Relações interpessoais
2017-10-04 07:03:26 +0000
75

Como redireccionar um vampiro da vida real para uma fonte alternativa de ajuda alimentar... um... assistência?

Tive recentemente alguns problemas com um help-vampiro no escritório. Ela tem mais ou menos a minha idade (fim dos vinte anos), é da Índia e não fala holandês. Ela trabalha no mesmo escritório que eu, mas não no mesmo projecto/equipa. Foi contratada por recomendação de alguém da minha equipa e está actualmente a aprender a programar em Java. A única codificação que ela faz são exercícios relacionados com isto, ela não está a trabalhar em nenhum projecto.

Ela muitas vezes prende-me na máquina de café, no refrigerador de água, durante o almoço/jardim de sexta-feira à tarde bebidas ou mesmo quando estou a caminho/de regresso da casa de banho. Ela começa sempre com conversa fiada, mas depois de duas ou três frases ela começa a fazer perguntas que o google pode responder. Muitas vezes, estas perguntas não são suficientemente coerentes ou específicas para responder, mesmo quando é tida em conta uma barreira linguística. Aparentemente, ela ainda pensa que eu devo ficar feliz em ajudá-la (depois de toda a relutância que eu demonstrei). É como se ela esperasse que, ao fazer perguntas suficientes, eu acabasse por deslizar na minha determinação e fazer o seu trabalho por ela: dar-lhe respostas aos seus tutoriais/exercícios.

Desde que nunca fui muito bom a ensinar, e certamente não tenho paciência para a ensinar (ela é, na minha opinião, muito lenta na assimilação), experimentei alho e cruzes, e tudo o que é sugerido em este artigo :

:

  • Marquei o StackOverflow e a documentação oficial de Java para ela.
  • Enviei-lhe múltiplos links "deixe-me ir ao Google que para si", disse-lhe para ir ela própria ao Google antes de lhe perguntar, até lhe disse que não falo até ela usar os recursos que lhe dei.
  • Sempre tive o cuidado de nunca fazer o seu trabalho por ela, e apenas dar-lhe a resposta. Eu sempre lhe disse para ir procurá-la ela mesma. Em suma, nunca fui realmente útil para ela (o que torna o facto de ela continuar a voltar ainda mais desconcertante).
  • Disse-lhe que as respostas às suas perguntas estão por toda a Internet, e chamei-lhe a atenção para o facto de que encurralar-me para fazer estas perguntas não me dá uma boa impressão dela.
  • Apontei todas as suas características de ajuda-vampiro, tal como descritas no segundo parágrafo.

  • Por isso, agora, não sei o que fazer com ela. Espero que alguém aqui já tenha lidado com uma vampira-ajuda antes. Como é que os consegue alimentar noutro lugar? E se não existe uma fonte alternativa de alimentação, como é que os leva a preferir morrer de fome a alimentar-se de si?

Em inglês normal: Qual é a melhor maneira de lidar com ela quando quero que ela use fontes alternativas de conhecimento ou que me deixe completamente em paz?

Respostas [9]

57
2017-10-04 07:23:11 +0000

Isto é anedótico, mas talvez possa ajudar:

Foi muito rude da minha parte e não me orgulho disso, mas quando nessa situação, eu decepcionei a pessoa.

Literalmente, fiz de "estúpido". Fingi não perceber o que ele estava a perguntar e não sei a resposta. Por isso, para usar a sua imagem: Eu sequei a fonte de comida. Ele foi a outro lado e em parte aprendeu a descobrir as coisas sozinho.

Lembre-se que isto também foi após tentar tudo o resto. Quando começou a meter-se me em sarilhos porque não fui capaz de terminar meu trabalho a tempo, decidi ir a um buraco sobre isso.

  • *

Hoje, eu tentaria falar com o chefe da sua equipa e suggest para obter algum treino ou conselheiro dedicado para ela*). Pelo menos faça com que outra pessoa saiba que ela o está a distrair do seu trabalho real de uma forma desagradável. Como Timmetje salienta: não o torne pessoal. Mantenha as coisas "crescidas" e profissionais. Aponte as implicações práticas em vez do seu "ficar irritado".

