Relações interpessoais
2017-10-02 15:31:20 +0000
73

Como posso lidar diplomaticamente com uma vizinha feminista que faz continuamente discursos políticos em privado?

Esta pergunta é pouco provável que tenha um contexto cultural muito forte, por isso, congratulo-me com as respostas de membros de todo o mundo.

  • *

Conheci esta pessoa (nome de código Jane D) quando estava a estudar sociologia a nível de mestrado há 12 anos. Ela era muito mais velha e licenciada na matéria, e já era uma feminista muito vocalista.

Tivemos algumas discussões de ciências sociais na altura (ela não fazia parte da faculdade que conduzia o curso, e portanto não era minha professora) e desenvolvi uma atitude simpaticamente pró-feminista que se conjugou com uma nova compreensão de como as sociedades patriarcais controlam _ tanto homens como mulheres_.

Perdemos o contacto durante mais de dez anos mas ela tornou-se recentemente minha vizinha. Tanto ela como o seu marido político-liberal (leia-se Marxista intelectual) são professores universitários a tempo inteiro enquanto eu estou a fazer coisas totalmente alheias à academia nos dias de hoje. No entanto, ela tornou-se amiga da minha mãe, que conhece a sua família há muito tempo.

O problema é que Jane D visita frequentemente a minha mãe e sempre que a encontro por acaso ela começa a proferir discursos fortemente políticos sobre feminismo e patriarcado. O seu tom é alarmantemente acusatório e ela continua a dizer "vocês homens" isto e "vocês homens" aquilo, apesar dos meus repetidos esforços para lhe lembrar que eu próprio sou sociólogo e não sou de todo um representante da sociedade patriarcal.

Uma conversa de amostra que tivemos há 2 dias:

Jane D: vocês homens têm mantido as mulheres em baixo para sempre! Uma e outra vez eu vejo isto. Vós, homens, tendes o volante de toda esta sociedade! É o vosso direito divino ou não? Vocês não têm o direito de dizer o que as mulheres devem fazer neste país. etc.

(Eu digo: não me incluam! O que é que eu fiz? Concordo plenamente consigo* por isso porque acha que precisa de me convencer!)

Jane D: vocês, homens, são todos iguais. Um homem nunca pode ajudar uma mulher. Esta é outra guerra de classes como o comunismo e nós não precisamos do vosso apoio. Sem o vosso apoio só as mulheres se libertarão! (Ela é uma feminista radical .)

Nem sequer é uma discussão política sensata, e realmente aborrece a minha mãe, que é uma médica reformada e não está totalmente interessada em política. Ela não se pode preocupar com nada que a distraia da sua saúde e da sua família, mas hesita em ser rigorosa com Jane D porque a considera uma amiga e era próxima da sua família desde há muito tempo.

Nota: Jane D está absolutamente convencida de que os homens são o inimigo de classe das mulheres mas ela não tem nada contra mim pessoalmente (suficientemente amistosa quando não politicamente inflamada, o que é cerca de 15% do tempo) -- o seu marido é distante e nunca a acompanha nestas visitas nem se encontra connosco em qualquer outra ocasião. Não conheço bem esta pessoa, mas considerando a personalidade de Jane D, é muito pouco provável que tenha qualquer influência neste assunto.


Resumo: Não quero que Jane D esteja sempre a falar de feminismo e patriarcado, e ressinto-me especialmente por ela me classificar como parte da sociedade patriarcal, mas ela resiste às nossas repetidas dicas e esforços para mudar o assunto. Não faz parte da minha personalidade ser agressivo e entrar em confronto com ela na argumentação sobre esta questão. A mãe também pediu que eu não dissesse directamente à Jane D para não discutir política quando nos visita, porque é indelicado do ponto de vista da hospitalidade indiana, que nos diz para nunca ofender um convidado ou vizinho.

Então como é que eu lido diplomaticamente com este hábito da Jane D de proferir continuamente discursos políticos sobre feminismo quando ela visita a minha casa?

Respostas [21]

112
2017-10-02 16:53:43 +0000

Como lidar diplomaticamente com o hábito de Jane D de proferir continuamente discursos políticos em privado?_

Não discuta com Jane. Não ofereças contra-argumentos, não digas que estás do lado dela. Ela já provou que não dá ouvidos a nenhum deles e não está aberta a um debate "simpático".

"Bons debates" seguem as regras. Uma dessas regras é a falácia ad hominem . Isto é o que Jane está a fazer: 'You men' é uma falácia ad hominem. Corta a Jane. Basta dizer que ** não estás disposta a discutir política quando ela continua a cometer erros óbvios como as falácias ad hominem.** Corta-lhe a palavra sempre que ela o faz. Não a deixem ganhar impulso, cortem-na imediatamente, assim que ela disser o 'vocês homens'.

A mãe também me pediu que eu não dissesse directamente à Jane D para não discutir política quando ela nos visita, porque é indelicado do ponto de vista da 'hospitalidade indiana'."

A solução acima referida deve funcionar. Corta a Jane D, por isso a discussão deve ser feita. E não está a dizer-lhe para nunca discutir política, apenas que nunca discuta política com ela quando ela não está a honrar as regras do debate.


