Relações interpessoais
2018-10-10 11:28:49 +0000
41

Como devo pedir às pessoas para pararem de explicar as coisas?

A maioria das pessoas com quem interajo diariamente parece precisar de explicar e qualificar cada declaração.

Um exemplo seria:

Vou sair em breve e o seu carro está a bloquear a condução.

Até agora tudo bem, mas depois vão continuar e dizer:

Vai precisar de o mudar para a estrada. Se não o fizer, não consigo tirar o meu carro.

Outros exemplos incluem:

  • Dizer-me que preciso de clicar em "enviar" depois de escrever um e-mail.
  • Dizer-me que a chaleira vai precisar de água antes de a poder ferver.
  • A impressora precisa de se ligar primeiro antes de tentar imprimir.

Também não se diz nada disto de passagem. O meu colega perguntou-me genuinamente "Sabe que a impressora precisa de se ligar primeiro antes de tentar imprimir isso?"

Como é que eu explico a estas pessoas que eu percebo isso, eu sinceramente pensei no que quer que elas estejam prestes a dizer, mas de uma forma que não as dissuada de contribuir com observações úteis no futuro?

Respostas [12]

80
2018-10-10 14:51:13 +0000

O exemplo que me deu lembra-me de uma conversa semelhante que tivemos sobre fraseando comentários construtivos neste site ;)

Vou sair em breve e o seu carro está a bloquear a condução.

Esta é uma declaração de facto. OK, então o que?_

Vai precisar de o mudar para a estrada. Se não o fizer, não consigo tirar o meu carro.

Aha - _eles querem que faça alguma coisa! _

Pode parecer-lhe super óbvio porque disseram a primeira parte, mas nem sempre é assim. Mesmo (especialmente?) nos relacionamentos, você vê o seguinte acontecer: A Pessoa A faz uma declaração, esperando que a Pessoa B compreenda e cumpra o pedido implícito. A Pessoa B não se apercebe disso e não faz o pedido. A Pessoa A fica chateada por não o ter feito. A Pessoa B fica chateada porque "Não sou um leitor de mentes".

Muitos de nós (incluindo eu próprio) já tivemos esta experiência, por isso achámos benéfico que fosse muito claro na nossa comunicação. Se eu quiser que o meu parceiro lave a roupa, não digo "hmm, o cesto da roupa está a ficar muito cheio", porque é igualmente provável que ele diga "sim, claro que está" e siga em frente, e quando chego a casa do trabalho fico desapontado por o cesto ainda estar cheio de roupa suja. Em vez disso, digo "Ei, podes lavar a roupa hoje?", fazendo um pedido explícito (então ele responde sim ou não, e não há surpresas quando chego a casa).

Outra razão possível, como quando o teu colega mencionou ligar a impressora, é que eles já tiveram esses problemas antes ou viram outros a tropeçar nisso, e estão a tentar poupar-te o trabalho. Se os meus colegas de trabalho mencionam um problema com o qual já lidei antes, faço-lhes frequentemente algumas perguntas básicas para chegar à raiz do problema - por vezes, apesar de serem bastante experientes e competentes, todos nós esquecemos por vezes as coisas. Como programador, faço isto mais vezes do que gosto de admitir - por isso, quando um colega de trabalho diz "tens a certeza que estás a compilar o código certo, certo?", eu sei que estão a perguntar porque todos nós já o fizemos antes!

Para que tudo isto pareça dizer que as pessoas não estão necessariamente a dizer isto por desdém por ti ou porque pensam que és estúpido, é porque estão a tentar ser úteis e claros na sua comunicação. Mesmo que não o sejam, é melhor assumir boa fé nas suas interacções com os outros até prova em contrário.

Como é que explico amavelmente a estas pessoas que o entendo, pensei honestamente no que estão prestes a dizer, mas de uma forma que não as dissuada de contribuir com observações úteis no futuro?

** Respostas simples como "sim!" ou "obrigado!"** são uma boa forma de reconhecer educadamente. Se você já estava prestes a fazer o que eles sugeriram, "Yep, já tentou isso" ou "Yep, on it!" transmite isso, sem entrar em detalhes. Faço isto com a minha mãe de direito, que é um pouco "Tipo A" e só gosta de dar conselhos. Ela tem boas intenções, e eu não quero arriscar o conflito, por isso a minha prioridade é ser grato por isso em vez de afirmar os meus conhecimentos. (Embora o humor gentil, se conseguir fazê-lo, pode funcionar bem, por exemplo, "não se preocupe, ainda não incendiei a casa!")