Especialmente se não for "duro" o suficiente para simplesmente "decepcioná-la", pode ser melhor partilhar o peso sobre os seus ombros. Se ela falhar nos treinos e for despedida, bem não é culpa sua - provavelmente não devia ter sido contratada.

Novamente: se o comportamento dela a meter em problemas, bem - não é culpa sua. No final das contas, pode não ser a escolha certa de carreira para ela. Nem toda a gente _ pode_ ser uma desenvolvedora.

  • *

Mind, que eu fiz nunca dou uma resposta errada de propósito. Tudo o que eu fiz foi não dar uma resposta de todo. Enganar o vampiro ou tentar metê-lo em apuros, dando informações falsas vontade de dar um tiro pela culatra, especialmente no desenvolvimento de software.


\ *) EDITAR: Depois de saber que a formação é tudo o que ela faz: Ela definitivamente precisa de um "padrinho" ou supervisor para ir. É absolutamente ultrajante se ela tiver que incomodar algum colega (aleatório) só porque ela não sabe a quem perguntar.

Até que ela tenha uma pessoa assim: Talvez tente "reduzir" a sua ajuda em vez de a recusar completamente. Isto parece-me injusto, agora.

Se ela tem alguma supervisão "leve" como a que você teve (como você escreve nos comentários), então talvez seja útil falar com o supervisor dela sobre a situação. Não de forma acusadora, não como "ela é tão chata", mas profissionalmente. Talvez o supervisor apenas precise de supervisionar her um pouco mais do que eles supervisionaram you. Nem todas as pessoas conseguem lidar igualmente bem com a "auto-aprendizagem".

E há também a componente cultural que mencionei nos comentários: Talvez ela se sinta intimidada ou envergonhada ou se abstenha de perguntar directamente ao seu supervisor (não vou especular sobre o raciocínio porque isso seria irrelevante para si).

57
41
2017-10-04 07:58:42 +0000

Esta é a minha opinião profissional como líder de desenvolvimento de três equipas de software (nos Países Baixos).

Lidar com ela pessoalmente não é resolver o problema subjacente.

Ela ou não é devidamente orientada por um colega na sua equipa, ou não é adequada para a empresa.

Em vez de tentar evitar ou parar o seu comportamento vampiro, tente fazer o melhor também no interesse da empresa. Isto também é bom para si.

Você disse que ela está no processo de aprendizagem de Java; isto significa que há alguém que é suposto ser o seu companheiro/treinador. Leve-o consigo para fazer um trabalho melhor e mencione que não se encontra apto para o fazer. E também lhe diga que duvida da capacidade dos "vampiros" (mas seja profissional sobre isso).

Se não houver um colega a orientá-la, então fale com o Chefe de Equipa, Scrum Master, Project Manager ou HR. Esta é uma forma muito má de ensinar os seus formandos, e eles precisam de uma orientação adequada. Mais uma vez deixa-o saber que duvidas da habilidade do vampiro e volta a ser profissional.

Se depois de tudo isto nada mudar, então começa a resolver o problema não dando ajuda e simplesmente declara: "Não me encontro apto a guiar-te; por favor pergunta a alguém da tua equipa. Boa sorte".

41
34
2017-10-04 19:27:09 +0000

De acuerdo con la fundada "sospecha" de @Anne Daunted en comentarios de que su nuevo colega podría estar buscando un amigo en lugar de un tutor, ¿puedo sugerir, basándome en mi experiencia personal como india, incluso a riesgo de generalizar en exceso, que en el contexto cultural indio, Hacerle a alguien preguntas relacionadas con el aprendizaje después de unirse a una nueva comunidad u organización es un tipo típico de comportamiento social sumiso (léase hacer amigos) que tiene como objetivo establecer una relación social no competitiva con los demás, a fin de ser bien aceptado en la comunidad como miembro nuevo o junior.

Yo mismo haría esto si me uniera a una nueva organización. Es lo que se hace en la cultura india. Al hacerte tantas preguntas relacionadas con el trabajo que ella misma podría encontrar las respuestas fácilmente, probablemente está expresando humildad y dependencia al darte el mensaje de que tú eres más conocedor y su superior organizacional, lo que simplemente significa hacerte su amigo, como la primera etapa para integrarse bien en la organización.