Nota depois de ver todos os comentários:

Há muitos comentários que dizem que a Jane não quer um debate/debate ou vai ficar chateada.

Em primeiro lugar, a forma como leio a pergunta Jane já está a queixar-se e irritada com o facto de a OP ser um homem, e por isso eu própria não estou muito preocupada com a minha solução "irritá-la". Na minha opinião, ela própria já ultrapassou a questão de ser simpática. É algo que a OP deve ter em conta, no entanto, e só a OP o pode fazer, uma vez que é ela que está a encontrar-se com a Jane e a ficar com uma impressão do seu estado de espírito.

Em segundo lugar, a questão aqui era que a OP não pode dizer "não estou a discutir isto/política consigo" directamente, porque isso iria contra as ordens da mãe. Por isso a minha solução é dizer que ele não está a discutir isto porque a Jane não está a seguir as regras de um bom debate E para seguir em frente com isso, por isso nada de conversas (basicamente sair da discussão), até a Jane trazer estas coisas à baila de uma forma simpática. A forma como li esta pergunta, o PO não é adverso à discussão destes tópicos com Jane, mas é a forma como ela está a discutir as coisas que incomoda o PO.

E por último, sim, Jane pode ou não estar a fazer falácias ad hominem. Li a pergunta como afirmando que cada contra-argumento que o PO fez a Jane foi rejeitado com o fundamento de que ele era homem. E que é uma falácia ad hominem.

112
94
2017-10-02 18:48:30 +0000

Pelo tom da maioria das respostas, parece que a maioria das pessoas concorda com a sua posição, mas sente que ela a transmite de forma errada. Para as pessoas que possam ler esta pergunta e discorda com o seu ponto de vista, vou colocar algumas ideias sobre como lidar com esta situação. Eu diria que o mesmo se pode aplicar ao facto de concordar ou discordar. Esta pessoa é o que nós chamamos de button-pusher - eles amam e prosperam com o conflito. Já conheci ateus militantes e fundamentalistas que vivem para o mesmo fim. A maioria deles tem pouco ou nenhum amigo a longo prazo, à medida que passam pela vida a alienar as pessoas. Ironicamente, isto faz com que muitas vezes actuem ainda pior - um aviso sobre estes tipos.

Uma das técnicas mais eficazes que descobri na situação da PO (uma situação social com múltiplas pessoas) é sair abertamente da situação e deixar claro porquê. Suponhamos que estamos a lidar com um tipo religioso militante que me está a atacar por "ser diferente" de alguma forma para um amigo, que não se importa:

Attacker: pessoas como você são o problema porque [razão, razão e razão].

A maioria das pessoas vai tentar ser defensiva ou concordar e dizer, "Ei, estou do seu lado! Mas este é um empurrador de botões que procura o conflito e eles vêem a tua posição como fraqueza. Se você discordar e discutir, eles também adoram - mais conflito! Se você concordar, eles vão descobrir onde você discorda e atacar de qualquer maneira. Conflito, conflito, conflito - este é o seu reward.

Como um rufia, eles vão continuar a atacar. Vejamos a situação de uma perspectiva socialmente saudável: há aqui outra pessoa que não se importa [chamar-lhe-emos Sr. Apatia] e ele é miserável. No caso da OP, esta é a mãe dele. Uma vez que esta situação tem múltiplas pessoas, saia da situação e diga porquê. Não responda se o Atacante deita fora uma resposta; saia depois de dizer porquê:

Me: [Sr. Apatia], foi óptimo vê-lo. Consigo ver que a minha presença aqui está a fazer com que o [Atacante] volte a [descrever a situação], por isso vou-me embora. [Contacte-me noutra altura].

Partir. O Atacante vai tentar uma última tentativa para desenhar um conflito, mas eles perdem. Sem um conflito presente, o atacante perde a sua recompensa. Por que é que isto é eficaz?

  1. É uma perda de tempo ser amigo desta pessoa. No caso da OP, ele não é. Em geral, porém, por ser amigo de uma pessoa que é assim, pode alienar outras pessoas na sua vida. Se se deitar com cães, vai acordar com fugas.
  2. A sua presença é a causa de tornar o terceiro [Sr. Apatia ou a mãe do OP no caso do OP] miserável. No caso do OP, porque ele é homem, ela perde-o no seu feminismo. A presença do OP está a criar um conflito. Para além de ser selectivo quando e como se vê um amigo numa situação como esta, quando uma conversa se transforma em confusão, vai-se embora.
  3. Os botões de pressão prosperam a partir do conflito. Sem conflito, eles perdem a sua recompensa. As pessoas que fazem uma escolha para serem amigos destas pessoas vivem com a sua escolha. Se você sabe que a sua presença causa problemas, então não esteja presente. Caso contrário, você é parte do problema, mesmo quando se dá conta disso. Não se trata de ti, trata-se do terceiro que é miserável quando isto acontece. Ganhar significa tratar os teus amigos e família com respeito na situação.

