Relações interpessoais
2017-09-15 14:13:39 +0000
132

Como posso explicar às pessoas que um programador não é um técnico informático?

Em Itália, muitas pessoas continuam a pensar que os programadores são técnicos informáticos.

Um programador faz coisas completamente diferentes e, numa empresa, não sou o tipo que deve montar o seu computador ou trocar peças dele.

Por vezes senti-o como uma minimização do meu trabalho e senti-me um pouco ofendido.

A empresa para a qual trabalho tem muitos técnicos específicos, programadores, sistemistas, etc...

Como posso explicar às pessoas que um programador não é um técnico informático?

Respostas [13]

162
2017-09-15 14:48:01 +0000

A única maneira disto ser rude é a sua crença de que um programador é melhor do que um técnico [você menciona que parece uma minimização do seu trabalho quando as pessoas pensam que você é um técnico]. Não quero dizer que sejas rude em acreditar nisso, mas se acreditas nisso, então corrigir as pessoas, "Eu não sou essa coisa menor, eu sou essa coisa superior" pode parecer rude.

Solução: fala como se a tecnologia fosse igual ou mesmo superior a ti. "Oh não, eu digo aos computadores o que fazer [ou como fazer algo complicado], mas quando eles estão avariados sou inútil. Você precisa de um técnico para isso". Ou "Caramba, eu não monto os meus próprios computadores! Eu confio em profissionais treinados para isso". Não se concentre nos títulos de trabalho, concentre-se no que faz e no que a pessoa de que precisa faz.

As pessoas pensam que posso fazer com que a impressora funcione ou lidar com problemas de conectividade a toda a hora. E até certo ponto eu posso (e você também) porque aprendemos algumas destas coisas em defesa própria, uma vez que não podemos ficar sem a nossa tecnologia. Mas provavelmente somos apenas um pouco melhores nisso do que as pessoas que pensam que podemos ajudar. Abrace isso e partilhe que você é realmente bom numa coisa completamente diferente, e quando se trata de conseguir que essa impressora se comporte, você e a pessoa com quem está a falar estão em pé de igualdade.

162
42
2017-09-15 16:12:35 +0000

Você pode fazer o que eu faço (Um programador há 40 anos, um doutoramento em Informática): Diga a verdade. Eu digo às pessoas, dependendo das circunstâncias:

Eu não sei nada sobre configuração do Windows ou sobre como resolver problemas com o Windows.

Eu não sei nada sobre esse programa.

Eu não sei nada sobre esse hardware.

Eu nunca uso nada disso.

Eu não tenho ideia de como isso funciona.

Não sei que tipos diferentes de conectores são, ou o que você precisa.

Não sei escrever um jogo.

Não sei escrever uma aplicação telefónica para si.

Se eles questionarem isso, digo-lhes que não tenho de saber nada disso para fazer o meu trabalho, porque o meu trabalho é resolver problemas de lógica, problemas matemáticos e problemas de organização informacional. O computador é uma ferramenta, como o lápis e o papel, e eu também não sei fazer lápis e papel.

42
30
2017-09-15 14:50:35 +0000

Isto depende do que está a perguntar e como a sua empresa foi concebida.

Na minha empresa, a nossa equipa de TI é a única pessoa com permissão para adicionar ou alterar hardware/software. Isto significa que é fácil dizer a qualquer pessoa que peça ajuda com este tipo de coisas:

Eu na verdade não posso_ ajudá-lo com isso porque não tenho as permissões do sistema para fazer o que está a pedir. Você terá que falar com alguém do departamento de TI. Aqui está a forma como os contacta:...

Na verdade não tenho a certeza de qual é a política para isso. Eu trabalho com design de software, que é realmente diferente da configuração de hardware. Vai precisar de falar com alguém do departamento de TI para fazer o que está a pedir. Eis como os contacta...

Não há forma de não se sentir ofendido se eles continuarem a vir ter consigo e você optar por se sentir ofendido por isso. Essa é a sua opção. Mas, eventualmente, com indicações suficientes para irem para TI, esperemos que deixem de vir até si primeiro e que vão directamente para TI. Nesse momento, o seu problema está resolvido.


Gostaria de acrescentar, não há razão para se sentir ofendido com isto. Na verdade, "sentir-se ofendido" implica que não respeita o trabalho que o seu pessoal de TI faz, porque pensa que está abaixo de si. É diferente, não necessariamente "menor". Por favor, respeite-os.

