Relações interpessoais
2018-07-17 11:57:17 +0000
68

Como posso tentar que os meus colegas de trabalho parem com as suas piadas sobre pessoas LGBTQ+

Contexto

Estou nesta empresa há 5 meses e estou a partilhar um escritório com quatro homens (35 a 55 anos). São todos homens brancos, heterossexuais cis. Para que conste sou uma mulher branca, 22 anos, heterossexual cis1.

Houve um vídeo viral em França no início de Julho em que um grupo de pessoas discute discriminação não binária e LGBTQ+ . No início do debate o facilitador dirige-se a estas pessoas como gentlemen, ao qual uma delas responde:

What makes you think I'm a man?

Problema

Desde que este vídeo foi divulgado os meus colegas de trabalho estão a gozar com eles e a fazer piadas sobre o facto de serem não-binários. Não quero repeti-las aqui, mas elas são profundamente ofensivas e espalham ameaças para as pessoas LGBTQ+. Vai muito longe a maior parte do tempo. Eles gozam com isso durante o tempo de trabalho , no escritório, duas vezes por dia (e durante 30+ minutos) desde a semana passada. A maior parte das vezes ponho os auscultadores para não participar2 (porque sou tímido e tenho dificuldade em ser ouvido nos debates e sempre que os confronto, eles riem-se de mim e dizem-me que a minha opinião é estúpida), mas esta semana telefonaram-me para se envolverem na sua conversa e piadas LGBT-fóbicas. Parecia que eles não me ouviam quando eu insinuava que era ofensivo e me deixava desconfortável (porque sou uma mulher hetero cis), e eu queria mesmo que eles parassem de espalhar essas piadas horríveis enquanto trabalhavam (pelo menos quando eu estava por perto).

Pergunta

Pergunta

*O que posso fazer para tentar que os meus colegas de trabalho parem a sua conversa LGBT-fóbica durante o tempo de trabalho? *

Editar

Gostava de evitar sugestões de confronto, se possível, uma vez que vou ficar por cá algum tempo e gostaria de manter um ambiente cordial apesar das nossas diferenças de opinião.

Editar

- Muitas vezes iniciam debates (a maior parte das vezes sobre temas que envolvem racismo / homofobia / desculpas por violação / ...). Incomoda-me o facto de fazerem isto durante o tempo de trabalho, mas principalmente pelas suas próprias opiniões.

  • O meu manager não sabe disto, mas não estão a gerir todos nós.

  • Ontem disse-lhes que a minha mãe não é binária1 depois de uma piada muito ofensiva e inapropriada. Eles estavam a dizer que as pessoas LGBTQ+ são aberrações e que nos devíamos livrar de todas elas, por isso eu simplesmente "larguei a bomba". Eles riram-se de mim e continuaram. Isto deixou-me muito zangado, por isso voltei a colocar os auscultadores e não falei com eles o resto do dia, mas persistiu durante pelo menos mais 30 minutos.

  • Isso não são "apenas piadas". Na verdade, eles defendem a opinião defendida pelas suas piadas. Mas TBH o seu ódio parece basear-se mais na ignorância e no medo do que no conhecimento real do "mundo" LGBTQ+, se me permitem.

  • Não estou a tentar mudar a opinião deles. Certamente não concordo com eles, mas não me compete tentar mudá-los de opinião, e não tenho a certeza se conseguiria sequer mudar alguma coisa. Gostaria apenas que eles parassem de dizer piadas ameaçadoras de morte sobre uma parte específica da população durante o tempo de trabalho.


1: A minha mãe não se considera uma mulher trans. Ela é o que chamamos em francês um ftoX, ou seja, "de mulher para desconhecida". Não existe tal coisa em francês como o neutro eles (bem, só começa com o pronome "iel" mas as pessoas lutam para não o usar), por isso fazemos a diferença entre (fe-)masculino (que significa o sexo) e (wo-)masculino (para o sexo). Considerando isto, a minha mãe foi designada mulher à nascença e não se considera nem homem nem mulher.