Aunque un comportamiento tan inseguro es típico de alguien nuevo en una empresa/ciudad/país, también puede ser significativo que usted hable tan bien el inglés, @Tinkeringbell, si el idioma principal de la oficina y el primer idioma de la mayoría de los empleados es el holandés, porque su nuevo colega no sabe holandés y la India es un país anglófono. Además, las mujeres indias que van a una tierra extraña tienden a hacer primero una amiga de edad similar, para tener más confianza en un entorno social desconocido. Estoy tratando de explicar estas posibilidades con tanto detalle porque entender el verdadero problema es la clave para resolverlo.

¿Cómo puedes tratar con ella?

1. Primero, @Anne Daunted tan perceptivamente sugirió en 2 comentarios,

¿Alguna vez le preguntaste, por qué siempre te pregunta en lugar de, por ejemplo, googlearla ella misma? Parece que ella es la única que hace las preguntas. Tal vez de una manera amistosa y no acusatoria podría surgir una pequeña conversación y usted podría averiguar más (¿busca más a un amigo que a un tutor, tal vez?) o usted podría señalarle algunos problemas (como por ejemplo, cómo es útil para ella ser capaz de resolver sus problemas por sí misma, etc.). ) [...] Fuiste bastante directo y no ayudó, sólo me pregunté si podría arrojar algo de luz sobre el problema subyacente (si ella busca un amigo o experimenta problemas en su equipo que le hacen buscar a otros o algo más).

*2. * También le recomiendo que le diga francamente que necesita entender cómo hacer preguntas de fácil investigación relacionadas con el trabajo puede ser útil para demostrar humildad y dependencia para su propósito de integración en la comunidad en un contexto cultural indio, pero crea una muy mala impresión en el lugar de trabajo holandés que valora más la competencia y la independencia, como buenos rasgos profesionales y sociales.

Cuando dice esto está revelando su comprensión de sus motivaciones, algunas de las cuales puede que ella misma no haya entendido. Incluso si ser demasiado franco de esta manera puede ser posiblemente incómodo para usted y temporalmente doloroso para ella (_ si es una persona sensible_, pero no de otra manera) es probable que rápidamente aclare los malentendidos culturales y la ponga en el camino correcto en cuanto a las expectativas profesionales y culturales en Europa y los EE.UU.

3. Si eso todavía no funciona entonces es hora de discutir el asunto con la alta dirección, como se ha señalado en más de una respuesta anterior.

34
5
2017-10-04 11:31:46 +0000

Tenho uma rica experiência pessoal de ter medo ou desconforto em recusar a alguém que me está a incomodar. Quando estava na escola, muitas vezes ajudava os meus colegas de turma com os seus trabalhos de casa e testes. Eles ligavam-me sempre que se esquecessem de escrever os seus trabalhos de casa, o que era literalmente todos os dias.

Resultou apenas no meu profundo ódio para com eles porque eu era incapaz de lidar com os meus problemas pessoais naquela altura e desperdiçar a minha energia para gratificar a sua preguiça só piorava as coisas.


Afinal, a melhor maneira de recusar é a forma directa. Eu faço o seguinte:

  1. Anterior* , tomei uma decisão sobre quem vou ajudar e em que situações. Por exemplo, quando me pediram para reparar um PC/laptop, decidi ajudar apenas os membros da minha família. Isso significa que não vou reparar computadores, nem mesmo dos meus amigos mais próximos, simplesmente porque é demasiado incómodo para mim.
  2. Quando abordado por uma pessoa em busca de ajuda* , fixo-a directamente nos olhos com uma expressão neutra (pelo menos penso que é neutra, mas não me consegui ver nesses momentos) e digo "Não", sem qualquer esclarecimento de motivos. Acho que dizer simplesmente "Não" enquanto olho para os olhos e abano ligeiramente a cabeça funciona melhor. Se quero que pareça menos frio, faço um sorriso "educado", ou seja, sorrio usando apenas os meus lábios, também conhecido como "sorriso falso".
  3. Se me perguntarem: "Porquê? " , dou uma breve resposta directa, que normalmente é: "Não vos quero ajudar". Acho muito importante não inventar desculpas como "demasiado ocupado", porque essa pessoa vai ouvir como "demasiado ocupado não, mas pode voltar mais tarde". As desculpas fazem-me parecer que sou uma pessoa fácil de manipular, encontrei.
  4. Se uma pessoa está a ser persistente e começa a perguntar porque não a quero ajudar, recito a minha decisão do passo 1 acima, dizendo, por exemplo, "Decidi que só vou ajudar os meus amigos com isto", que diz claramente como, "não foste tu quem decidi ajudar", o que soa intencionalmente frio e distante.

