Relações interpessoais
2017-08-24 09:33:49 +0000
33

Como lidar com o toque indesejado do amigo do meu parceiro durante as conversas?

O meu parceiro reuniu-se recentemente com um amigo "Bob" do liceu, que também se divorciou recentemente da sua mulher de 25 anos. Ele tem-nos visitado com bastante frequência ultimamente e nós gostamos de o ter por perto. Ele ainda não acabou o divórcio, mas ao mesmo tempo, parece querer começar a namorar.

Numa dessas visitas e durante uma conversa "Bob" tocou-me na coxa. No início não prestei muita atenção, mas para ser honesto, não esperava e senti-me um pouco violado. O meu parceiro tem outros amigos homens com quem eu saio e eles não me fizeram sentir assim. Bem, o mesmo comovente acabou por acontecer de novo nessa mesma noite. Senti-me desconfortável e não sabia se devia ter dito alguma coisa e como. Passei o resto da noite a pensar no que ele me tocou nas coxas.

No dia seguinte discuti isto com o meu parceiro e pedi-lhe um conselho. Ele disse-me que, se isto voltasse a acontecer, eu deveria dizer ao Bob que não gosto. É mais fácil dizer do que fazer porque sinto que se o fizer vou fazer um negócio maior do que foi (?) e que vai tornar as coisas um pouco estranhas para todos nós.

  • Estou habituado a homens que são menos avançados com as mulheres (no entanto, actualmente não vivo nos EUA) e acho que ele estar tão confortável comigo foi um pouco exagerado.

  • Foi o que ele fez normalmente?

  • Foi sexual?

  • Sei que tudo depende de como me fez sentir, mas mesmo que hipoteticamente não me tivesse incomodado, foi apropriado?

  • Estou a ser demasiado conservador ou sensível?

  • Como é que eu encaro isto se acontecer de novo?

Estamos num país do sul da Europa.

Update (17 Set 2017)

Bob encontrou uma rapariga.

Respostas [10]

50
2017-08-24 09:45:07 +0000

Independentemente de ter sido sexual ou não, ninguém deve invadir o seu espaço pessoal se não quiser.

Isto não é normal, independentemente da situação. Tem várias abordagens:

  • A sua reacção não tem de ser verbal, pode simplesmente pegar na mão dele e afastá-la da sua coxa.
  • Mas, se quiser fazer uma abordagem verbal, basta dizer:

  • O seu parceiro pode falar com ele em privado e explicar-lhe que gosta de o ter por perto mas que não se sente confortável com ele a tocar-lhe e com o que ele fez que a fez sentir-se um pouco violada.

50
42
2017-08-24 09:54:02 +0000

É mais fácil dizer do que fazer porque sinto que se o fizer vou fazer um negócio maior do que foi

É o teu corpo, o que faz com que seja um negócio tão grande como é para ti. Se te preocupa o suficiente para levantares a questão, levanta-a.

e que vai tornar as coisas embaraçosas para todos nós

Já é embaraçoso para você desde o momento em que ele te tocou.

Acho que estar tão à vontade comigo foi um pouco exagerado. O que ele fez foi normal? Foi sexual? Sei que tudo depende de como me fez sentir, mas mesmo que hipoteticamente não me tivesse incomodado, foi apropriado?

Não há normal. O seu corpo, as suas regras. A mesma coisa em relação ao que ele quis dizer, é o seu corpo. Aparentemente incomodou-o, o que significa que é inapropriado. Além disso, aconteceu não só uma, mas duas vezes.

Você não quer tornar as coisas embaraçosas com base no facto de não saber o que ele quis dizer com isso e que ele pode até não fazer um grande negócio.

Ele fê-lo duas vezes e fê-lo de propósito, o que significa que ele sabia o que estava a fazer e provavelmente assistiu à sua reacção. Se não reagir, vai certamente continuar ou aumentar.

O amigo do seu marido presumiu que era apropriado que ele lhe tocasse nas coxas; diga-lhe apenas que não é - nem sequer espere até que aconteça novamente. Como o seu marido sugeriu, deve trazer à tona a próxima vez que esse homem vier a sua casa:

Bob, já que está aqui, gostaria que soubesse que não gostei da forma como me tocou nas duas últimas noites e não quero que o faça novamente.

Seja assertiva, directa ao assunto. Se ele continuar o seu comportamento, não é bom estar por perto. Nós não temos muita informação, mas talvez você também não. Talvez o seu divórcio estivesse relacionado com abusos, talvez de repente se sinta só e não consiga resistir à sua visão. Talvez ele esteja just flertando ou brincando.