2: Chamam frequentemente a debates sobre temas controversos. Por exemplo, quando o veredicto do julgamento La Meute se tornou público, eles disseram que é normal que uma mulher seja abusada ao falar com homens na rua.

Respostas [5]

67
2018-07-17 14:41:05 +0000

Já coloquei respostas semelhantes a perguntas semelhantes antes, mas isto não é estritamente uma duplicação, por isso aqui vamos nós novamente.

O que eu acho útil quando tenho de lidar com coisas semelhantes no meu local de trabalho é abanar a cabeça para indicar "não" e ir embora.

É um simples gesto de desaprovação e depois uma saída.

Mesmo quando estou preso a trabalhar na mesma sala com pessoas que são bastante horríveis, normalmente consigo escapar-me para ir à casa de banho ou sair para uma rápida pausa para fumar, e quando volto a conversa já mudou.

Parece dar às pessoas um forte indicador de que o que está a acontecer não está bem para mim e parece reduzir as recorrências. É certo que não elimina as recorrências, mas a maioria das pessoas parece ter a ideia. https://interpersonal.stackexchange.com/a/14447/59

Ou se preferir, pode tentar um pouco de judô odioso.

Algo que funcionou para mim, quando estava a trabalhar na construção, foi redireccionar subtilmente a reclamação. Foi eficaz contra uma grande variedade de reclamações e ajudou-me a sobreviver a uma série de ciclos eleitorais nos EUA desde então.

Uma pessoa com uma reclamação odiosa normalmente não se preocupa tanto com o tipo de reclamação odiosa que é, por isso, se deixar cair um insecto no seu ouvido sobre outra coisa que ela odeia quando está apenas a começar, pode muitas vezes realizar uma espécie de judô odioso.

É mais ou menos assim:

Ranter- Esses malditos imigrantes ralé ralé... Me- Espere, você viu o que [cliente mais odiado] está pedindo agora? O que é que eles estão a pensar? Ranter- Deixe-me falar-lhe sobre [cliente mais odiado] gentalha gentalha gentalha!

Parece funcionar bastante bem a maior parte do tempo. Também ajuda um pouco com a solidariedade no local de trabalho. A maioria dos locais de trabalho tem um inimigo comum, sob a forma de um cliente ou fornecedor detestável, ou o que você tem... Quando as pessoas desabafam e brincam juntas sobre uma frustração comum pode ajudar a aliviar essa frustração e ajudá-las a relacionarem-se umas com as outras sobre algo bastante inofensivo. https://interpersonal.stackexchange.com/a/6763/59

Eu definitivamente já estive nestas situações mais vezes do que posso contar. Não há realmente uma maneira tola de fazer as pessoas verem que estão a ser desagradáveis e cruéis sem se envolverem completamente com elas durante um período de tempo realmente longo.

O que eu disse nas minhas outras respostas são mais maneiras de mostrar desaprovação, ou de redireccionar. Na verdade, conseguir que as pessoas mudem as suas opiniões requer um investimento muito mais pessoal e, mesmo assim, elas têm de estar dispostas a isso. Parece que muitas pessoas não vêem como esse tipo de conversa é prejudicial, até que seja sobre elas ou sobre alguém de quem gostam pessoalmente.


Como um aparte, acho que vale a pena mencionar porque é que este tipo de brincadeira é problemático. Parece que estamos a viver numa época em que muitas pessoas parecem pensar que não faz mal brincar à custa dos outros, que as pessoas são demasiado sensíveis hoje em dia...

Vamos tirar um minuto para examinar isso...

Fazer das pessoas uma piada muitas vezes torna o ódio socialmente aceitável. Normaliza as ideias e estereótipos de ódio. Isto faz muitas vezes parte da forma como estas ideias são transmitidas de geração em geração. Como as crianças aprendem estas coisas.