Presumo algumas coisas neste post:

a. Não estás a procurar activamente o conflito. Já conheci muitas pessoas que se dizem feministas voluntariamente (eu não sou). Eu não lhe digo nada. Se eu discordasse ou dissesse alguma coisa sobre o assunto, estaria a pedir problemas. Isto é estúpido. Se não concordo com as pessoas, não o sublinho; ignoro-o e passo à frente.

b. Você tem respeito por si e pelos seus amigos. Se te respeitas a ti e aos teus amigos, porque é que permites que alguém seja um rufia social e porque é que permites que o teu amigo o testemunhe? Isto é miserável para ambos.

c. Você respeita o seu tempo. No seu leito de morte, vai-se lembrar de alguma destas conversas em que uma pessoa o atacou? Vai sequer lembrar-se de todos os debates que ganhou? A maioria das pessoas não muda de ideias devido a um debate; fazem-no por razões emocionais.

94
65
2017-10-02 16:31:42 +0000

Entre Jane e a sua mãe, as soluções mais sensatas estão fechadas para si. Ao contrário de muitas pessoas aqui, não acho que a devas "nem todos os homens", de qualquer forma. Raramente é útil e demonstra um desalinhamento em torno dos danos emocionais que estão a ser discutidos. Ou seja, a miséria total infligida ao grupo A por alguns membros do grupo B pesa muito mais do que a miséria menor sentida pelos membros "simpáticos" do grupo B, quando são confrontados com os que não são "simpáticos", por isso a questão não é útil. Normalmente ouve-se dizer que "a minha dor de 1/100 de ser metido com os maus da fita é muito mais importante do que a dor que sofreu ao ser oprimido". Não podemos fazer nada em relação à sua dor de 70/100 porque não está a respeitar devidamente a minha dor de 1/100 neste momento. Reconheça que nem todos os homens ou eu deixarei de o apoiar e tornar-me-ei um opressor e reclamarei o meu direito de nascimento". Ele controla a conversa e coloca os seus sentimentos à frente da pessoa que lhe está a falar da sua dor. Geralmente uma resposta muito mais poderosa é começar a discutir a questão principal, não se "homens" em geral o fizeram ou não. Por exemplo, perguntar "como posso ajudar?" antes de salientar que a culpa não é realmente sua ou que já está a ajudar. No entanto Jane deixou claro que não quer a sua ajuda, pelo que responder com "nem todos os homens" ou com "como posso ajudar?" estão ambos fora de questão.

Isso não quer dizer que não haja nada a dizer a alguém que se vangloria da opressão que o seu grupo sofreu. Há muitos pontos úteis a assinalar, incluindo que não é preciso dar lições sobre coisas que já se sabe, que se está mais feliz a discutir outros tópicos e que ela está a perturbar a sua mãe. Sou você é constrangido a fazer qualquer um destes*. Então, o que é que podes fazer? Podes votar com os pés. Quando o discurso começar, não se envolva. Tente algo como:

Lamento ouvir que isto o está a incomodar novamente. Peço desculpa por qualquer dor que acabei de lhe lembrar. Se me dão licença, preciso de tratar de uma coisa.

E você levanta-se e vai-se embora - para a casa de banho, ou para sair, ou para outro quarto e outro grupo de pessoas, se isso for possível. Espera um minuto ou dois (mais tempo se a tua mãe não estiver a ser sujeita ao discurso na tua ausência), e depois regressas. É pouco provável que o discurso seja contínuo na ausência de alguém com quem discutir, mas se o for, pode simplesmente evitar juntar-se novamente ao grupo. Se a sua mãe aparecer presa lá, pode experimentar o velho

Mãe, posso vê-la na cozinha por um momento?

E uma vez lá os dois podem discutir se ela está bem em ficar na conversa com Jane ou em ter uma desculpa para a deixar.

Não estou a afirmar que, com o tempo, isto será algum tipo de terapia de aversão que ensinará Jane a mudar de assunto. Sugiro-a apenas como uma forma de sair de uma situação desagradável, simplesmente e sem mentir ou discutir. (Você está não* mentindo: o que você precisa cuidar é do seu próprio bem estar. Faz isso indo a um lugar onde possa estar sozinho, ou pelo menos longe de Jane).

65
45
2017-10-02 20:10:37 +0000

Eis o que tem de perceber... A Jane não está interessada em aprender nada, nem numa troca de ideias. Ela sabe tudo o que quer saber, e você não é realmente necessário na conversa. Nem sequer é uma conversa, na verdade. Ela tem um discurso que quer fazer, e acontece que você é o destinatário. A polidez não é o motivo dela._ Ela descreve-o abertamente como um "inimigo de classe" pelo amor de Deus.

Está a reter-se por (a) respeito pela sua mãe e pela paz do seu lar, e (b) uma crença errada de que vocês os dois estão do mesmo lado. Porque (b), algo me diz que ambos subscrevem algo a que chamam feminismo, mas que na verdade são conceitos muito diferentes. Para (a), podem perguntar à vossa mãe se ela gosta realmente destes cânticos políticos.