Seja como for, você não se importa; isso não é da sua conta.

O fato é que ele fez algo ao seu corpo que você não gostou e que, portanto, ele tem que parar de fazer isso. Não falar nisso só vai ajudar him. Não vai ajudar o seu marido, e definitivamente não vai ajudar *você***.


À luz do seu comentário à resposta de Bradley Wilson, eu sugeriria que você e o seu parceiro tivessem uma conversa séria com Bob, porque ou ele não fala a sua língua ou ele não se importa de todo. Diga-lhe que o seu marido e o amigo dele sabem disso e que está do seu lado. Isto é, assumindo que ambos ainda o querem por perto depois de ele mostrar este tipo de comportamento nojento.


Algo que me esqueci de apontar porque pensei que seria óbvio, algo que não tenho tanta certeza depois de lhe dar mais pensamentos:

Ele tocá-lo discretamente significa que ele pretende que o menor número possível de pessoas o saiba: só você e ele. Isso porque ele não quer que o seu marido ou qualquer outra pessoa o testemunhe. O seu conhecimento disso é inevitável, mas ele está certamente a contar que não se atreva a confrontá-lo - que é, aliás, a razão pela qual fez a pergunta.

Sinto-me bastante estúpido por não abordar esse ponto, uma vez que esse é um padrão muito comum no que respeita ao assédio/abuso sexual. Nesta situação, Bob só o vê como um objecto, mas está ciente de que existe o risco de ele se encontrar em apuros. É por isso que ele começou com algo que pode ser ignorado - ele está a testar a vedação.

Não o confrontar apenas o confirmará que ele pode fazê-lo sem que você aborde a questão, quer seja por gostar ou por ter demasiado medo, timidez ou vergonha de levantar a sua preocupação. Além disso, ele ainda pode fingir que você está a inventar coisas se você o confrontar. Se ele se safar, pode dar-lhe a impressão de que você é impotente e de que confrontá-lo é inútil. Isso é algo que este tipo de abusadores não só lhes beneficia, como conta desde o início.

Não sei o que pensar da reacção do seu cônjuge. Ele parece acreditar em si, mas não me parece que tenha compreendido o problema. Talvez seja porque você mesmo estava inseguro do que estava a acontecer, mas mesmo assim. Espero que a sua pergunta seja editada se confrontar o Bob sobre a forma como correu.

Dada a incerteza da sua situação, isto é motivo de preocupação e espero que seja resolvido em breve e de uma forma segura. Além disso, ao ler sobre o seu estado de espírito quando relatou a situação e sobre o que aconteceu quando confrontou o Bob, as mulheres no mesmo caso que aterraram nesta página poderiam ter testemunhos em primeira mão de que a denúncia destes parvalhões ** funciona. Há demasiadas mulheres na sua situação que não falam sobre isso porque pensam que ninguém vai acreditar nelas ou mesmo importar-se com elas, ou receiam que se envergonhem por isso, em vez de se envergonharem do agressor.

42
8
2017-08-24 09:48:16 +0000

Isto não é aceitável.

Isto é uma invasão do seu espaço privado. Da próxima vez que ele te tocar onde não deve, tira-lhe a mão de cima ou pede-lhe educadamente.

Por favor não me toques assim. Está a deixar-me desconfortável.

Se no início ele não lhe prestou atenção, repita, mas desta vez com uma voz dura.

Então continue a sua conversa ou desculpe-se, como achar melhor.

E mencione que ele provavelmente deveria procurar outro parceiro porque ele está obviamente a precisar de companhia.

8
3
2017-08-24 12:34:00 +0000

tl;dr: _"não sou eu, és tu, eu tenho um fraquinho por pessoas que me tocam em geral". Isto desloca a culpa de "eles serem inadequados" para "você ser particular sobre isso", e ajuda a desanuviar o embaraço da situação enquanto ainda envia a mensagem de que eles devem desistir.

  • *

Explicação(ões):

Tem toda a razão em sentir que foi uma invasão do seu espaço pessoal (seja "grande" ou "pequeno" - esta é a sua percepção inteiramente e não nos cabe a nós defini-la; se lhe pareceu grande então foi).

No entanto, também sinto que tem razão em dizer que se o "confrontar" directamente sobre isso, eles podem ser tomados de surpresa, e isso pode muito bem sair de lá à medida que o fizer, como diz. Por outras palavras, a mensagem é necessária, mas a entrega é de facto importante e precisa de ser subtil.