Dizer que "é apenas uma brincadeira" não faz muito para reduzir a lentidão de ouvir coisas odiosas numa base regular. Se é cisgénero e heterossexual, provavelmente não repara em muitas das piadas e piadas, que as pessoas LGBT+ têm de suportar. Provavelmente não repara que a grande maioria dos filmes retrata relações heterossexuais, e a homossexualidade é normalmente reduzida a estereótipos, clichés e alívio cómico. Provavelmente não tem pessoas a persegui-lo sempre que menciona as suas relações online. Provavelmente ainda não teve de se perguntar se não há problema em falar sobre a pessoa por quem se apaixonou.

Embora seja verdade que algumas bandas desenhadas usam o humor com grande efeito para mostrar às pessoas o ridículo do ódio, essas tendem a ser as excepções, e não a experiência habitual. A experiência habitual tende a ser mais do tipo "vocês são diferentes e, portanto, risíveis". A sua sexualidade, género, etc., é uma piada. A vossa relação é uma anedota. Para mim não faz mal gozar com as pessoas que amamos". Esse tipo de brincadeira não tem muita piada.

Como te sentirias se alguém te insultasse abertamente? À sua família? O seu marido/esposa/parceiro? O seu filho? Provavelmente também se sentiria bastante reaccionário, não é verdade? Aceitaria algum argumento meio cansado sobre a liberdade de expressão, se alguém falasse de si e do seu?

Duvido.

E acredite em mim... No momento em que uma pessoa estranha brinca de volta, os homofóbicos derretem como flocos de neve. Raios, mesmo dizendo algo que é descritivo e não depreciativo de forma alguma, despoleta-os "Não sou 'cisgender', sou normal!" Há não há ali paridade. As pessoas que não são "não-hétero" são demasiadas vezes reduzidas ao humor auto-expressivo se quiserem brincar, e sabem porquê? Porque torna vocês pessoas mais confortáveis. Quem está realmente a ser demasiado sensível aqui? Vou iniciar um cronómetro e esperar pelo primeiro comentário a reagir ao uso de vocês.

Tenho a certeza que muitos de vocês têm um amigo LGBT+ que parece muito bem com este tipo de piadas. Provavelmente não estão. Provavelmente estão a tentar não pisar os dedos dos pés. Provavelmente sabem como as pessoas podem ser sensíveis quando confrontadas com estas coisas, e é mais fácil rir do que dizer a verdade e depois ter de ter esta discussão novamente.

Não me digam que é político. Não é. Tenha em mente que o seu direito a ser horrível, não faz com que seja correcto ser horrível. Claro que é livre de contar piadas ofensivas, a liberdade de expressão cobre isso, mas também cobre o meu direito de responder às suas piadas ofensivas. Não sou um agente do governo, por isso sou totalmente livre de lhe dizer para "se calar" e isso não é uma violação dos seus direitos.

** Acho que o tl;dr é... Não custa nada não ser cruel. Mesmo quando é "apenas uma brincadeira" é cruel e está a magoar as pessoas. Se o fizer, por favor, pare. Se você conhece outras pessoas que o fazem, por favor desencoraje-as.**

67
13
2018-07-17 12:57:43 +0000

Sugiro que recordem aos vossos colegas que todas as pessoas têm sentimentos e que todos nós divergimos à nossa maneira. Muitas dessas diferenças não são escolhidas por nós. Deveriam passar mais tempo agradecidos pelo que têm e menos tempo a gozar com o que percebem ser os problemas das outras pessoas.

Dir-lhes-ia que ridicularizar alguém por algo com que nasceu é apenas mau, semelhante a gozar com um defeito de nascença ou uma doença. (Por favor, reparem que não estou a dizer que a homossexualidade é uma doença. O meu ponto de vista é que não é necessariamente um estilo de vida escolhido)

Tenho uma longa história de gozar com as outras pessoas. Não na cara deles, mas com os meus amigos. Amadureci muito mais de 40 e poucos anos e raramente digo coisas de que me arrependa agora.

