Relações interpessoais
2017-10-03 07:58:35 +0000
64

Como é que anuncio a minha presença a alguém que não a conhece sem a assustar?

Em primeiro lugar, não estou a esgueirar-me às pessoas de propósito. Mas parece que sou bastante Ninja nos meus movimentos e isso tem causado problemas. As pessoas estão imersas em algo (por exemplo, computador, TV, música, etc.) e eu quero interagir com elas de alguma forma, mas o que quer que eu faça, assusta-as terrivelmente.

Situação

Uma situação exemplar é a minha visita à tia "Alice". Ela tem cerca de 60 anos e está sentada na sala de estar, a ler um bom livro. Preciso de lhe perguntar uma coisa. Para chegar até ela, tenho até que descer escadas velhas e esperar que eu faça barulho suficiente. Mas eu não faço. Por isso, finalmente estou na sala de estar (a Alice está virada para longe da porta) mesmo atrás dela. Ela não tem a menor ideia da minha presença. *O que devo fazer agora?"

Se lhe der uma palmadinha no ombro, disser alguma coisa ou entrar na sua linha de visão, assusto-a com as luzes do dia. Mas eu não quero. Existe sequer uma saída?

Não tenho a certeza de que a culpa seja sempre minha, por exemplo, quando alguém está a ouvir música a usar auscultadores (também já encontrados). Não me estou a esforçar por me mover silenciosamente e carimbar também pode tornar-se aborrecido. Até agora, não encontrei saída.

Pergunta

Como é que anuncio a minha presença a alguém que não está ciente disso?

O meu objectivo é estabelecer comunicação sem os assustar demasiado.

Questão

Procuro sugestões e estratégias verbais ou não verbais. O ponto de partida é o momento em que estou por detrás delas (mas não necessariamente, se tiverem uma ideia totalmente diferente), pois só então sei que elas não estão conscientes da minha presença.

Respostas [8]

69
2017-10-03 08:04:52 +0000

Se tiveres uma parede perto o suficiente, podes sempre bater nela. Também funciona com outras coisas, como uma mesa. Nunca tentei com pisos, mas talvez também funcione.


O que escrevi baseia-se na minha própria experiência, e para mim bater na parede ou em algum móvel próximo funciona melhor do que dizer alguma coisa ou fazer um barulho atrás da pessoa. Por exemplo, habituei-me a bater na parede para que o meu tutor de tese de licenciatura soubesse que eu queria alguma coisa, porque reconhecer a minha presença verbalmente costumava assustá-lo muito. Nos raros casos em que alguém me fez isto (bater em vez de falar), apenas reparei na sua presença sem me assustar.

Tenho andado à procura de uma explicação sobre porque bater à porta funciona melhor do que falar ou telefonar, mas não encontrei nenhuma. O meu palpite é que isto funciona em parte porque na forma como o som é transmitido através de algo sólido, em vez disso, através do ar, e torna-se em parte algo sentido. Talvez em parte também devido à forma como o som se comporta, mas é apenas um palpite.

69
22
2017-10-03 08:08:11 +0000

Logo à partida, vejo algumas possibilidades. Tenho alguma experiência nisto porque ainda vivo com os meus pais e quando estou a jogar com os meus auscultadores não os ouço e como estou concentrado no que estou a fazer também não reparo neles, tal como o seu exemplo.

O truque normalmente usado é piscar as luzes da sala, quando aplicável, enquanto chamo a pessoa ao mesmo tempo. No entanto, por vezes assustam-me ao aproximarem-se de mim à noite, quando tenho as luzes apagadas e batem na minha secretária enquanto chamam por mim. Isso é um não :)

Se vir que isso é demais para a Alice ou que ela o consegue ouvir claramente (não há som que prejudique o ambiente como o dos auscultadores), bate à porta da sala antes de chegar até ela, desta forma ela não se assusta com uma voz ou pessoa próxima inesperada. Um som material, se não demasiado duro, não assusta uma pessoa como se estivesse a espiar alguém.

Boa sorte!