Têm duas opções. Ou sair sempre que ela se diverte, ou ir contra os conselhos da sua mãe e encerrar estas conversas de forma concisa. Diga-lhe que ouviu as suas opiniões, que as compreendeu e que não precisa de mais nenhuma repetição. Se ela persistir, lembre-a que você é o inimigo de classe, e ela não deve dar informações valiosas que você possa usar contra ela.

Update: Ocorre-me que no final do último parágrafo nós somos meio que ... diplomáticos do passado. Acontece, betimes.

45
33
2017-10-02 22:31:58 +0000

Jane D: vocês são todos iguais. Um homem nunca pode ajudar uma mulher.

Todos, nunca, sempre, são quantificadores absolutamente universais de acordo com David Burns M.D.

São distorções do pensamento. Se ela pensa desta forma, não admira, ela sente o que sente.

Se ela não responde a esse argumento, arranje uns auscultadores grandes, use-os e ouça música/podcasts, ou use o método do Manuel J. Smith .

Ou quando a Jane vier jantar, ofereça à sua mãe para cozinhar o jantar, servir o jantar, limpar os pratos e lavar os pratos para aquela noite. Isto vai mantê-lo ocupado e vai minimizar a quantidade de tempo que tem para a ouvir. E se tiver uma cozinheira/senhora, pode sempre dar a essa pessoa a noite de folga paga.

Se ela ainda chatear a sua mãe, não há mais nada que possa fazer quanto a isso. A tua mãe toma as suas próprias decisões sobre com quem ela fala. Mas suspeito que se não deixares a Jane chatear-te, a tua mãe também não vai ficar tão chateada com ela.

33
19
2017-10-03 04:04:55 +0000

Jane tem problemas sérios que não são seus para resolver. Também não são suas para suportar, e V. Exa. não tem obrigação de o fazer. Quando ela começar um dos seus pedidos, impeça-a com um anúncio claro de que não tem intenção de o ouvir, nem de contribuir para ele. Isto pode ser amigável (por exemplo: "Jane, já tivemos esta conversa antes, não vamos repetir"), austero (por exemplo: "Jane, não estou interessado em discutir isto" mais mudar imediatamente para outro tópico) ou se ela ainda não a tiver, na sua cara, clara (por exemplo: "Jane, não estou interessado em discutir isto"). "Jane, não vou ouvir ou discutir este tópico, já o discutimos, vem ter comigo quando acabares e podemos discutir outras coisas")

Esteja preparada para que ela tenha algum disparate preparado ou instantaneamente cozinhado nas mangas sobre como a sua resposta foi a opressão patriarcal através da expressão verbal dominada por homens ou o que quer que seja. Ignore-a e mantenha-se firme.

Esteja também preparado para o habitual interrogatório "porquê?" que as pessoas usam frequentemente nesta situação. Ao perguntar "porquê" acabam por o arrastar de volta para a mesma discussão que o senhor claramente anunciou que queria evitar. Prepare uma resposta simples e completa e mantenha-se fiel a ela. Talvez "já tivemos esta discussão antes e ela não leve a lado nenhum".

19
16
2017-10-02 16:47:36 +0000

O problema com este tipo específico de debate é que eles têm algumas _ opiniões muito fortes_ e provavelmente leram uma tonelada métrica de argumentos sobre o assunto. Muito do que se pode dizer para tentar defender-se, eles provavelmente já ouviram antes. Embora eu não tenha sido abençoado por conhecer alguém tão extremo na vida real, li muitos dos seus artigos para saber que as seguintes linhas de argumentação são improváveis de funcionar:

  • Eu não sou assim (#NotAllMen que Em C criou)
  • Você está a alienar as pessoas
  • A sua categorização de todo um género é semelhante ao sexismo

E assim por diante. Se uma pessoa não muda de ideias e não sente que as conversas são produtivas, a melhor coisa que pode fazer é desistir. Agora se fosse eu diria algo como:

Jane D: Vocês homens são sempre ... nunca conseguem entender isso ... etc Me: Bem, se eu sou um inimigo tão irredimível para vocês, porque é que estamos sequer a falar? Tenho de ir, adeus

Nessa altura uma de duas coisas vai acontecer, ou esta pessoa deixa de falar consigo (para que pelo menos não tenha de lidar com os discursos) ou terá de reconhecer que talvez haja algumas ligeiras diferenças entre os homens e talvez alguns não sejam porcos sexistas completos, mas nesse caso virá deles e não de si.

Em geral (com base em alguma experiência) os defensores da justiça social não respondem bem à defensiva porque o vêem como você tentando proteger o status quo, por isso tente enquadrar o seu argumento de uma forma que seja sobre a sua relação específica e não sobre o sistema. A sua mensagem deve ser:

Quando insulta [A MINHA CATEGORIA], insulta-me, com todas as consequências que isso implica

16
13
2017-10-02 16:27:14 +0000

As pessoas com crenças radicais são muitas vezes difíceis de lidar, eu deveria saber, tendo a ser uma delas...

Eu namorei algumas feministas radicais que podem ser realmente boas pessoas quando as conhecemos, mas às vezes pode ser um desafio tirá-las das suas caixas de sabão. Quando fui atingida com o:

Vocês homens são todos iguais...