Eu tenho muito mais controlo sobre as minhas palavras porque agora tenho consciência de que as pessoas à minha volta provavelmente têm amigos e familiares que a minha brincadeira iria denegrir.

Anecdote Pessoal 1: Há cerca de 10 anos atrás eu mais fiz uma piada a um colega de trabalho sobre alguém que "anda de autocarro curto" antes de me lembrar que a sua filha tem síndrome de Down. Ainda me lembro com vergonha mesmo não tendo dito nada.

Personal Anecdote 2: Lembra-se daquelas "piadas de bebés mortos" que eram grandes nos anos oitenta? Pergunto-me se alguma mãe que perdeu um bebé nos ouviu contar essas piadas. Espero bem que não.

Personal Anecdote 3: Quando eu era jovem, as piadas sobre algumas doenças pareciam engraçadas. Desde que perdi o meu pai que me encolho quando ouço uma piada sobre demência. Tento não contar nenhuma anedota que possa desenterrar esse tipo de memórias dolorosas.

13
12
2018-07-17 12:43:39 +0000

Você não pode mudar suas opiniões, por mais que tente. Tentar fazer isso pode causar ressentimento e hostilidade, o que aprendi da maneira mais difícil ao tentar fazer com que meu amigo modere o uso liberal de calúnias LGBTQ+. A minha solução foi mudar a conversa deste tópico para outro, de preferência algo que os faça parecer mal.

Eles brincam sobre isso durante o tempo de trabalho, no escritório, duas vezes por dia (e durante 30+ minutos) desde a semana passada.

Perfeito. 30 minutos, duas vezes por dia acabam por ser 5 horas por semana, o que quando se pensa em tirar meio dia à sexta-feira é muito tempo. Este é o tópico para o qual eu recomendaria mudar quando eles perguntarem.

O senhor disse que estava a colocar auscultadores para os afinar, o que é uma boa solução até agora. Quando lhe perguntam sobre as suas opiniões, pode refutá-las dizendo algo do género:

Acho isso bastante ofensivo e não quero participar, mas não tem trabalho para fazer?

ou

Não sei porque passa tanto tempo a falar sobre isto.

Isto muda a conversa para ser mais sobre a sua falta de trabalho do que sobre questões LGBTQ+, e faz com que (esperemos) se apercebam que é uma perda de tempo. Se isto persistir, deve falar com o supervisor e explicar que os seus colegas de trabalho estão a perder muito tempo a falar. Notou que o supervisor não lhes diz nada quando eles falam sobre isso e por vezes riem-se. Não fale do assunto, mantenha-o geral.

12
12
2018-07-17 22:25:42 +0000

Se esta pergunta fosse sobre o comportamento de um único indivíduo, então acho que não seria capaz de oferecer melhores conselhos do que as outras respostas aqui publicadas já deram.

No entanto, porque há múltiplos indivíduos envolvidos neste cenário, pode haver algumas dinâmicas de grupo estranhas em jogo que alteram um pouco o cálculo.

Quando é que alguma vez encontrou um grupo de pessoas que sentem o mesmo sobre um tema antes? Porque é que isto seria diferente? Aposto que alguns dos seus colegas partilham o seu mal-estar, mas "joguem" com o machismo para se integrarem. Eu próprio já estive nessa situação no passado.

Talvez valha a pena observar cada pessoa um pouco mais de perto para determinar se é um iniciador ou um seguidor e depois levantar o assunto com um "seguidor" de cada vez, por exemplo, durante o almoço:

Sabe, nunca estive num local de trabalho onde se brinca tanto sobre a sexualidade das outras pessoas. Para ser completamente honesto, isso faz-me sentir um pouco estranho, porque não acho que seja totalmente apropriado para um ambiente de trabalho e pode, inadvertidamente, estar a causar ofensas consideráveis aos outros.

