Relações interpessoais
2017-08-09 16:22:37 +0000
81

É rude perguntar aos turistas de onde são?

"Então... de onde são?"

É conversa fiada normal para nós, a maioria dos indianos; e só se espera um paradeiro geral.

Nas minhas viagens pela Índia, conheci alguns estrangeiros pelo caminho, normalmente ocidentais. Dou-lhes as boas-vindas, ofereço assistência e muitas vezes tenho pequenas conversas, porque são nossos convidados, e os convidados são equivalentes a deus .

Mas reparei que alguns, se não todos, fazem uma pausa por um segundo quando estou na parte "so... de onde és?" da nossa pequena conversa.

Um ou dois até se sentiram adiados, e responderam com "porque queres saber?", ou "sou da Terra" disse um tipo que dizia ser rastafariano (mas mais tarde mencionou as origens belgas de qualquer maneira).

Senti-me aborrecido por a minha pergunta os ter aborrecido. Fui indelicado? Eu não tinha a certeza. Perguntar sobre o paradeiro é bastante normal em chats indianos, e eu estava definitivamente no meu melhor humor, tom e palavras, assim como eles até lhes perguntar o paradeiro.

Perguntas:

É em geral uma má pergunta a fazer aos ocidentais? E é especialmente mau quando eles estão em digressão, digamos, pela Índia? Além disso, qual é a melhor abordagem para saber de onde são?

Westerner: um nativo ou habitante do Ocidente, especialmente da Europa Ocidental ou da América do Norte. - (https://en.oxforddictionaries.com/definition/westerner)

Não sou um guia turístico btw, sou um companheiro de turismo no meu próprio país. Eu normalmente vivo e trabalho no Médio Oriente.

Respostas [21]

86
2017-08-09 17:10:20 +0000

É em geral uma má pergunta para os ocidentais?

Alguns ocidentais (e pessoas de qualquer lugar) estão inclinados a ser muito privados, mas eu já fiquei em muitos albergues e hotéis e não consigo imaginar alguém não a perguntar-me de onde sou (ou a ficar surpreendido quando lhes pergunto).

É uma conversa normal para turistas (e viajantes de negócios).

E é especialmente mau quando estão em digressão, digamos, pela Índia?

Um ou dois já se sentiram sequer adiados, e responderam com "porque querem saber?", ou "sou da Terra" disse um tipo que dizia ser rastafariano (mas mais tarde mencionou as origens belgas de qualquer forma).

Mas todos são diferentes, e se alguém reagir deste tipo de forma, basta sorrir e dizer "Desculpem, só estou a fazer conversa. Se preferir privacidade, tudo bem" e fique por aqui. As pessoas têm dias maus, as pessoas reagem mal às viagens ou à comida diferente - viajar às vezes pode ser difícil.

Mas eu faço essa pergunta muito e isso tem levado a muitas conversas agradáveis. Nem me consigo imaginar a viajar e a não o ouvir dizer-me e a perguntar-me.

86
29
2017-08-09 21:06:55 +0000

Penso que a questão que eu (e provavelmente outros) teria com a pergunta "de onde és?" é que ela implica que a resposta é importante e irá mudar o julgamento que essa pessoa tem de mim. É como perguntar à idade, raça ou equipa desportiva favorita de alguém, pode ser apenas pedir para fazer conversa, mas há pessoas que vão perguntar estas coisas para que possam ajustar o seu comportamento em conformidade.

Por exemplo, uma vez tive um amigo que viajou. Ele disse-me que se alguém alguma vez perguntasse de onde era, diria que era canadiano, apesar de ser americano. O seu raciocínio para isto era que se alguém descobrisse que ele era americano, tratá-lo-ia mal, enquanto que como canadiano o tratavam normalmente.

Muitas pessoas têm muitos estereótipos e muitos estereótipos são negativos. Se não se sabe de onde vem alguém, não se pode reduzi-lo a um estereótipo, é preciso tratá-lo como um ser humano normal, e é isso que a maioria das pessoas quer.

Então eu diria que sim, pedir demasiada informação a um estranho pode ser rude. É lamentável, mas há demasiadas pessoas no mundo que usariam essa informação de forma negativa. Penso que é muito mais seguro perguntar às pessoas sobre decisões que tomaram, e sobre os seus interesses, coisas como essa. Coisas que fizeram conscientemente para se tornarem únicas, em vez de coisas que lhes permitem apegá-las a uma categoria.

29
18
2017-08-10 06:22:41 +0000

Vou falar por mim e pelas minhas observações.

"De onde és" é a pergunta mais difícil para mim e que detesto responder, independentemente de ser feita num país onde vivo ou num país para onde viajo. Posso responder a qualquer pergunta, menos a esta. Se uma pergunta está para além do meu domínio, posso simplesmente responder "não sei" e é só isso. Mas não posso responder "não sei" ou dar qualquer outra resposta neutra à pergunta "de onde és?" porque parece ser uma verdade conhecida e uma resposta simples para a maioria das pessoas. E há muitas situações em que não se pode evitar responder ** como uma pessoa espera**.