Eu normalmente respondo com algo como:

Vocês conhecem-me há tempo suficiente para saberem que estão a pregar ao coro... E, para não dizer muito bem, esta coisa do "Vocês homens" não é propriamente útil para a vossa causa. Em alguns casos acabam por alienar um enorme grupo de pessoas que de outra forma teriam apoiado o vosso ponto de vista.

Honestamente admiro as pessoas que têm este tipo de paixão por estas questões, mas lembrá-las que vocês estão do mesmo lado é por vezes o custo de passar tempo com elas.

Admiro a vossa paixão e as vossas crenças, mas já concordei convosco sobre elas. Vamos poupar energia para quando isso for importante. Não é preciso convencer alguém que já está convencido.

Mas, mais uma vez, algumas pessoas apenas gostam muito das suas caixas de sabão e algumas vão tomar a sua tentativa de mudar de assunto ou de descarrilar o seu discurso como uma tentativa de "silenciar ou oprimir" nestes casos, se tiver paciência suficiente, dê-lhes apenas alguns minutos para que saiam do seu sistema e sigam em frente.

13
10
2017-10-02 16:59:58 +0000

Estou a ler que ela não é tua amiga, mas sim tua mãe amiga. Assim, devias falar educadamente com a tua mãe para lhe pedir que deixe de fazer estes discursos dela em tua casa, uma vez que te estão a incomodar. Tens de fazer a tua mãe compreender que isto te está a fazer infeliz e que ela precisa de pôr limites ao que os seus amigos podem fazer em tua casa.

Agora, se a tua mãe decidir não contar à Jane, vais ter de te levantar e pedir-lhe firmemente que pare de fazer isto. Já lhe disseste a tua posição sobre o assunto e ela já disse a dela. Que ela precisa de respeitar o seu ponto de vista e a sua individualidade, tanto quanto ela gosta que o respeitem. Ela continuará a ser bem recebida em sua casa como amiga da sua mãe, mas que os amigos fazem outras coisas para além de se queixarem de questões políticas.

Do IMHO, se ela não aceitar estes termos, então ela não era realmente sua mãe amiga, por isso nada se perde.

10
10
2017-10-02 19:31:25 +0000

... Jane D visita frequentemente a minha mãe e sempre que a encontro por acaso ela começa...

Por qualquer razão, a sua presença faz com que ela inicie discussões em que você e a sua mãe não querem fazer parte.

Por isso a resposta simples é partir. Também não há necessidade de ser rude, mas tente dar o primeiro passo em vez de sair como reacção ao seu surto:

Olá mãe! Vejo que tens uma visita, é bom ver-te Dr. Eu só passei por cá para [deixar isto, lembrar-te de algo, ver como estás] mas não quero interromper a vossa visita um com o outro, por isso vou andando! É bom vê-lo, tenha um bom dia!

Se for prático ou possível, descubra se ela está lá antes da sua visita para reduzir a necessidade de se encontrar com ela.

Se ela aparecer enquanto você já está de visita, termine a sua visita com a sua mãe, e saia.

Se precisar, pode sempre fazer alguma pretensão sobre o porquê de precisar de sair, mas não deve a nenhum deles uma explicação sobre o que o está a afastar. Isto vai depender dos costumes sociais da sua área. Para mim, nos EUA, é perfeitamente correcto dizer: "Tenho de ir..." e despedir-me e partir sem dizer a ninguém por que razão tem de ir.

10
8
2017-10-02 15:46:00 +0000

Como estava a escrever esta resposta, o Fildor publicou um comentário dizendo que não pode.

Concordo. Não há "diplomacia" com uma pessoa assim. O que eu fiz no passado foi:

Feminista: Vocês homens são sempre..... Eu: Posso dizer algo antes de dizeres isso? Eu não sou um desses "homens". Sou completamente empática com o movimento feminista e apoio completamente as vossas noções. Não sabe que tipo de homem eu sou e não deveria estar a falar de feminismo para mim como se eu fosse um desses homens que odeia. Estou do teu lado, não te preocupes.

Isto pode ser um pouco mais rude do que gostarias que fosse, mas honestamente, tens de arrancar esse penso rápido e fácil se quiseres nunca ter de lidar com isto no futuro.

O truque é impedi-los de falar e dizer-lhes a tua opinião. Quando se impede alguém de dizer alguma coisa, normalmente eles vão ouvir. Porque eles notaram claramente que os estás a interromper. Você chamou a atenção deles. Agora, vá direto ao ponto que você está tentando fazer. Não tentes embelezá-lo.

Edit: Depois de vários comentários sobre o facto de se tratar de uma queixa de homem, sinto a necessidade de esclarecer. Há algumas razões pelas quais não se trata de uma queixa de homem:

  1. Não se está a interromper uma feminista para dizer que ela está errada.
  2. Não estás a interromper uma feminista para desacreditar a sua opinião ou para fazer com que ela pareça tola por ter as suas crenças.
  3. Está a interromper uma feminista para a fazer saber que não é sua inimiga e que apoia completamente a sua crença. Está a tentar fazê-la sentir-se segura com os seus pontos de vista.
  4. não está a falar em cima dela. Eu editei a conversa para reflectir isto.

