

2
2
2017-10-11 15:27:14 +0000

Se o ignorarem, isto pode ter impacto nas vossas futuras interacções com o Bob.

Eu diria ao Bob como lamentam que ambos se tenham encontrado nessa situação, e nunca mais se voltará a falar nisso. Aí está tudo acabado. Vão viver e o Bob aprende a ser mais discreto.

Muitos adolescentes sentem vergonha de se masturbarem, e penso que isto o fará sentir-se aliviado e vocês podem rir quando ele for adulto.

Fazer um acordo maior é desnecessário e causaria mais ansiedade.

2
1
2017-10-11 02:53:59 +0000

Penso que há poucos motivos para falar nisso (por assim dizer) se não o vêem há muitos meses. Se o voltarem a ver em breve, só o poderão fazer se a oportunidade se apresentar, digam vocês os dois sozinhos sem planeamento, poderão oferecer "Lamento o que aconteceu/sobre a entrada". Portanto, por favor lembrem-se; eu nunca estive lá e traços diferentes para pessoas diferentes"

Isso seria directo mas suficientemente leve para o fazer saber que está safo e que está bem com a sua actividade.

1
1
2017-10-10 07:21:54 +0000

Situações embaraçosas como estas são muito difíceis de resolver. Principalmente porque há uma boa probabilidade de se deteriorarem e criarem clivagens entre os envolvidos.

Muitas vezes aconselho as pessoas a resolverem situações embaraçosas antes que se tornem mais embaraçosas, mas neste caso provavelmente diria para esquecerem.

Como se trata de uma pessoa que se vê irregularmente, é preciso avaliar a situação depois de decorrido um período de tempo razoável. Se, ao fim de algumas semanas, nos voltarmos a encontrar e a situação se tornar incómoda a ponto de não conseguirmos ter uma relação saudável com essa pessoa, então eu sentar-me-ia e falaria com ela. Se se sentir desconfortável, aconselho-o a ter um familiar masculino a intervir.

Isso, claro, pode criar ainda mais embaraço do lado do Bob, pois ele pensava que só você sabia, mas agora mais pessoas sabem - e se os pais dele sabem - e se toda a família sabe, etc.

Abordagem com cuidado. É fácil transformar um pequeno constrangimento em algo maior.

1
0
2019-11-21 15:16:26 +0000

Não sou adepto de me afastar sem dizer nada ou trazer isso à tona mais tarde. O primeiro força o tabu e deixa a outra pessoa inconsciente dos seus pensamentos sobre o assunto, o que provavelmente levará a um maior embaraço, especialmente se não estiver tão perto.

Por outro lado, puxar alguém para o lado para lhe dizer "desculpe por ter entrado mais cedo" ou "não é nada de mais" provavelmente tem o efeito oposto - afinal, sente-se a necessidade de discutir a situação depois do facto. Você está activamente a fazer um grande(ger) negócio.

Imagine se alguém o procurasse para lhe pedir desculpa por outras faux-pas menores, digamos, esbarrando em si mais cedo ou entornando a sua bebida na mesa. Eu assumiria que eles ou estão a namoriscar comigo (usando uma banalidade como início de conversa) ou que algo sobre a situação realmente os afectou*.

Tenho estado em ambos os lados desta situação, e continuo a estar com alguém próximo de mim, e na minha experiência a melhor resposta para minimizar o embaraço é tratá-lo como qualquer outro percalço trivial. Podias ter dito algo como

Whoops, porta errada.

ou

Desculpa, não te vi aí.

e deixa-a assim. Dessa forma, deixa claro que, embora respeite a privacidade deles, não os abala nem os julga ou o que quer que seja que um adolescente ansioso possa pensar, e _ se_ eles estão ansiosos de qualquer forma, não os obriga a reviver ou a reconhecer a situação de todo.


\ *ambos já me aconteceram

0
0
2017-10-18 17:43:51 +0000

Eu enviaria uma nota, um cartão, ou uma mensagem de texto a dizer "desculpem-me por vos ter interrompido, mas nunca a vou mencionar a ninguém". Penso que este é um caso em que ele não quer ter de responder (ou olhar-te nos olhos), e por isso é melhor não o fazer cara a cara; mas ao mesmo tempo ele merece um reconhecimento de que isso aconteceu e que a culpa foi tua.

0