Mesmo que não discutam mais com vocês, a sua mera consciência da preocupação dos outros pode fazê-los sentir-se constrangidos se/quando piadas semelhantes forem levantadas no futuro. Esperemos que o seu mal-estar (colectivo)/retirada da situação faça com que o(s) instigador(es) se torne(m) isolado(s) e auto-moderado(s).

12
0
2018-07-17 22:14:42 +0000

Embora a noção de tentar lidar com a situação sem recorrer aos RH ou à gestão possa ser o objectivo geral, este como muitos outros, são tópicos sensíveis e podem ser fortemente contra si, se tentar lidar com isto sozinho e o fizer de forma errada. Como já tentou isolar-se (auscultadores) e utilizou várias técnicas para os fazer parar, proponho uma escalada para o RH e/ou para a gestão. Isso fará 2 coisas por si, começar a documentação de mau comportamento no trabalho, e eles podem no mínimo fornecer-lhe formas de evitar mais conflitos, incluindo possivelmente mudar a sua secretária para um novo local. Já fui ao RH no passado por vários comportamentos que não me agradaram, e normalmente foram suficientemente gentis para me fornecerem resoluções de conflito que não exigiam uma caça às bruxas dos infractores.

Infelizmente, as calúnias e piadas sexuais são e têm sido muito utilizadas para normalizar e distanciar o "aguilhão", tal como os grupos minoritários têm utilizado muito as calúnias raciais na sua linguagem quotidiana e até mesmo na música. A diferença é que as calúnias raciais tornaram-se uma coisa fixe entre os pares e na sua cultura, enquanto as piadas sobre sexualidade são tomadas como sendo fanáticas e homofóbicas.

Você não será capaz de mudar o seu comportamento, mas pode retirar-se das conversas, ignorando-as e simplesmente não reagindo. Isto é muitas vezes visto como uma sugestão comum para mudar o comportamento para consigo que não gosta.

A melhor solução é ir ter com o seu manager uma vez que disse que ele nem sequer está consciente deste comportamento. É claro que isso também lhe colocará uma etiqueta gigante nas costas se ele falar com eles sobre isso, ou ele pode estar ciente disso e não pensar que é um grande problema, por isso continua.

No entanto, precisa definitivamente de sensibilizar a empresa. Se houver fuga de palavras que eles tolerem tal comportamento, pode acabar por ser um pesadelo de relações públicas. Podem até acabar por ser processados se alguém que é LGBTQ passar por aqui e ouvir o que se passa. O resultado pode ser uma rede numa investigação (mesmo que não expluda aos olhos do público) e, quando questionados, podem perguntar por que razão fez orelhas moucas. Muitos vídeos de boas-vindas fornecidos no seu primeiro dia sobre assédio no local de trabalho, que incluem a notificação de tal comportamento à empresa.

Embora possa não ter feito nada de errado, vi pessoas despedidas por não notificarem a empresa de comportamentos de que tinham conhecimento (note-se que esta situação se referia principalmente ao roubo de produtos da empresa numa loja de retalho).

Ainda assim, o seu chefe e o seu RH estão lá para garantir que tem um ambiente seguro para trabalhar. Descobrirá muito rapidamente onde a empresa se posiciona em relação a este comportamento no que diz respeito à forma como lidam com ele. É claro que ninguém gosta de meter os outros em apuros ou de ser o "bufo". No entanto, você está lá para fazer o seu trabalho, e se não o conseguir fazer, então essa questão precisa de ser abordada ou precisa de encontrar um ambiente onde o comportamento não seja tolerado e possa trabalhar com todo o seu potencial.

Então, com tudo isto dito, quero reiterar que tentar lidar com algo como isto pode, por si só, sair muito pela culatra. Ninguém quer ser bufo, mas algumas situações exigem a notificação da gerência. Penso que esta seria uma situação que não deveria ser resolvida por si.

0