A razão para isso é que, embora não se possa garantir que assim seja, ele pode muito bem não pensar nisso e estar apenas um pouco mais habituado a "tocar" com os seus amigos; para ele pode até ser um gesto de apreço e simpatia. Embora isso ainda seja uma coisa inapropriada a fazer - não porque deva_ necessariamente ser considerado sexual, mas porque poderia, e realmente deve-se ter mais cuidado antes de tomar tais liberdades - o confronto de uma "violação sexual explícita" pode ser irreversivelmente prejudicial à sua relação com esse amigo (e possivelmente com o seu marido).

Então, em vez de dizer "por favor não me toques, acho que é inapropriado, estás a exagerar e eu sinto-me desconfortável", em vez disso, eu diria, podes dizer isto de uma forma que transfira a culpa de ele ser inapropriado para você ser pessoalmente "estranho" em relação a essas coisas em geral, e que é simplesmente um dos teus "limites" estranhos que não gostas de ter atravessado. Isto desanima a situação, retirando a acusação de intenção sexual do quadro, ao mesmo tempo que até faz uma mensagem clara de que você não gosta de ser tocado dessa maneira. Por exemplo: "Bob, desculpa, não me interpretes mal, mas sou um pouco esquisito com as pessoas que me tocam em geral. Pergunta ao Jim (o marido)" e isto pode transformar-se numa anedota e em anedotas engraçadas sobre momentos em que pessoas aleatórias te tocaram e tu "exageraste"; ao contrário do que acontecerá se fizeres um confronto directo, que se tornará essencialmente uma mini-acusação de violação.

Uma vez que te preocupas com a tua relação com esta pessoa, esta forma de lidar com ela seria mais palatável socialmente, mas a mensagem ainda é clara. Ele não deve tocar-lhe desta forma. Não é coisa sua; se depois disto ele voltar a tocar-lhe da mesma maneira, sabe que não é acidental, e então pode e deve confrontá-lo um pouco mais directamente.

Tendo dito tudo isto, também concordo que tais assuntos também não devem ser simplesmente deixados ao silêncio. Tem razão em querer abordar este assunto aí e depois, caso contrário, cria um precedente. Mas ajuda deixar claro que se trata de um caso de "acabaste de atravessar algum dos meus limites e estou a avisar-te porque sei que me respeitas, e para que tenhas consciência disso e não voltes a fazê-lo", em vez de "omg you did not just cross that line that everyone in general knows exists and nobody would cross and that makes you a creep".

Finalmente, é preciso também entreter a possibilidade de ele é, de facto, um creep, pelo menos neste contexto. Infelizmente, isso não faz dele um Bond-villain versátil, e não o impede de ser um bom rapaz e um bom amigo noutros contextos; as pessoas não são pretas e brancas, e a maioria das pessoas tem personalidades conflituosas ao mesmo tempo. Mas é importante reconhecer que este pode ser o caso, em vez de chafurdar em confusão quanto ao facto de ele ser "bom" ou "mau" em sentido binário. Por isso, a senhora fez bem em contar ao seu marido. Uma coisa é a forma como reage a isso nesse contexto social específico para permitir o controlo dos danos, e reconhecer que era importante para ele saber que a senhora foi levada a sentir isso é outra. No mínimo, para que ele possa olhar também para mais bandeiras vermelhas, e não agir de uma forma que a coloque numa posição ainda mais difícil, ignorando essas coisas mais tarde.

3
3
2017-08-24 20:00:16 +0000

Algumas respostas aqui são boas, e depende daquilo com que se sentir confortável quanto ao que mais lhe convém. Queria apenas fazer um comentário sobre um ponto que algumas pessoas estão a abordar: como é que o resultado disto irá afectar o Bob e a relação do seu parceiro.

Embora eu pessoalmente sinta que a forma como reage ao facto de o Bob lhe tocar pouco tem a ver com mais alguém e que qualquer precipitação é um problema do Bob, a melhor prática é, provavelmente, informar previamente o seu parceiro da acção que pretende tomar, para que ele não fique surpreendido quando isso acontece, e não acabe por pedir desculpa pelo seu comportamento, ou pior, por ficar do lado do Bob se a reacção do Bob for toda de choque e dor ("como é que pode pensar uma coisa dessas"). * Por isso, avisa o teu parceiro se o Bob te tocar novamente, vais chamá-lo, dar-lhe uma bofetada, fazer uma cena, ou o que quer que seja, para que a sua reacção seja considerada, e não um reflexo quando isso acontecer.

*Como um aparte, a forma como o Bob reage quando tu respondes às suas acções pode informar-te da sua verdadeira intenção. Se ele se arrepende de ter atravessado os limites, pede desculpa e diz que não volta a acontecer, é provável que seja mais inocente do que se seguir o guião acima de tudo, ou tentar dizer que você deve ter "problemas de contacto" ou similares.