22
11
2017-10-03 17:51:09 +0000

Estou com as pessoas que tentam anunciar a sua presença de longe: bater à porta, gritar "Alice?" antes mesmo de entrar na sala, deixar cair as chaves, qualquer coisa para fazer barulho à entrada.

No entanto, eu nunca tocaria em alguém que não tivesse notado a minha presença. Quanto mais perto estiveres, mais assustador tem potencial para ser. Eu andaria num arco largo até eles me apanharem na sua visão periférica, e aproximava-me deles pela frente.

Se eles ainda não olharem para cima, mexe a tua mão para cima e para baixo, chamando, "Alice? Eles ainda podem ficar assustados, mas você fez tudo para não o fazer.

Parece que todos usam os auscultadores hoje em dia. Mas não me lembro de ter assustado ninguém recentemente...

11
11
2017-10-03 10:31:10 +0000

É bastante tradicional, nesta circunstância, afectar uma pequena tosse ou uma limpeza da garganta. (Normalmente escrito como "ahem".) Isto pode fazer com que a pessoa salte, mas provavelmente menos do que tocá-la de repente.

Se isso não funcionar, tente "Desculpe-me - desculpe-me por interromper". Mais uma vez, eles podem ficar um pouco assustados, mas já pediu desculpa.

Se entrar numa sala com a porta aberta e o ocupante não reparar em si, ainda pode bater levemente na porta ou na moldura da porta e esperar para entrar. Isto também pode causar um pequeno começo, mas você tem agido educadamente e dentro das normas sociais. Se necessário, siga com "desculpe por assustá-lo".

Isto é tudo completamente normal; penso que ir muito além disto é pensar demais e complicar demais.

11
7
2017-10-03 17:44:13 +0000

Uma vez tive exactamente esta situação com uma colega de trabalho que saltava da sua pele quando eu tentava chamar a sua atenção no seu cubículo, não importava o que eu tentasse ou o quão gentilmente eu tentasse fazê-lo. (E então ela me rodeava com raiva e me acusava de "você _ me assustou_!!!!") Depois de muitas tentativas, finalmente descobri como resolver o problema.

Ok, você caminhou até a pessoa e de repente lembrou-se que ela vai ficar assustada.

  1. Em vez de tentar chamar a atenção dela ainda agora, afaste-se cerca de 15 pés, meta a mão no bolso e comece a sacudir as chaves continuamente.
  2. Aproxime-se dela outra vez enquanto sacode as suas chaves, e muito gentilmente diga o nome dela.

Desta vez, ela não se assustará, e poderá até virar-se para si antes de dizer o nome dela. Algo sobre o som do tilintar que começa longe e se aproxima parecia apanhar de forma fiável a sua consciência periférica e evitar que ela se assustasse.

7
3
2017-10-04 20:15:14 +0000

O problema é onde está o seu ponto de partida para isto.

Se esperar até estar mesmo atrás de alguém para falar com ele, vai assustá-lo. Se disser algo quando estiver do outro lado da sala, é muito menos provável que o faça.

Basta começar com um "Olá tia Alice" quando entrar na sala pela primeira vez. Se ela sabe que estás lá, é uma simples saudação que provavelmente terias de fazer de qualquer maneira. Se ela não souber que estás lá, é uma forma não embaraçosa de a avisar.

Se alguém estiver a usar auscultadores... todas as apostas estão canceladas e se ficarem assustados, isso é com eles.

3
2
2017-10-03 09:18:08 +0000

Os auscultadores são complicados, por isso vou tratar primeiro dos auscultadores sem auscultadores.

Dizem-me muitas vezes que poderia facilmente ser um mestre assassino nos meus dorminhocos. Já assustei toda a gente na minha casa várias vezes. Por isso o que costumo fazer, quando sei que alguém pode estar distraído e precisar de chamar a sua atenção, é chamar o seu nome do outro quarto enquanto entro. Isto pode ser visto como rude por alguns, por isso não é uma solução a 100%. Caso contrário, bater à porta ou à moldura da porta é uma boa maneira de obter o seu.