Outra opção é explicar o que fez ou pensou , antes ou depois do comentário. Com o tempo eles vão aprender a extensão dos seus conhecimentos e perceber que não precisam de lhe lembrar o básico (se prestarem atenção, isto é... infelizmente essa parte é com eles!). Já tive de lidar com isso de começar novos empregos antes, onde demorou algum tempo a "provar-me" antes de os novos colegas de trabalho descobrirem com o que eu tinha experiência (ou não).

Além disso, faça a certeza de que está a modelar o comportamento que quer ver. Por exemplo, muitas vezes prefacio as minhas sugestões de nível básico aos colegas de trabalho com "Isto pode parecer óbvio, mas já tentou...?". Embora não seja directo, eles podem pegar nestes maneirismos e reflecti-los de volta para si. Também facilita, se isto se tornar um problema a longo prazo com algumas pessoas, discutir a sua frustração se não estiver a fazer coisas semelhantes.

Em tudo isto, ** mantenha uma atitude amistosa!** Se ficarem magoados com a sua resposta, terão menos probabilidades de se voluntariarem no futuro, por medo de outra má resposta. Isto vai ao encontro de assumir a boa fé. Agradeça-lhes a sua disponibilidade para o ajudar, mesmo que seja a coisa mais óbvia do mundo para si e já o soubesse, por isso são encorajados a continuar a contribuir no futuro.

80
19
2018-10-11 12:30:20 +0000

A maioria das respostas aqui discute o primeiro exemplo mas não tanto os outros exemplos:

Dizendo-me que preciso de clicar em "enviar" após escrever um e-mail. Dizendo-me que a chaleira vai precisar de água antes de a poder ferver. A impressora precisa de ligar primeiro antes de tentar imprimir.

O que parece indicar uma suposta falta de conhecimento da sua parte que, ao que parece, não está realmente lá. As pessoas parecem pensar que você não sabe estas coisas, mas na verdade sabe. A forma mais simples seria apontar educadamente que já sabia isso. Algo como

Obrigado. Eu já sabia que tinha de clicar em "enviar" depois de escrever um e-mail.

Obrigado. Não precisa de me dizer que uma chaleira precisa de água antes de poder ferver. Já o fiz antes.

Obrigado. Mas eu já sei que a impressora precisa de ligar primeiro antes de tentar imprimir.

Em particular, se um colega lhe perguntar genuinamente "Sabe que a impressora precisa de ligar primeiro antes de tentar imprimir isso?", no caso de saber realmente que eu simplesmente responderia com:

Sim, eu sei isso.

E, no caso de não o ter feito ou de se ter esquecido:

Obrigado. Eu não sabia disso. [ou] Obrigado. Eu tinha-me esquecido disso.

Devias prestar especial atenção em não te armares em arrogante. Mas ainda é muito importante que os outros saibam o que você sabe e o que não sabe. A chave é a simpatia. Pode, por exemplo, acrescentar:

Obrigado. É muito amável da sua parte, mas não foi esse o problema, eu sei que ...

Dependendo da situação específica, talvez queira dar mais alguns detalhes para ter a certeza que as pessoas entendem que o conseguiu. Declarar que você sabia que isso já é uma espécie de repúdio, mas com um tom educado e possivelmente leve, vai sinalizar que da próxima vez as pessoas podem esperar que você já o tenha. Se isto não for suficiente, poderá gradualmente tornar-se um pouco mais impaciente.

Enquanto nos casos de pessoas que contribuem com observações realmente úteis no futuro, eu expressaria explicitamente a minha gratidão ("Muito obrigado, eu não sabia disso. Isso foi realmente útil"). Assim eles aprendem os verdadeiros limites do seu conhecimento e isso irá ajudá-lo muito no futuro.

Se conhece bem as pessoas, pode até usar ironia e até um ligeiro sarcasmo de uma forma leve como:

A sério? As chaleiras não produzem água a ferver a partir do ar rarefeito?

É importante garantir que as conversas se mantenham amigáveis, por exemplo, sorrindo. Normalmente faz o truque para mim perto dos 100% do tempo.

