Relações interpessoais
2018-09-11 15:29:37 +0000
107

Como interromper alguém enquanto está a dizer a um grupo informação errada/embaraçante?

Li recentemente uma grande pergunta no Workplace.se e lembrei-me de uma situação semelhante que encontrei algumas vezes, em que não sabia como interromper o orador sem o embaraçar ainda mais. Acontece frequentemente com colegas de trabalho não-técnicos que entendem mal algo técnico, mas também pode acontecer numa situação entre amigos.

Penso que seria mais fácil pegar no exemplo da pergunta Workplace.se:

John começa a sua discussão com a forma como descobriu o 'quarto da nova mãe' que foi recentemente criado. Ele está desapontado por não haver um novo quarto para o pai, pois a vida de recém-nascido é tão difícil para os pais como é para as mães. Ele continua a dizer que é injusto que as mães recém-nascidas "façam a sesta" e que essa mudança tem de ser feita. A empresa precisa de estar mais atenta à igualdade, por isso também é preciso fazer um novo quarto para o pai, para que os pais também possam descontrair ou fazer uma sesta de poder.

Agora aqui o John tinha percebido mal o significado deste "novo quarto da mãe". O quarto foi concebido para que as mulheres que amamentam pudessem ter privacidade enquanto bombeiam. Eu entendi isto muito cedo na sua história e poderia tê-lo impedido de se envergonhar ainda mais. Com este tópico ele poderia ter ofendido as pessoas também.

Como se pára alguém numa situação pública ou de grupo como esta, sem colocar ainda mais o seu erro na ribalta?

Ou será que colocar o erro na ribalta lhe daria uma oportunidade de esclarecer o seu argumento?

Respostas [5]

141
2018-09-11 16:06:37 +0000

Neste caso específico, John está a falar em público. Como vêem, ele vai envergonhar-se tremendamente. Quer reduzir ao mínimo o constrangimento. E não se pode dar ao luxo de pensar.

Começa por dizer calmamente "John, posso parar-te aí mesmo". Se ele parar, você diz "Podemos ter um minuto lá fora". E se ele concordar, você leva-o lá para fora e explica-lhe as coisas. Isso é a forma menos perturbadora e menos chamativa de chamar a atenção. Afinal de contas, é preciso ter atenção suficiente para o fazer parar.

Se me disseres "Gnasher, posso parar-te aí mesmo". Eu pensaria "é bom que ele tenha uma razão muito boa para fazer isto". Eu também pensaria "talvez ele _ tenha uma razão muito boa para fazer isto". Portanto, a reacção razoável para mim seria manter a calma e segui-lo. Se o John se comporta de forma pouco razoável, como gritar consigo por ousar interrompê-lo no seu importantíssimo discurso, então o resultado é para ele. A maioria das pessoas são razoáveis e deixam a sala consigo com o mínimo de alarido.

PS. Ao Jerome: Não há absolutamente nenhuma "demonstração de poder". Não há poder para o levar lá para fora. Eu próprio expliquei como reagiria a um tal pedido, o que é de esperar que eu assumisse que um pedido tão extraordinário não seria feito sem uma razão muito, muito boa. A pessoa é absolutamente livre de não seguir esse pedido - e, como resultado, envergonhar-se-ia. E a situação descrita não se tratava de cometer um erro. Tratava-se de uma situação colocada no local de trabalho em que alguém procurava desesperadamente ajuda para recuperar de algum constrangimento escandaloso. A pessoa que pediu teria ficado contente (em retrospectiva) se alguém a tivesse levado para fora.

141
97
2018-09-12 18:20:59 +0000

Se fosse eu, poderia dizer algo como,

John, você fala de um excellent point. Chamá-lo de 'Quarto da Mãe' é um pouco confuso. Mas chamar-lhe 'Breast Pumping Room' soa um pouco estranho. Quais são alguns outros nomes que poderíamos chamar de sala onde as mães podem bombear o leite materno para os seus bebés?

Então, ao ser deliberadamente mal interpretado e redireccionado, o John é elogiado, corrigido e o constrangimento é mitigado. John também é dado espaço para processar a interacção: ele pode deixar de se concentrar no grupo enquanto lida internamente com a sua gafe ou pode continuar a fazer parte da conversa no seu curso gentilmente corrigido.