Acho que deve reformular o acolhimento destas pessoas que vêm ter consigo... Disse num comentário:

Gostaria de especificar que não me considero superior, apenas sinto que eles me subestimam, mas talvez seja um problema pessoal.

Tem tudo ao contrário: eles pensam muito bem de si, por isso vêm ter consigo para pedir ajuda. As pessoas geralmente pedem ajuda a pessoas que respeitam, por isso não penses em alguém que pede ajuda como uma _ subestimação das tuas capacidades. Além disso, há poucos motivos para se sentir ofendido, pois as pessoas que lhe pedem ajuda são (eu suponho) simplesmente desinformadas sobre o que um programador/programador de software faz. É assim que as coisas são. Além disso, muitas pessoas que são programadores, can até certo ponto, lidam com problemas de hardware, por isso não é como se as pessoas que vêm até si estivessem erradas ao fazê-lo. Se não sabe como fazer o que eles estão a pedir, não faz mal admitir isso.


Eu não sou um programador de software, mas trabalho ao nível do sistema com computadores. Recebo pedidos para todo o tipo de coisas de hardware/software - por exemplo, ontem foi-me perguntado como adicionar alguém a um grupo de e-mail... Respondi ao e-mail e reencaminhei-o... para o nosso pessoal de TI que lida com isso.

As empresas são grandes e complicadas. Por vezes, saber com quem falar é confuso, por isso falamos com as pessoas que conhecemos e que parecem ter a nossa solução. Considero um grande favor para elas poder dizer "não posso, mas posso ajudar a descobrir quem pode"... nem todos querem ter tempo para fazer isso, mas eu gosto, dentro da razão.

30
15
2017-09-15 14:53:10 +0000

Estabelecer uma boa relação de trabalho com os tipos de TI cujo trabalho é consertar os computadores.

Depois pergunte-lhes "Sabem, quando as pessoas me pedirem para consertar os seus problemas informáticos, eu encaminho-os para vocês, está bem?". (deve ser óbvio)

Depois, quando perguntarem inevitavelmente, digam algo como "Eu sou o programador, quando o meu computador avaria como o vosso, apenas chamo os especialistas"! (e depois dirija-os à pessoa certa).

Gosto da palavra "especialista", ela expressa o devido respeito pelos técnicos de TI, ao mesmo tempo que deixa claro que o problema deste utilizador não é o seu problema...

15
14
2017-09-15 16:17:28 +0000

Existe uma relação semelhante entre arquitectos e construtores que se pode potenciar. O arquitecto prevê uma casa e, em seguida, elabora os projectos para essa casa. O construtor utiliza então essas plantas para construir realmente uma casa. Um programador prevê o que um programa deve fazer e depois esboça um código para o fazer. O técnico pega nessas coisas e torna o seu computador operável.

A analogia não é 100%, porque o que um técnico faz e o que um construtor faz não são quite um-para-um. No entanto, em ambos os casos uma das características que definem o arquitecto/programador é a criação dos documentos em papel/digitais que descrevem o que deve ser feito. Como colega programador, quando penso em atributos que definem o meu trabalho, esse é um deles. Se eu estivesse a tentar definir a diferença entre um programador e um técnico, escolheria uma analogia que pudesse levar essa mensagem para casa, como esta.

A razão porque gosto desta analogia é porque explica a diferença entre um programador e um técnico sem depreciar o técnico. A maioria das pessoas concordaria que o trabalho de arquitecto é mais sexy, mas isso não significa que o trabalho de construtor não seja incredível importante e valioso para a sociedade. Da mesma forma o que um técnico faz é muito importante, é apenas de natureza diferente da programação. Na verdade, se a conversa o exigir, posso até falar da importância dos técnicos sem diluir a minha afirmação de que faço algo diferente do que eles.

Também, alguma da confusão surge porque os programadores são, pela sua natureza, meio decentes na depuração de problemas técnicos. Podemos ouvir um problema, fazer uma pesquisa StackExchange, e corrigi-lo, quase como um técnico. No entanto, como técnicos especializados neste tipo de coisas, eles são substancialmente melhores nisso. Talvez eu possa ajudá-lo a ligar uma impressora em casa e conseguir que ela imprima. Pode ser preciso alguns hacks, mas vamos conseguir que imprima. Os técnicos no local onde trabalho mantêm um exército de DocuCenters Xerox em rede partilhada num ambiente empresarial onde o tempo de inactividade significa $$$ e os patches têm de ser colocados antes que os hackers explorem esses buracos para roubar os nossos dados críticos, assegurando ao mesmo tempo que qualquer alteração que eles empurrem para fora pode ser devolvida se os utilizadores individuais sofrerem interrupções de trabalho devido à alteração. Porque, afinal de contas, como utilizador, se o patch de segurança crítico das TI inibir o meu trabalho no mínimo grau, vou ter um ticket aberto ao mais alto nível possível e exigir que o fixem num horário ridiculamente curto. Depois vou ter o telefone do meu gerente e exigir que o ticket receba atenção o mais rápido possível.