19
16
2018-10-11 08:15:44 +0000

Uma possibilidade que talvez queira considerar é que eles sentem a necessidade de acrescentar mais explicações porque a sua linguagem corporal não lhes diz que já compreendeu.

Se eles disserem

Eu vou sair em breve e o seu carro está a bloquear a condução

então o que vai acontecer a seguir vai depender de como você reage, ou é visto a reagir. Se responder explicitamente "OK, eu mudo-o", é provável que eles digam "Obrigado". Se acrescentarem "

Terá de o deslocar para a estrada. Se não o fizerem, não consigo tirar o meu carro.

Isto sugere-me que o sinal que enviaram após a primeira declaração deles foi que não tinham recebido a mensagem.

Sem vos conhecer e ver a vossa linguagem corporal não consigo dizer se estou nas linhas certas: mas pensem bem.

16
12
2018-10-10 13:29:04 +0000

Pense assim: no final das contas, eles estão apenas a tentar ajudar e, ao fazê-lo, estão apenas a usar o seu próprio fôlego e tempo. Já para não falar que pode chegar uma altura em que precisem mesmo deste pequeno conselho extra. Sei que já me esqueci genuinamente de ligar a impressora antes.

Por isso, o meu conselho para si é que responda de forma neutra. Eu simplesmente faria o que quer que eles estejam a aconselhar e dar-lhes-ia um rápido "Obrigado" ou "Boa chamada" ou "Sim, já percebi" quando começarem a fazer isso. Afinal, se foi bom senso então provavelmente já o vais fazer, certo?

Isto vai reconhecê-los e fazê-los sentir que ajudaram e que os seus conselhos foram recebidos, enquanto tu continuas a fazer o mesmo que já ias fazer. Toda a gente ganha! E assim, se um dia precisares mesmo dos conselhos deles, não vais parecer mal por teres ficado chateado e recusado antes apenas de voltares a implorar por eles.

12
11
2018-10-10 19:05:25 +0000

Como posso explicar a estas pessoas que o entendo, pensei honestamente no que quer que estejam prestes a dizer, mas de uma forma que não as dissuada de contribuir com observações úteis no futuro?

Não o fazes porque não podes.

O problema está aqui:

A maior parte das pessoas com quem interajo numa base diária/regular parece precisar de explicar e qualificar todas as afirmações.

Parece estar aborrecido com o que a maioria das pessoas consideraria um comportamento normal, isto significa que para mudar este comportamento você precisa de mudar o mundo inteiro. Ou melhor, quase todos os que vivem nele. Outras respostas já abordaram o porquê das pessoas poderem explicar em excesso e como manter as interacções a um mínimo, por isso não vou entrar mais nisso. Quero apenas salientar um simples facto que penso que está um pouco esquecido aqui (e muito francamente em muitas outras respostas neste site):

** Não se pode (razoavelmente) mudar o comportamento da humanidade em geral.**

Pense por um minuto no que isso implicaria no seu caso: Teria de se envolver numa conversa sobre isto com quase todas as novas pessoas com quem interage e, como as pessoas são criaturas de hábitos, teria de ter esta conversa vezes sem conta (e muito possivelmente impor às pessoas o aborrecimento que quer acabar). Ou então, teria de iniciar algum tipo de campanha para parar este comportamento e gastar muito tempo e recursos com ele. Nenhuma destas opções é prática, e mesmo que fossem, provavelmente não produziriam o resultado desejado.

Por isso, o que resta é simplesmente aceitar que as pessoas se comportem como pessoas, o que por vezes pode ser bastante irritante, mas infelizmente não pode ser evitado.

========

Edit: @TinkeringBell perguntou-me porque seria tão mau envolver outras pessoas no seu comportamento, num comentário que parece ter sido vítima do comentário kraken que percorre este site. (Não percebo mesmo porquê, foi um comentário perfeitamente válido a pedir esclarecimentos sobre a minha resposta). Por isso vou acrescentar aqui a minha resposta, porque acho que acrescenta valor:

Não lhe chamaria "muito mau" de todo, mas mais como uma "missão impossível". Como se trata de lidar com aborrecimentos, esperar (quase) que todas as outras pessoas mudem o seu comportamento provavelmente levará à frustração, enquanto aprender a ser tolerante com o comportamento irritante das outras pessoas é na verdade uma excelente oportunidade para o crescimento pessoal.