Generalizando esta abordagem:

  • Error: John diz algo completamente errado à frente de um certo número de pessoas. Tão errado que o resto do grupo sabe que o João está errado.
  • Aafirmação:"João, você traz um excellent point"
  • Misinterpet para corrigir:Reintegra a afirmação do João para que agora esteja correcta. Finja que foi isto que ouviu o John dizer. Se você puder, desenvolva a sua interpretação errada para distrair João de tentar "corrigir" você e para sinalizar ao grupo que o tópico mudou.
  • Redirecionar: Fazendo contato visual com João e os outros membros do grupo, faça uma pergunta sobre a sua interpretação errada deliberada, tão aberta quanto possível.
97
59
2018-09-11 18:38:33 +0000

Honestamente, quando alguém é burro o suficiente para saltar para se queixar de algo de que nada sabe, não se pode evitar o embaraço.

Neste caso específico, o erro do John poderia ter sido contornado assim que ficou claro o que ele estava a fazer, usando-o como ponto de partida para começar a discutir um ponto que tem um pouco mais de mérito, como "Deveríamos chamar-lhe um 'novo quarto da mãe' quando é apenas para as mães que amamentam? Neste caso específico, uma vez que John estava a falar do ponto de vista de alguém que tentava salvaguardar a igualdade de tratamento, este seria um ponto válido a fazer, e empurrar a conversa nesse sentido teria dado a John algo de relevante para falar, em vez de ele ter de dobrar a sua apresentação e sentar-se repreendido.

59
10
2018-09-12 19:16:28 +0000

Para o seu exemplo de "alguém que está com algum problema técnico": Na maioria das vezes os erros técnicos são irrelevantes para a conversa, e ninguém mais percebe que há um erro. Uma vez que pretende evitar causar embaraço, ** a melhor opção IPS é não fazer absolutamente nada***. De qualquer forma, o que quer que tenham dito será rapidamente esquecido.

Se isso realmente o irrita, poderá dizer-lhes em privado mais tarde. Se eles são do tipo que se ofende ao ser corrigido, você poderia enquadrá-lo como um TIL:

Oh, ei, vejam só isto. De acordo com este site, o snargles realmente do flurbula. Neat!


No entanto, no exemplo original em que a pessoa está a dizer algo de errado que ela realmente precisa de saber para o resto da conversa, e/ou todos os outros já sabem que está errado, se eles não são propensos ao confronto você pode deixá-los salvar a cara dizendo algo como

Isso é um equívoco comum. A maior parte das pessoas pensa que os rosnados se prendem, mas na verdade flamejam.

Isto transfere o erro deles para "a maior parte das pessoas". Eles provavelmente ainda ficarão embaraçados, mas significativamente menos do que se você não tivesse falado.

Se eles _ são propensos ao confronto (ex. o tipo que se recusa a admitir quando estão errados), não há basicamente nada que você possa fazer por eles sem prejudicar a sua relação. Infelizmente nesse caso, eu recomendaria não fazer nada e deixá-los aprender com os seus erros.

10
4
2018-09-12 17:00:41 +0000

Para tais situações, gosto de embrulhar o pouco de conhecimento que falta numa pergunta, por exemplo: "Isto é muito interessante, John. Será que tudo isto continuaria a ser verdade se as mães usassem o Quarto da Nova Mãe principalmente para bombear os seios?"

Esperemos que a luz acenda para o John. Ou seja, a questão faz com que ele perceba que ele interpretou mal o propósito do Quarto da Nova Mãe. Ao transmitir-lhe o propósito correcto como um hipotético, envolto numa pergunta, ele pode libertar-se da sua situação difícil com um mínimo de embaraço. (Embora não zero!)

Se a luz não se acende para ele, então ele tem problemas maiores do que apenas interpretar mal o propósito do quarto. Nessa altura, ele parece ser incapaz de compreender o verdadeiro propósito - e quem sabe o que mais - e por isso eu diria que ele está por sua conta nessa altura.

4