Na verdade, nunca usei sequer o passo 4 porque normalmente desistem do passo 2. Só tenho este último passo pronto por um momento e vou precisar dele.


Acredito que funciona por estas razões:

  1. Tomo a minha decisão com antecedência, por isso quando uma situação ocorre, não há dúvida.
  2. Eu defino os meus próprios limites de bondade e responsabilidades, ou seja, as minhas fronteiras psicológicas pessoais.
  3. Expresso claramente as minhas fronteiras pessoais a uma pessoa que me incomoda, se me perguntarem.
  4. Estou a ser honesto e directo quanto às minhas razões, não invento desculpas que me façam parecer inconfidente e "empurrável".

Se tem medo de parecer frio e pouco amigável, o meu melhor conselho é esquecer a falsa ideia de "tenho de ser um tipo simpático". Não sou um tipo simpático, sou um tipo normal, capaz de ter uma variedade de emoções.

Se pareço mesmo frio ou mesmo mal-educado, está perfeitamente bem. Eu simplesmente não sou responsável por uma pessoa que nem sequer é minha amiga. Posso ajudá-los uma ou duas vezes (se isso me faz sentir bem), mas não me devo magoar ajudando outra pessoa com quem nem sequer me importo muito.

5
5
2017-10-04 07:50:52 +0000

Vendo o que já tentou, sugiro que a ignore a partir de agora.

Já tentou muitas coisas para a ajudar a resolver o seu problema sozinha, mas parece que ela se recusa a ouvir. Neste momento, PAREM COMPLETAMENTE DE AJUDAR, seja de que forma for. Nem sequer volte a sugeri-la para pesquisar no Google. Se ela conseguir obter um pouco de ajuda de si, ela vai voltar. Isto pode parecer rude, mas é necessário (na verdade fiz isto muitas vezes na escola, onde havia algumas amizades que não me interessavam nada).

Por vezes podes evitá-la simplesmente declarando que tens muito trabalho para fazer e que não tens tempo para a ajudar. Se ela insistir, podes ser mais directo com coisas como:

Lamento mas não posso realmente ajudar. Eu não tenho as competências necessárias para te ensinar, e estás sempre a pedir-me sempre um pouco irritante.

Mas antes de seres demasiado directo, eu deixaria alguém (Chefe, Gestor de Projecto? Ainda não sei bem quais são os papéis certos) saber da situação, como sugerido pelo Fildor.

5
5
2017-10-04 15:25:27 +0000

Ela vem ter consigo para obter respostas porque (A) funciona, e (B) aparentemente não tem um lugar melhor para as ir buscar. Você pode chipar em (A) ou (B).

Opção A:

Apenas. Não o faças. Ajude. Diga-lhe consistentemente que não tem tempo para esse tipo de coisas. Se ela conseguir fazer-lhe um pedido de ajuda, não o faça. Se o ROI ao vir até si for suficientemente baixo - leia zero - ela não o fará.

Opção B:

Fale com ela. Descubra se é suposto ela estar a ser mentorada por alguém. Se ela estiver, o tipo não está a fazer o trabalho. Se ela não estiver, precisa de estar. Diga-lhe que ela precisa de ir ao seu supervisor e explicar-lhe a sua necessidade. Se o supervisor não ajudar, ela precisa de ter algumas aulas nocturnas.

Recomendação: Para a sua situação eu recomendaria tanto A como B. Ou ...

Bónus de Empresa Opção C:

Se você decidir que por "pagar para a frente" ou outras razões você tem simpatia por sua situação, time-box sua ajuda. Diga-lhe que pode passar X tempo com ela no tempo Y, onde escolhe X e Y. Por outras palavras, você* controla o horário.