Compreendo que a forma como a resposta foi formulada pode parecer rude e arrogante (nesta situação, até chauvinista) e peço desculpa a qualquer pessoa que possa ter ofendido. Estou simplesmente a tentar enfatizar que deixá-la saber, antes que ela fale das suas opiniões feministas, que você não é um inimigo dela ou que não acha que as suas opiniões são valiosas pode mudar o seu tom e pode fazê-la falar consigo como se você fosse outro membro do seu sistema de crenças e o tom em que ela fala irá melhorar muito. Ela não tomaria um tom acusativo. "Vocês homens" tornar-se-iam "Estes homens" e honestamente, mesmo que isso não realize completamente tudo o que a OP pediu, é uma conversa muito mais agradável de ter do que uma discussão acesa.

Se você se esforçar muito, pode fazer com que tudo e qualquer coisa pareça ruim enquanto não tem a intenção de prejudicar ninguém. Por isso vou deixar isto aqui e se as pessoas ainda não gostarem da minha resposta, peço desculpa.

8
7
2017-10-03 03:02:41 +0000

Não preciso de ler (todas) as respostas ponderadas acima para ver que Jane D. tem, ou é de natureza emocional. Isso é her problema e não seu.

Mesmo que seja apenas 15% do tempo, nesse percentual e muito mais ela não pode tolerar você, sua ajuda, sua consideração ou suas desculpas. Ela não o pode tolerar. Isto é, quando ela está com vontade.

A gritaria sobre política é apenas mais uma saída para o que se chama "hostilidade flutuante livre". Ou seja, cuidar de um assunto perene que o doente, ou "viciado", leva o seu tempo para se divertir a expor para qualquer audiência que esteja ou não presente. Para ela, é apenas recreação. Se o tempo não é urgente e ela está com disposição, então ela pode começar a expor. Isso significa menos do que nada. A prova é que nada do que ela oferece é motivo de debate ou discussão. Só ela pode estar certa. Todas as outras ideias são manchadas e, portanto, inválidas. Ela está a escolher uma luta. A única jogada vencedora é deixá-la em paz.

Depois de terminar, tenho a certeza de que ela não se apressa a actualizar mais ninguém com os seus novos conhecimentos ou a escrevê-los para o boletim informativo. Ela está apenas a refazer o chão amado para o prazer de ouvir alguém dizê-lo. Não é um acto imoral, mas não um acto de companhia para todos, e certamente não para a sua mãe desorientada.

Apesar dos conselhos atenciosos acima de qualquer tentativa de quebrar o seu ritmo, apenas a convence de que está a disputar o seu discernimento ou visão, como tal, não é uma verdadeira crente, não é humana ou quaisquer que sejam os nomes que andam a atirar por aí hoje em dia.

Não tenciono voltar a ser a sua caixa de ressonância, nunca mais, em momento algum. Se pelo menos para a paz de espírito da sua mãe, você a afastasse. Da próxima vez que ela começar a falar contigo eu diria o mais alto possível: "Já estou farto de ti! Deixa-me em paz!" seguido de "Deixa-me em paz!" sempre que ela voltar. Essa seria a sua deixa para sair com opiniões a voar, mas deixar ela tem de o fazer.

Você cannot muda o seu comportamento e mesmo que ela tenha razão em todas as coisas, nunca poderá ajudá-la a endireitá-lo. Ela não tem ferramentas para fazer mais nada senão queixar-se às pessoas e sobre elas. Você não quer ser um deles.

7
5
2017-10-02 22:46:30 +0000

Se quer realmente ser diplomático, pode naturalmente reconhecer alguns dos seus pontos:

vocês, homens, têm mantido as mulheres em baixo para sempre! Uma e outra vez, eu vejo isto. Vós, homens, tendes o volante de toda esta sociedade! É o vosso direito divino ou não? Vós não tendes o direito de dizer o que as mulheres devem fazer neste país. Etc, etc, etc...

Vocês escolhem dizer: "não me incluam". Concordo plenamente contigo". Excepto que não concorda completamente com ela: discorda dela quanto a ter ou não qualquer papel na orientação da sociedade e na manutenção da mulher.

O senhor poderia ter dito, mas optou por não dizer, "tem razão, como homem nesta sociedade não tenho literalmente qualquer capacidade de abdicar unilateralmente de todo o poder e outros privilégios que me são injustamente concedidos, e o que é mais certo é que, por vezes, tenho sido culpado de o ter abusado. Concordo plenamente consigo"

Isto é, a posição que está a tomar ("Eu próprio sou sociólogo e não representante da sociedade patriarcal"), defensável ou não e por muito alarmado que esteja quando ela se recusa a aceitá-la, não é a mais diplomática possível.