Sim, tecnicamente é a mesma coisa, mas estou muito contente por ter especialistas dedicados a tratar disso no meu trabalho!

14
11
2017-09-15 17:18:43 +0000

Isto tinha-me deixado perplexo durante algum tempo e eu sinto-me contigo! Tenho alguns conhecimentos sobre software e ciência de dados (embora o faça mais como hobby do que como trabalho), mas as pessoas pedem-me frequentemente para resolver um problema num router Wi-Fi, resolver problemas de hardware, etc..., sobre os quais tenho pouco ou nenhum conhecimento.

Descobri que uma boa abordagem é relacionar a tecnologia com o desporto. A maioria das pessoas tem conhecimentos suficientes sobre desporto em geral, por isso é mais fácil deixá-las reconhecer que um programador não sabe tudo sobre tecnologia, tal como os jogadores profissionais de futebol não são bons em todos os desportos.

O exemplo abaixo é um exemplo que normalmente explico quando é perguntado por uma pessoa que não é de tecnologia (amigos, não membros da empresa):

My frined X: Ei, a minha Internet de repente deixa de funcionar. O que aconteceu?

I: (Demasiado amplo...) [Tendo verificado brevemente...] Desculpe, eu não sei. Eu não sou engenheiro de rede.

X: Mas você é um engenheiro! Porque não consegue arranjá-lo?

I: Engenheiro de software não é o mesmo que engenheiro de rede. Considere o desporto. O Messi é um jogador de futebol, mas acha que ele pode ser tão bom como o voleibol ou o basebol?

X: Eu não.

I: O mesmo é verdade para os programadores. O Messi seria melhor no voleibol ou no basebol ou em qualquer outro desporto do que as pessoas comuns, mas será o Messi o tipo de pessoa que quer ensinar-lhe voleibol? Ou prefere um jogador de voleibol profissional?

X: Jogador de voleibol!

I: Exactamente. O Messi seria melhor no voleibol do que tu ou eu, mas ele não seria tão bom como um aluno de 14 anos que joga voleibol na escola. O Messi pode não saber servir um voleibol num salto e salto correcto.

I: Eu posso ser melhor em rede do que a maioria das pessoas que não usam computador normalmente, mas a rede é muito complicada e eu não sei muito sobre isso, assim como Messi pode não saber servir um voleibol. Seria melhor pedir isso a um engenheiro que trabalha especificamente em rede.

X: OK, já percebi! Desculpe por perguntar... Obrigado!

11
5
2017-09-15 19:04:02 +0000

O seu trabalho, para a maioria das pessoas, é "trabalhar com computadores". A maioria das pessoas não faz absolutamente nenhuma ideia da diferença entre os muitos computadores, aplicações, serviços, funções, bases de dados, SO, etc.; e não tem ideia da diferença relativa na dificuldade das diferentes tarefas.

A confusão aumentará provavelmente se for membro do departamento de TI. É provável que também aumente porque você (ou outros "programadores") provavelmente ajudaram com tarefas mais simples, quer quando os técnicos estavam ocupados ou simplesmente por causa da proximidade.

Pode explicar, mas é provável que muitas pessoas respondam à sua "essa não é a minha função de trabalho" com "mas pode repará-la?" e, num grande número de casos, a sua resposta será "-sigh- yes".

5
3
2017-09-15 16:00:04 +0000

Primeiro acho que precisa de ultrapassar o pensamento de que é melhor do que um técnico.

Não vai ter uma boa conversa se tiver um chip no ombro.

O meu trabalho e experiência é programar e não hardware. Aqui está o contacto para suporte técnico.

3
3
2017-09-15 17:19:37 +0000

Estas pessoas são seus colegas de trabalho e, como tal, devem ser bem tratadas sempre que possível. Por isso, se o problema que eles vos trazem é (muito e fielmente) rápido, eu sugeriria que os ajudassem. Tal como se alguém lhe pedisse ajuda para carregar algo no edifício, porque por acaso estava lá quando chegou alguma entrega invulgar.