3
2
2017-08-25 12:31:47 +0000

Todas as respostas até agora são muito boas e podem dar-vos um rumo a seguir.

Mas gostaria de salientar a importância de voltar a discutir este assunto com o vosso parceiro. Para mim, a sua reacção foi algo apática a um assunto que realmente lhe causou grande desconforto.

Ele precisa de compreender a gravidade do que aconteceu. Consciente de que ele pode mudar a sua acção no futuro. Mudar para que tipo de acção, pode perguntar? Para tomar a liderança e confrontar Bob, ou quem quer que seja, ele próprio em vez de lhe dizer para o fazer.

2
1
2018-02-02 13:55:35 +0000

Se achas que é importante não fazer o Bob sentir-se mal com isto, podes chamar a atenção para o comportamento enquanto minimizas qualquer crítica aos seus motivos:

Provavelmente não te apercebes do quanto me tocas enquanto falamos, mas isso deixa-me desconfortável, por favor pára de o fazer.

Podias seguir com

Estou habituado a ter um pouco mais de espaço pessoal.

ou mesmo

À medida que começas a namorar novamente, vais precisar de aprender a ser mais sensível à forma como as mulheres reagem a este tipo de coisas - vai ser difícil conseguir segundos encontros se as mulheres sentirem que estás a ser demasiado familiar.

Mais uma vez, seria mais aberto e honesto dizer ao Bob que ele está a ser assustador e parar, mas parece que o PO não quer seguir esse caminho.

1
0
2017-08-24 11:31:49 +0000

A única pergunta que deve fazer a si próprio nessa situação é se está ou não à vontade com o toque. Neste caso, parece que não está.

** Não há coisas como exagerar quando se trata do seu corpo.**

O seu corpo é, e será sempre o seu bem mais privado, como tal só você tem alguma palavra a dizer sobre o que é e o que não está bem. Talvez o Bobs tenha muitos amigos com quem o toque foi uma coisa normal, mas se não gostas, tem de parar, ponto final.

O teu corpo pertence-te e só a ti.

Se alguém te toca de uma forma que te deixa desconfortável, então tens todo o direito de dizer pára. Por isso, da próxima vez que vires o Bob se isto voltar a acontecer, deves dizer-lhe de forma simpática mas firme com algo do género :

Podes guardar a tua mão, por favor? Está a deixar-me desconfortável e eu gostaria que parasse.

Se ele não cumprir ou agir assim novamente, então deve falar mais uma vez com o seu parceiro e pedir-lhe que convença o Bob a respeitar os seus limites.

Se depois de tudo isso o comportamento do Bob não mudar, isto pode ser considerado um assédio, altura em que pode considerar pedir ao seu parceiro para parar de convidar o Bob a ir a sua casa. Eu sei que não é uma coisa fácil de fazer, mas se alguém não pode respeitar os seus limites, não deve ser permitido na privacidade da sua casa.

Se o Bob ainda lhe causar problemas depois disso, então você deve tomar medidas legais.

0
0
2017-08-24 09:57:12 +0000

Penso que não há nada de errado em não querer ser tocado por certas pessoas ou em áreas específicas ou por um período de tempo específico. Se tem medo de estar a exagerar (creio que não) basta dizer-lhe num tom humorístico

"Please don't touch my thigh"

da próxima vez que isso acontecer. Podes também olhar para a mão dele cada vez que ele a põe na tua coxa, mesmo que ele continue a falar contigo, tenho a certeza que ele vai reparar e até perguntar-te o que se passa, para que possas responder algo como

"Deixa-me um pouco desconfortável, importas-te de não o fazer?".

com um sorriso, se quiseres. Claro que não há nada de errado se disser o acima exposto ou algo do género com uma cara séria.

0
-2
2017-08-24 19:24:37 +0000

Simples. Defenda-se. Se necessário, faça como fazem nos comboios no Japão. Agarre a mão que lhe tocou inadequadamente, levante-a bem alto no ar e grite: "Pervertido! Pervertido!". Isto é feito para avisar os outros nas proximidades.

Se for muito difícil para si, agarre a mão dele, atire-a de volta para ele, olhe-o bem nos olhos e diga: "O que é que se passa consigo? NÃO me toques assim TALVEZES!"

Não peças desculpa. Diga-lhe de forma inequívoca que o seu comportamento é completamente inaceitável. Não tenha medo da inépcia. Não será embaraçoso para si se aprender a afirmar-se. Só será embaraçoso para ele por se envergonhar publicamente por ser um sacana.

-2