Relações interpessoais
2018-09-21 06:17:08 +0000
77

Ofereci-me para partilhar o meu guarda-chuva sem soar assustador

Ontem à tarde fui (homem, 30 anos) ao supermercado do meu bairro para comprar alguma coisa. Como o céu estava a chover ameaçador, levei um guarda-chuva. Sorte a minha, quando saí do supermercado estava chovendo, então abri o guarda-chuva e fui para casa.

Poucos metros adiante vi uma mulher (olhando mais ou menos para a minha idade) caminhando na minha mesma direção sem guarda-chuva. Ao chegar perto dela, cobri-a com o meu guarda-chuva e ofereci-lhe para caminharem juntas. Ela agradeceu-me e ficou debaixo do guarda-chuva, enquanto fazia uma pequena conversa (quanto tempo está a viver aqui, a estrada funciona, a chuva, etc.).

Durante toda a caminhada tentei manter alguma distância dela (pelo menos uma palma entre os cotovelos), apesar do guarda-chuva não ser tão grande, só para evitar qualquer factor de arrepiar.

Quando chegámos ao segundo quarteirão (eu vivo no terceiro) ela disse-me que tinha de atravessar a estrada, porque vivia no lado oeste da estrada, enquanto nós andávamos no lado este, e não me queria incomodar com a travessia duas vezes. Então ela agradeceu-me novamente e teve uma pequena corrida sob a chuva para chegar ao lado oposto da estrada.

Tomei-a como uma forma educada de me insinuar a não a seguir até à sua porta, por isso não insisti em oferecer-lhe mais algum abrigo, e continuei a caminhar do meu lado da estrada. No entanto, mais tarde reconsiderei como sendo apenas educado da parte dela e não querendo incomodar-me e que poderia ter saído como rude por me ter afastado.

Como poderia tê-la oferecido se a pudesse abrigar mais da chuva sem parecer assustador ou insistente?

Respostas [5]

104
2018-09-21 06:37:02 +0000

Geralmente não deve oferecer mais ajuda. Assim que ela quiser seguir o seu caminho, você deixa-a fazê-lo. És um estranho ao acaso para ela, há todas as hipóteses de ela não te querer levar para casa dela porque podes ser apenas um tipo simpático, mas podes ser um perseguidor psicopata. Qualquer insistência em acompanhá-la a casa pode ser vista como assustadora.

Dizendo tudo isto, a única resposta possível à sua pergunta na minha opinião é - dê-lhe o guarda-chuva e siga o seu próprio caminho. Talvez vá com um cartão para que ela o possa devolver um dia. Esta é a única forma de não a fazer questionar as suas intenções. Vai acabar encharcada, mas com a sensação calorosa e confusa de que fez algo de bom por outra pessoa.

104
50
2018-09-21 06:47:22 +0000

Não creio que pudesse ter.

Pessoas diferentes têm uma sensibilidade diferente para o que as torna desconfortáveis. Eu sei que, para mim (uma mulher), o simples facto de ter proposto o seu guarda-chuva ter-me-ia deixado desconfortável.

O facto de ela ter aceite a sua proposta não significa necessariamente que esteja confortável. Eu sei que seria capaz de aceitar esta proposta por medo, mesmo que não queira aceitar.

O facto de ela ter feito uma pequena conversa tende a indicar que estava confortável com esta situação. Mas não é uma prova e não se pode ter a certeza disso. Mesmo que ela se ria, não se pode ter a certeza de que ela se sentia à vontade. Tenho tendência para rir a lot quando estou desconfortável.

Tudo isto para dizer que você não poderia oferecer mais abrigo e ser certain* que ela não acha que você é assustador e insistente.

  • *

No entanto, se ainda quiser perguntar, pode minimizar o risco de parecer assustador/pushy.

Primeiro, verifique se você sente que ela está confortável. Não lhe pergunte, mas veja se ela está a fazer a sua parte na conversa (e não apenas a responder à sua pergunta, então talvez pergunte "e você?").

Depois, quando ela lhe disser que tem de atravessar a estrada. Talvez possas dizer algo do género: "Eu não me teria importado mas, de qualquer forma, tem um bom dia". Com isto, mostra-lhe que a travessia não foi um problema para ti, mas que respeitas a decisão dela (e que não esperas que ela mude de ideias). Se ela quer mesmo usar o guarda-chuva e estava apenas a ser educada, vai pedir-lhe que a acompanhe mais.

Finalmente, não insista! As pessoas que insistem são assustadoras. Não querem ser assustadoras.

50
22
2018-09-21 14:25:07 +0000

Ainda bem que usou uma etiqueta "NL", porque eu vivo em França e isso soaria definitivamente como se estivesse a atirar-se a ela.