Agora a parte dos auscultadores é difícil. Quando tento aproximar-me de alguém com auscultadores, tento primeiro falar alto. Num ambiente de trabalho, por exemplo, aproximar-me de alguém com auscultadores pela frente (entrar na sua linha de visão) ou enviar mensagens (através do skype, por exemplo) são formas de resolver este problema.

2
1
2017-10-06 17:07:19 +0000

Tal como a maioria das outras respostas, concordo que a solução é criar tempo e distância suficientes para que a pessoa repare mais gradualmente a partir de mais longe. A minha resposta difere na definição do problema. A razão provável de muitas pessoas se assustarem consigo, em primeiro lugar. Vou oferecer uma forma simples de evitar isso, criando assim menos necessidade de utilizar as soluções muitas vezes embaraçosas ou tolas.

Creio que o cartaz original cometeu 2 erros nas suas suposições. Um já foi abordado por outras respostas; "O ponto de partida é o momento em que estou por detrás delas". Obviamente que precisa de começar mais cedo. O segundo erro é que assumiu que é "bastante parecido com o Ninja nos meus movimentos". Não é a furtividade do seu movimento que assombra as pessoas, é o quão perto você foi capaz de chegar antes que elas notassem.

Todos têm uma bolha de tamanho arbitrário de espaço pessoal onde se podem sentir confortáveis até que a bolha seja invadida por outra. O tamanho dessa bolha cresce quando uma pessoa sente que está sozinha. Eu suspeito que a sua bolha pessoal é frequentemente menor do que aquelas com as quais interage. Provavelmente não se nota em ambientes sociais porque as deixas são mais pequenas do que assustadas, e as pessoas tentam não o ofender no caso de se tornar um "fala-barato".

Ainda ontem experimentei isto quando um estranho me envolveu numa conversa. Fiquei muito feliz por falar com essa pessoa e lembro-me de pensar "Gosto muito dessa pessoa, gostaria de falar longamente com ela sobre as suas experiências". Depois ele deu um passo mais perto enquanto continuava a falar. Depois só conseguia pensar: "Como posso acabar com isto e afastar-me desta pessoa? Ele não falava ou cheirava ofensivamente, estava demasiado perto. A mudança na distância foi menor do que o alcance dos meus dedos, no entanto a mudança no nível de conforto foi dramática.

Um efeito semelhante acontece quando nos aproximamos de uma pessoa inconsciente, no entanto ela não tem tempo para suprimir a sua reacção de voo. Isto manifesta-se como se estivesse assustado.

Não se está a fazer nada de errado. Existe apenas uma incompatibilidade nos requisitos de espaço pessoal com algumas pessoas com quem interage. Eu penso que se você pode rotineiramente(sempre) tentar manter uma distância ligeiramente maior de algumas pessoas, você vai descobrir primeiro que elas estão menos frequentemente assustadas, e em segundo lugar, elas podem estar mais dispostas a interagir consigo por períodos de tempo mais longos.

Tente isto primeiro com pessoas que você já assustou, depois tente com pessoas que parecem frias ou distantes. Pode achar que elas começam a aquecer-lhe.

O óptimo é que, ao tentar isto, não é preciso ter quaisquer expectativas embaraçosas como sacudir-lhe as chaves ou limpar-lhe a garganta. Não tem efeitos negativos, o pior que pode acontecer é que pode não funcionar para algumas pessoas.

Pode até funcionar em casos que não seria de esperar, como os que usam auscultadores. Porque se mantiver uma distância maior, e se se aproximar pela frente sempre que possível, é mais provável que esteja no seu campo de visão e muito menos provável que seja necessário tocar-lhes no ombro. Se alguma vez precisar de tocar em alguém no ombro para chamar a sua atenção porque outros métodos já falharam, nunca o faça directamente de trás. Primeiro tente afastar os braços a todo o comprimento para que não possam bater-lhe na cara se ficarem assustados. Depois tente manobrar para a sua frente ou para o seu lado.

1

Questões relacionadas