Se o que eles estão a pedir não é fiável e rápido, diga-lhes que isso os afastaria demasiado tempo das suas tarefas de programação. Talvez também sugira quem pode ajudar, se puder.

O tempo de programação é incrivelmente caro, por isso pode ser capaz de mitigar este problema, deixando a sua liderança saber que lhe estão a pedir para fazer coisas não programadas. Essa liderança irá provavelmente dizer que as pessoas devem evitar distrair os programadores porque a empresa precisa deles para se manterem nas tarefas de programação. (Muitas equipas de engenharia têm uma posição, Scrum Master, cuja única responsabilidade é remover os impedimentos à codificação, incluindo a defesa do tempo dos programadores deste tipo de coisas).

3
3
2017-09-16 17:08:47 +0000

O que outros pensam de si está, na maioria das vezes, fora do seu controlo.

Nota: Gostaria especificamente de excluir membros da família imediata e amigos próximos desta categorização de outros.

Ok, não dispare já sobre o mensageiro. Permita-me esclarecer:

  • Algumas pessoas não têm todos os conhecimentos técnicos, ou mesmo conhecimentos de informática.

  • Por favor, lembre-se que pode haver alguns trabalhos sobre os quais provavelmente não saberá muito e, portanto, é totalmente plausível que possa, inadvertidamente, fazer com que outra pessoa se sinta exactamente como se sentiu, apesar de não ter intenções viciosas.

  • Um exemplo clássico disto é (não necessariamente aquele que desconhece): muitos físicos (e também cientistas* ) realmente dislike* sendo comparados com engenheiros* , mesmo que ambos estivessem a trabalhar no mesmo projecto.

Isto não é para invalidar o que sente, mas apenas para indicar que, na maioria das vezes, pessoas com intenções razoavelmente boas nem sequer o querem degradar. É apenas o seu desconhecimento ou ignorância.

Sugestões:

  1. Se conhece de forma fiável o passado de alguém (ou seja, falta de conhecimentos informáticos, programação, etc.), sorriso , explique de forma gentil e breve a sua incapacidade para o ajudar nesse sentido, e mova-se. A menos que se sinta motivado e tenha muito tempo livre, provavelmente não quer investir muita energia em explicar as diferenças entre hardware, software e programação a qualquer outra pessoa que encontre.
  2. Se não conhece o passado de uma pessoa, não assuma que ela tenha necessariamente conhecimentos de informática ou de tecnologia. Então, possivelmente afine-se de acordo com a sugestão 1.
  3. Se tem a certeza de que alguém o está a tentar mostrar deliberadamente, ao mesmo tempo que está plenamente consciente da sua especialização e das diferenças entre hardware e software, penso que não seria injusto responder com um toque de sarcasmo. Talvez algo do género: "Senhor / Senhora, eu gostaria de poder ajudar. Infelizmente, não sou tão versátil e hábil como você..."_ ;)
3
2
2017-09-15 16:07:58 +0000

Para estas situações, acho que muitas vezes ajuda a fazer uma comparação de outros ofícios com que as pessoas possam estar mais familiarizadas para usar como exemplo.

Algo como:

Oh eu não posso ajudá-lo com isso, essa não é a minha especialidade. É como se eu fosse canalizador, mas você precisa de um electricista.

Outras possibilidades são motorista de autocarro/condutor de comboios, cirurgião/psiquiatra, etc.

2
2
2017-09-15 14:43:09 +0000

Tente explicar-lhes isto de uma forma muito calma.

Isto acontece com a maioria dos codificadores, eu próprio sou por vezes questionado e normalmente apenas explico e digo algo do género:

Eu programo o seu software, não conserto nem construo computadores.

A maioria das pessoas tende a compreender depois disso!

2
1
2017-09-15 17:25:01 +0000

É preciso dar-lhes uma analogia.

Inspirado no comentário Piloto/Mecânico, mas a maioria das pessoas também não são pilotos.

Experimenta o seguinte:

Programador é para um Técnico Informático analogias:

  • Condutor para um Mecânico (Carros)

  • Espadachim para um Ferreiro

  • Arquitecto para um Trabalhador da Construção

  • Argumentista de Filmes para a Equipa de Produção (efeitos especiais, engenheiro de cenários, maquilhadores)

Basicamente qualquer par de Utilizador/Designer vs Construtor/Criador/Reparador.

A maior parte dos programadores adquirem competências informáticas como hobby, mas não são necessariamente suficientemente conhecedores para serem realmente um.

1

Questões relacionadas