11
9
2018-10-10 17:46:14 +0000

Confissões de um Exagerado Explicador...

A maioria das pessoas diz-me que estou inseguro, ou que preciso de ter auto-confiança. Não podiam estar mais erradas. No meu caso, vem do abuso dos pais. Estar errado significava uma tareia bêbeda.

Anos de terapia mostraram-me que eu exagero quando não confio completamente na outra pessoa, pois receio estar errado. Estou a tentar dizer um pouco, e ver se a pessoa quer mais esclarecimentos. É muito difícil quebrar estes hábitos.

Outro factor que pode estar a contribuir para aqueles com quem se interage pode ser o facto de eles estarem genuinamente entusiasmados com o assunto. Mais uma vez, neste caso não há malícia intencional ou algo do género - estão a tentar ser úteis.

Estou apenas a tentar mostrar o outro lado da minha própria experiência sem saber o que se passa na cabeça daqueles que o incomodam.

Uma sugestão pode ser simplesmente fazer as suas perguntas de uma forma diferente - uma forma que traia a sua actual compreensão.

Adicionado por @noon:

A resposta, ou reflexão, ou perspectiva acima destina-se a ajudar o PO a encontrar o caminho a seguir, não assumindo as respostas que ele/ela não aprova que possam vir de um bom lugar, e a não assumir que são destinadas a ser irritantes ou improdutivas.

Além disso, verá que enquanto a maioria se aproxima do ponto de conflito [suave] do ponto de vista do PO, eu estou a tentar adicionar cor, brilhando luz do 'outro' lado. A sabedoria da experiência não é melhor explicitada a preto e branco, mas sim apresentada de uma forma respeitosa que permita ao PO encontrar a sua própria verdade única, e o caminho a seguir.

Ninguém pode afirmar honestamente saber o que esta pessoa em particular deve fazer. Essa é uma expectativa impraticável. Em vez de pregar, só posso oferecer uma visão respeitosa.

9
6
2018-10-11 01:24:55 +0000

Pode haver algo no seu estilo de comunicação (ou noções pré-concebidas que as pessoas têm de si) que leve as pessoas a pensar que precisam de esclarecer coisas que você considera óbvias. Vamos tentar isto:

Eu: "Você está a bloquear o meu carro"

Você: "OK"

Eu: "Vou sair às 14h, por isso têm de o mudar antes disso"

Oops, eu só expliquei em demasia. Em vez de OK, dizes: "

"Já está, vou mudar o meu carro antes que precises de sair às 2"

Agora sei que compreendeste o teu item de acção (e o prazo) e não há necessidade de eu esclarecer. Uma vez que o façam algumas vezes tenho confiança que se eu disser algo com um item de acção implícito para vocês, vão tê-lo e podemos passar para um estilo de comunicação mais conciso.

Também pode haver outras questões de expectativa social em jogo aqui. É por acaso que vem de uma cultura diferente da das pessoas de que está a falar? As pessoas da Costa Leste dos EUA tendem a ser mais abruptas (o que é que quer?). As pessoas da costa ocidental são mais redondas (há alguma comida ou bebida que eu lhe possa arranjar?). As pessoas que comunicam entre culturas tendem a exagerar para obter confirmação de que foram compreendidas (e para as diferenças de género leia o fabuloso artigo "Os homens explicam-me as coisas"). Sei que quando viajava na Índia a minha compreensão do que estava implícito era extremamente imprecisa. Cheguei ao ponto em que precisava de uma confirmação explícita antes de estar confiante de que tínhamos comunicado. As pessoas de lá poderiam ter evitado a repetição frustrante mútua, dizendo-me a sua compreensão das implicações da nossa conversa.

6
3
2018-10-13 20:33:48 +0000

Talvez estejam a afirmar o óbvio porque estão a dar respostas atípicas.

Vou sair em breve e o vosso carro está a bloquear a condução.

A resposta esperada é algo do género "Desculpem, vou mexer-me". Se está a dar uma resposta plana como "OK" então não está claro para a outra pessoa que compreendeu e que vai mover o seu carro.