É claro que: (a) isto pode muito bem não lhe satisfazer o facto de estar de acordo com os seus pontos; (b) não vai parar a acusação de que não gosta, na melhor das hipóteses vai ultrapassá-la; e (c) em circunstâncias normais, não teria qualquer obrigação de concordar com os seus pontos, se de facto os considerar incorrectos. Mas uma vez que você é obrigado a ser diplomático, actualmente concordar com ela em vez de dizer que concorda enquanto discorda pode valer a pena tentar uma vez! A única graça salvadora é que, ao concordar com ela, não haverá verdadeiro ónus para si, uma vez que ela já disse que não espera nem quer o apoio efectivo de si.

5
5
2017-10-05 13:36:15 +0000
  1. Ser gracioso*. Poderia ser muito pior. Pode ter odor corporal nocivo, ou tentar comer os seus filhos.

  2. Lembre-se de ter compaixão*. Ela é sua amiga, afinal de contas. É provavelmente pior ser ela do que estar perto dela, pois provavelmente tem muitos amigos irritados.

  3. Riso*. É engraçado. "Lá vai ela outra vez", dizes tu para ti próprio. Se vocês são verdadeiramente amigos, querem que o tempo que passam juntos seja agradável, e o que é mais agradável do que um momento engraçado?

  4. Considere o seu tempo um presente*. Ao aturar os seus caprichos, está a ser um bom amigo. Dar-lhe tempo quando ela pode simplesmente "ser ela própria" é uma forma enorme de formar intimidade, se conseguir aguentar.

  5. Disponha-se do argumento o mais rápido possível. Não se envolva. Algumas boas respostas:

  6. Cabeça-o. Se ainda encontra a sua amizade sob tensão, considere falar com ela numa situação diferente, isto é, antes de ela ter começado a entrar no seu estado de argumentação e de preferência não na frente de outras pessoas. Diga-lhe como se sente e peça-lhe para parar. Ou pergunte-lhe como é que ela pensa que você deve reagir quando ela o deixa desconfortável. Ou simplesmente diga-lhe que é aborrecido.

  7. Deixe-a ocupada. Se vocês os dois simplesmente "saírem" sem quaisquer actividades planeadas, e há muitos silêncios embaraçosos, não é de admirar que ela tente preenchê-los com aquilo a que está habituada, o que parece estar a discutir. Não deixe que esses silêncios aconteçam. Certifique-se de que os seus tempos planeados juntos contêm actividades que a mantêm presa ou não permitem falar, por exemplo, ver um filme.

  8. Tenha limites*. Não podes decidir por ela como se deve comportar, mas podes decidir com quem queres ser amigo. Se ela não estiver disposta a comportar-se de uma forma que você deseja, não esteja por perto.

5
3
2017-10-05 10:59:23 +0000

Ela se parece muito com um búfalo carimbado, não tem consciência do seu comportamento e não pára diante de alguma objeção usual. Em vez disso, pode reagir com humor/ironia/sarcasmo.

  • Tente acolhê-la com algo como

  • Aponte a sua atitude:

  • Faça a mesma generalização, mas ao contrário e exagerando (a ironia/sarcasmo deve ser patenteada):

Um ponto muito importante aqui é a forma como faz estas observações. Diga sempre com um sorriso : não pretende fazer mal, apenas não quer discutir mais com alguém que de outra forma é seu amigo.

3
3
2017-10-02 17:47:13 +0000

Uma de duas ou mais coisas me vem à mente, cada uma das quais pode ser descartada a seu gosto:

Ela é possivelmente uma cruzada, posta à sua maneira, consumida na sua causa, e vai empreender a oportunidade de a pregar literalmente onde quer que haja ouvidos que a ouçam. É um caminho bem usado para ela, ela provavelmente fá-lo a todos.

Ela projecta as suas opiniões sobre os outros e lança a sua própria luz na casa de outra pessoa. Há um tempo para um intercâmbio político desenfreado - e quando dentro de casa é normalmente apenas quando o anfitrião o favorece, caso contrário corre o risco de "se tornar embaraçoso".

Se está a tornar-se embaraçoso, ela pode beneficiar de ser informada disto, e ser educadamente lembrada (por um homem, não menos) de que ela pode querer empacotar as suas opiniões e distribuí-las com mais tacto - para que as pessoas à sua volta não se cansem dela.

Especialmente se estiver a causar perturbação. Você pode consolar a ira dela perguntando diretamente se há algo completamente diferente sobre o qual ela possa se queixar, para variar? "Há mais alguma coisa para falar?" Tenho a certeza que haveria uma forma mais diplomática de o dizer.

Se for preciso, continue a mudar a conversa num assunto discreto e ainda mais óbvio para outra coisa que a envolva de forma ideal e ela acabará por receber a mensagem de que talvez esteja a tornar-se inapropriada a expressão contínua das suas opiniões agressivas.

Por último, não menos importante, ela poderá ter lutado vitoriosamente através de uma sociedade dominada pelos homens e poderá ter tendência para transferir triunfantemente para outros os seus sentimentos e desejos. O uso clássico do termo "transferência" vem da psicanálise e inclui "o redireccionamento de sentimentos e desejos e especialmente daqueles inconscientemente retidos da infância para um novo objecto". Ela tem provavelmente um pouco disto a acontecer.