Dito isto, quando ofereço a minha ajuda a alguém e eles dizem algo como :

Está tudo bem, pode deixar a minha encomenda aqui! Eu vivo mesmo do lado oposto da estrada!

Eu apenas perguntaria :

Tem a certeza? Isso não me incomoda nada para vos ajudar um pouco mais!

Se eles estão de facto seguros, vou apenas deixar passar, mas É importante que as pessoas saibam que não estão a pedir muito* , e que eu quero verdadeiramente ajudar. Elas podem apenas dizer que está tudo bem porque sentem que me estão a incomodar, por isso estão apenas a tentar ser educadas. Só quero que eles saibam que reparei que estavam a tentar ser educados, mas a minha oferta mantém-se. Depois disso, considero o meu trabalho feito, se me permitem dizer.

Além disso, o contexto é realmente importante. Se é uma rapariga da minha idade, nunca vou insistir, mas se estamos a falar de uma velhota, eu definitivamente (razoavelmente, claro).

Parabéns à tua mãe, que te criou tão bem que estás bem educado para oferecer o teu guarda-chuva, enquanto te sentes (ligeiramente?) embaraçado com isso.

22
10
2018-09-22 18:42:45 +0000

Sugiro que mudar a forma como se oferece o guarda-chuva, em primeiro lugar, ajudaria a tranquilizar as pessoas.

Embora não se molhar seja apreciado, ter alguém simplesmente a caminhar e a segurar um guarda-chuva sobre a cabeça - e necessariamente a invadir o espaço pessoal - pode ser uma coisa muito constrangedora. Coloca a pessoa na posição de ter de o recusar se for indesejado, e as pessoas que mais provavelmente vão querer recusar são também as mais susceptíveis de ter dificuldade em fazê-lo.

Portanto, considere no futuro, caminhar para estar perto da pessoa onde pode ser visto, mas não demasiado perto, e simplesmente oferecer os seus serviços de uma forma não ameaçadora. Como é que o faz? Comece com "parece que está a ficar bastante molhado, lá" ou talvez "a desfrutar do tempo". (fazendo uma pergunta que a pessoa vai dizer "não" para ajudar a gerar uma sensação de poder que será favorável para si). Mantenha a voz baixa, sem entusiasmo, caindo no final ou mal subindo, se for uma pergunta. Qualquer que seja a resposta, você pode obter dela uma idéia de como proceder. Se tiver uma resposta positiva, basta estender o guarda-chuva para o seu lado (não para a pessoa) como se fosse para fazer espaço, e gesticular com a mão que a pessoa é bem-vinda para entrar nesse espaço, talvez com "Estou a ir nessa direcção_, mas não me importo de fazer um desvio se não se opuser". A parte não-verbal é importante, porém, e pode vir primeiro. Os sinais não-verbais são muito mais fáceis de passar pelo ego.

Pela pessoa que pisar debaixo do guarda-chuva em vez de o colocar por cima, ele ou ela terá um sentido mais profundo de controlo sobre a situação. Combinado com fazer perguntas em que "não" é a resposta que indica cooperação consigo, é muito mais provável que a pessoa se sinta confortável em aceitar mais assistência. Não forçou uma situação indesejada a alguém. Em vez disso, ofereceu uma fuga livre da chuva, que se fosse tomada, era expressa corpóreamente como desejado (tendo um efeito psicológico significativo na pessoa, uma vez que as acções físicas escolhidas por si têm grande poder para mudar os quadros cognitivos).

Acrescente algum humor. Se a pessoa sorriu ou riu, mesmo "você parece um rato afogado". Aja como se não se importasse de ser um pouco desagradável - isto pode neutralizar qualquer vibração de "arrepio" de se deparar como demasiado desesperadamente agradável. Aja como se não se importasse de uma forma ou de outra se a oferta for aceite, mas também sugira que não se importa de se desviar um pouco do seu caminho. Faça esta oferta para ajudar a manter a pessoa seca até a pessoa tem de indicar que a sua presença contínua é indesejada. Deixe claro o seu próprio caminho para que a pessoa só tem de nada separar. Faça de cada passo algo que a pessoa possa escolher voluntariamente sem ter de dizer algo embaraçoso ou enérgico.

10
7
2018-09-23 09:47:48 +0000

Costumo dizer a localização exacta para onde vou, neste preciso momento ofereço-me para partilhar o meu guarda-chuva com uma mulher.

Assim, ela decide quanto tempo partilhamos o guarda-chuva. Se ela quiser, pode fingir que tem de ir a outro lado e não precisa de ter medo que eu a siga até à sua porta.

7