Outros casos de sobre-explicação, como "não se esqueça de ligar a impressora" são completamente normais e devem ser reconhecidos com "Obrigado". As pessoas fazem isto porque a dada altura esqueceram, por isso pensam que o ajudam a evitar frustrações. Para algumas pessoas, isto é apenas um hábito nervoso. Se está frequentemente a dar respostas atípicas a pedidos, é possível que o seu comportamento tenha tornado as pessoas ansiosas por interagir consigo, o que leva a uma conversa mais exagerada consigo.

3
1
2018-10-14 21:40:17 +0000

Por vezes, é apenas menos fricção deixá-lo ir com um simples "Obrigado". Por vezes, um reconhecimento positivo pode evitar o excesso de explicações.

Vou sair em breve e o seu carro está a bloquear a condução.

Eu poderia dizer "Avise-me quando estiver pronto para sair e eu deixo-o sair" ou "Dê-me um minuto e eu vou-me embora", ou algo assim, dependendo da situação. Em qualquer caso, não direi apenas "Ok", mas indicarei que compreendo a situação e que estou disposto a acomodar o pedido implícito.

Tem de clicar em "enviar"

A chaleira precisará de água antes de a poder ferver.

A impressora precisa de se ligar primeiro antes de tentar imprimir.

Para cada um destes, posso apenas responder com "Got it, thanks".

É possível que um simples "Ok" a qualquer um destes seja interpretado como "so, what?" o que então implora a sobre-explicação, ou reforça um padrão de sobre-explicação. Dar um reconhecimento curto e positivo de que compreende claramente a situação pode ajudar a dar ao sobre-explicador a confiança de que não tem de o soletrar por si.

1
1
2018-10-11 15:09:15 +0000

Posso relacionar: isto pode ser super irritante.

Até agora, as respostas assumem que todos estão em alta. No entanto, esta pode ser a forma como o novo miúdo é tratado: "Vamos descobrir se eles aguentam a pressão, sim? O exemplo do aquecedor de água faz parecer provável que eles não estão apenas a ser úteis.

Se tiveres a sensação de que eles estão mesmo a brincar contigo, uma resposta humorística - ou "duh" - ou algo assim - é provavelmente o caminho a seguir.


[a tentar adicionar "perícia"]

Nos Países Baixos, nos campos de vela, o novo miúdo - literalmente um miúdo de cerca de 12 anos - terá a tarefa de ir procurar algo inexistente. Como um filtro à prova de água. A forma como sabe que é um recado idiota, é porque é algo que não faz sentido.

Isto é mais extremo do que o que o PO está a pedir. No entanto, penso que por ser claro como funciona um esquentador, não há razão para pensar que isto é absolutamente sério. É semelhante a como o filtro à prova de água simplesmente não existe.

Parece-me que se trata aqui de cultura. E descobrir como lidar com isso é uma questão de observação e de bater e falhar. Mas se algo não faz sentido, não o leve a sério parece-me uma boa regra de ouro.

Não tenho experiência prática em lidar com isto de outra forma que não seja simplesmente parecendo ofendido e ignorando comentários estúpidos. Mas isso sou só eu.

1
1
2018-10-12 22:19:28 +0000

Gosto de me fazer de parvo quando as pessoas me tratam de parvo.

Alguém que me aborrece ao explicar em demasia pode ver-me parar completamente o que quer que seja que estou a fazer, dar-lhes a minha atenção total e directa, intensa, e pedir-lhes que continuem a explicação ou mesmo que a comecem de novo, preenchendo os espaços em branco que deixaram da primeira vez. Vou pedir-lhes esclarecimentos, se e se, e bainhas e corvos, para ser realmente bom e ter a certeza de que a pessoa pensou em tudo e está realmente a dar-me as melhores instruções possíveis. Louvo a sua disponibilidade e empenho em colocar todo esse esforço em meu benefício e depois agradeço-lhes por apenas mais um ou dois minutos para considerar algumas questões hipotéticas ou incertas adicionais que ainda tenho.

Depois de uma ou duas experiências como esta, eles tendem a pensar um pouco mais cuidadosamente sobre quanto detalhe querem realmente dar-me em primeiro lugar.

Em resumo: tenho sido conhecido por pedir às pessoas que não expliquem em demasia as coisas, pedindo-lhes que expliquem em demasia as coisas. Tenho estado satisfeito com os resultados.

1

Questões relacionadas