5
2
2017-10-04 17:28:50 +0000

Eu guess você quer dizer que a língua do escritório é holandês, e ela não é fluente nisso. Isto sugere que há mensagens/correcções culturais que estão a ser esquecidas, possivelmente de ambos os lados. A questão mais óbvia é que você tem um problema com uma colega no trabalho e depois de tentar resolvê-lo você mesmo, é hora de envolver a gerência - ou a sua ou a dela. Isso parece-me que pode ser a opção "nuclear", dependendo de quão subtil/competente é (ou não é) a sua gestão.

O seu nom de plume sugere que é do sexo feminino, vamos fingir que é. Então, o que faria com um homem agressivo a tentar apanhá-lo no bar? A sua aparente incapacidade de dizer "não" precisa de ser corrigida. Ela começa com conversa fiada. Bem, parece que você realmente não quer lidar com essa pessoa em todos. Se sim, então você precisa...ouso dizer??...interrompe-a e diz-lhe que estás ocupado, e pergunta-lhe se ela tem algo relacionado com o trabalho a discutir. Se ela não tiver, então sorria e diga "Ok, então. Tenha um bom dia!" e volte a sua atenção para outro lado. Se ela o fizer, então uma vez que o expresse, diga-lhe que (escolha um) levaria demasiado tempo para lhe explicar, que ela deveria consultar o seu gerente/líder de equipa OU que você não poderia responder sem saber mais detalhes, e que não tem tempo ou paciência para isso agora.

O 2º nível destas duas abordagens (se a primeira falhar) é lembrá-la que já lhe disseste que não tens tempo e levá-la directamente (ou por via electrónica) ao chefe/responsável da sua equipa e pedir-lhe que lhe repita a pergunta (para a primeira escolha) OU que lhe diga "Meu Deus, estás sempre a fazer-me perguntas sobre o TEU trabalho". Está a testar-me? Você não é meu professor nem meu aluno. Porque é que está a fazer isto? Eu não gosto, por favor, pare com isso". Depois de qualquer uma delas, a opção nuclear é o terceiro passo.

2
2
2017-10-07 20:29:43 +0000

Compreendo que lhe tenha enviado por e-mail a ligação ao StackOverflow e à documentação oficial, mas, para mim, iria um passo mais longe e diria:

    1. Escreva a pergunta. Coloque a pergunta no StackOverflow (assumindo que fez a sua pesquisa, não conseguiu encontrar duplicados e seguiu o resto do seu processo). E depois, envie-me o link para a sua pergunta por e-mail (e talvez, eu dê uma vista de olhos, não consigo fazer nenhuma promessa).
  1. Para uma pergunta de sintaxe Java ou uma pergunta muito básica, peço-lhe que me mostre os seus cartões flash. Se ela não tiver nenhum. Esse é o problema aí mesmo. E por flash cards, quero dizer flashcards , quer sejam flashcards electrónicos ou de papel, que ela própria fez com base em problemas reais que estava realmente a ter, e não flash cards que copiou de outros.

Por outras palavras, pedir-lhe-ia para demonstrar o seu processo, mas teria muito cuidado para não recompensar o seu comportamento - mesmo inadvertidamente - e mesmo que lhe pudesse dar a resposta que procurava em 2 segundos ou menos.

Caso contrário, gosto do resto das respostas dadas relativamente a pedir ajuda à empresa para a orientar, ou para a treinar, ou para a deslocar, ou talvez mesmo para a despedir.

2
1
2017-10-05 13:49:06 +0000

Se tentou todas as formas agradáveis e não tão agradáveis de parar aqui e ela ainda não o faz, então continue com as formas duras: desescalada através de explosivos.

Algumas pessoas aprendem através da experiência, outras através da dor. Isso é um facto da vida e não se está a fazer nada de errado se já se esgotaram todas as outras opções. Se ela é o segundo tipo, precisa de aplicar 'dor' para a fazer aprender.

Ela precisa de aprender que existem limites. É bom ensinar-lhe essa importante lição, se necessário pela força, embora ela provavelmente ainda não a compreenda. Mas é melhor ensiná-la do que alguém que não é tão simpático como você. Tenha também em mente que o problema está do lado dela, não do seu. Fez o seu melhor, agora cabe a ela mudar.

1