3
2
2017-10-03 09:35:20 +0000

Não há aqui qualquer questão política. A personalidade de Jane D é fundamentalmente motivada por uma "histeria", para procurar conflitos com os homens, a fim de justificar o que ela já acredita ser verdade. Ela procura o conflito, procura a animosidade e, no fundo, espera-o. Este tipo de pessoa quer e precisa de relações negativas com os homens. O seu problema é ela própria, e embora seja um cliché, ela precisa de se reorganizar, não o mundo. Se ela estivesse seriamente empenhada na melhoria social e política, frases como "vocês, homens" estariam fora do seu vocabulário, e o cientista que está nela estaria a cringingar no seu preconceito de confirmação.

Esta é definitivamente uma questão interpessoal. A minha abordagem seria dizer-lhe abertamente que ela é egoisticamente obcecada pela sua própria agenda emocional/pseudo-política e que o constante alarido está a perturbar tanto a si como à sua mãe. Se ela não mostrar algum respeito e consideração, diga à sua mãe e à Jane D que não a quer por perto até que ela tenha crescido.

2
2
2017-10-03 14:13:00 +0000

O que a mamã não sabe não lhe fará mal. Peça à Jane para parar. Se ela não o fizer, a mamã terá de lhe dizer, a não ser que a propriedade seja sua. Se ela continuar e a sua mãe não a impedir, nem por pedido nem por mandado, então pouco poderá fazer.

Por outro lado, se não puder fazer nada, então simplesmente não lhe responda. A Jane vai acabar por se cansar de falar sobre o assunto. Serve-lhe comida indiana incrivelmente picante, quente ou doce, ou o que a Jane não gostar. Se não vais ser frontal em dizer à Jane para parar, então tens de ser criativo.

Podias dizer à Jane: "Ei, vem cá senhora maluca, homem mau aqui, pronta para ser ensinada". Ela vai acabar por parar, a menos que seja mental. Mas se a mamã continua a deixá-la entrar, bem, a mamã está literalmente a convidar para a dor no coração.

2
1
2017-10-04 13:53:39 +0000
  • Jane D está a declarar uma opinião sobre o estado da sociedade.

  • Não partilha dessa opinião.

  • Não partilha dessa opinião.

  • Declara-a como tal. Afinal, ela tem o direito de fazer as suas próprias observações e formar a sua própria opinião. Mas os senhores também.

  • O truque aqui é mudar a discussão de ser sobre facto para ser sobre opinião e interpretação*. Enquanto o tom da discussão for como se estivesse a discutir factos (o que, aliás, não é o caso), não se pode chegar a uma conclusão em que se possa concordar em discordar. Mas se disser "Ok, essa é a sua opinião... Eu tenho outra", então abre-se para a acomodação.

1
0
2017-10-02 17:56:44 +0000

Pode ignorá-la ou fazer tentativas de se distanciar dela. Pode também, alternativamente, ver o que o marido dela pensa e, se ele pensar de forma diferente, tentar unir-se e usar os sentimentos da sua vizinha pelo marido dela como uma espécie de pontapé nas calças para a fazer ver do buraco em que ela se cavou. Fora isso, não vejo outras opções.

A citação "Não posso tirar-te de uma posição em que não te raciocinaste" vem-me à cabeça. Boa sorte! Espero que tudo se resolva.

0
0
2017-10-04 04:28:43 +0000

Uma opção totalmente diferente é tratar Jane como aquilo que ela é, uma pobre mulher que se transformou na caricatura de uma feminista, e tirá-la disto.

Da próxima vez que ela começar o Discurso, diga-lhe imediatamente que já ouviu isto antes, e pergunte-lhe se é só isso que ela é. Ofereça-lhe uma cerveja (que provavelmente será a primeira vez que isto lhe acontece em anos). Se ela não gostar, pergunte-lhe do que é que ela gosta. Insista em uma resposta. Não aceite qualquer conversa feminista, interrompa-a imediatamente e passe a um assunto diferente.

Porquê esta abordagem? Há dois resultados possíveis. Primeiro, você pode ser capaz de realmente ajudá-la. Uma mulher com esse tipo de atitude não vai ter muitos amigos, por isso qualquer ajuda que a tire dessa atitude, e mostrar-lhe que há mais na vida do que odiar os homens, é uma acção muito boa. Segundo, pode não ter qualquer efeito. Nesse caso, ainda assim parou O Discurso. Em vez de se aborrecer com isso, pode ter algum prazer em pará-la.

No final, não se trata de feminismo nenhum. Trata-se de alguém que visita a sua casa e se comporta de uma forma muito desagradável, intencionalmente ou mesmo sem se aperceber. Embora seja fácil para si proteger-se de se aborrecer com esse comportamento, qualquer coisa que torne o seu comportamento mais aceitável na sociedade em geral só é bom para ela. Seria o mesmo se o seu vizinho entrasse e falasse de futebol, futebol, futebol e nada mais, e perdesse todo o contacto com qualquer não fanático do futebol porque não pode falar de mais nada.

0