  1. Curiosidade*. Penso que as pessoas se interessaram por outras pessoas e pela sua cultura há muito tempo. E desde que os livros e a leitura apareceram, tornou-se mais acessível. Já para não falar da Internet, onde agora se pode aprender quase tudo. Para não falar dos voos baratos e da explosão das viagens.

  2. Contra-cultura, subcultura*. Em cada nação, há grupos de pessoas ou indivíduos que não seguem a cultura, costumes, tradições, etc. Alguns deles fazem-no porque encontraram outra cultura mais atractiva para eles, outros porque se opõem a uma cultura, outros porque conseguiram desenvolver-se individualmente, etc.

  3. Mistura*. As pessoas misturaram-se entre diferentes culturas, nações, "raças", religiões por diferentes razões, seja amor, poder, guerra, escravatura, sexo, imigração, relação entre reinos, etc.

  4. Refugiados, guerra, escravatura. Algumas pessoas eram trazidas para um país ou forçadas a deixar um país a que chamavam de lar e podiam não se ver como representantes do seu novo país. Ou podem não estar dispostas a falar do país que deixaram porque é doloroso.

  5. ** Viagens, imigração, expatriados.** Algumas pessoas optam por migrar para outro(s) país(es), por viajar ou por trabalhar num(s) país(es). Não é surpresa que possam ter mais do que uma casa. Podem ter mais do que uma cultura, falar várias línguas. Podem descobrir que já não têm uma ligação com o seu "país de origem".

  6. Individualismo, estereótipos, generalização. Há pessoas que se consideram a si próprias como indivíduos. Há pessoas que não gostam de estereótipos.

Então, devido aos pontos acima mencionados, acredito que algumas pessoas não têm uma resposta simples para a pergunta "de onde você é", ou estão a sentir-se incomodadas, se é do país onde estão a viver, então podem sentir que não pertencem aqui ou você está a insinuar que não pertencem aqui.

Também é irritante responder a esta pergunta diariamente e tentar recusar todas as conversas "interessantes" sobre o próprio país "de" origem. Como se não houvesse mais nada para falar? Podemos falar dos nossos hobbies, interesses, fins-de-semana, trabalho.

E, sejamos realistas, a maioria das vezes as pessoas pedem para classificar, estereotipar, generalizar os outros. O que pode funcionar na maioria das vezes. Mas espero que esteja a mudar. E espero que as pessoas que fazem estas perguntas se tornem mais abertas e sensíveis aos outros.

  • De onde és?

  • Itália. Porquê?

  • Eu amo a Itália! Eu adoro pizza. Eu como massa uma vez por semana. Eu vejo filmes italianos. O meu bisavô e avô é um quarto de italiano. Estive em Roma há dez anos. As mulheres italianas são as melhores! Há um bom restaurante italiano aqui perto que posso mostrar... (percebe-se)

  • Mate, a minha mãe é uma judia ortodoxa meio chinesa e o meu pai é meio espanhol meio filipino cristão, também temos herança japonesa e iraniana. Não gosto muito de Roma e não gosto assim tanto da comida italiana. Eu próprio sou um pensador livre, adoro anime japonês, filmes franceses, música escandinava, comida indiana/chinesa/japonesa, vivi na Coreia do Sul, em Taiwan, em Berlim. Actualmente estou a trabalhar em Amesterdão. A minha mulher é metade paquistanesa, metade britânica. O inglês é a minha língua materna, apesar de eu ter crescido a falar italiano e espanhol. Também conheço o coreano e o alemão.

18
15
2017-08-10 11:20:09 +0000

Isto é cópia/colagem dos meus comentários a pedido do PO. Se pensa que isto necessita de mais detalhes para ser uma resposta exaustiva e completamente correcta, concordo consigo ;).

Muitos europeus que visitam a Índia como turistas (nem todos eles, claro) são muito "especiais". Alguns podem chamá-los de "hippies". Se dizem ser "Da Terra" ou "Rastafarian", isso não significa que se sintam ofendidos. Talvez queiram apenas mostrar que são "cidadãos da Terra" e por vezes não acreditam, ou não querem fugir, às nacionalidades. Podem ser adiados porque eles próprios pensam que dão a impressão de não serem "belgas" mas sim "um com o universo". Posso estar completamente errado nesses casos, mas conheço pessoas que amam a Índia.

Há outra coisa que não é específica da Índia:

Este não deveria ser o caso dos belgas, mas, por exemplo, os alemães não gostam de andar por aí a dizer a toda a gente que são do país que a maioria das pessoas só conhece por causa da "coisa mais má da história". Eles não querem tirar férias para falar de Hitler. Especialmente se pertencerem àquele grupo "hippie" da minha primeira parte, podem mesmo odiar a pergunta. Isso não significa que fiquem ofendidos com isso, apenas que preferem esquecer o seu país de nascimento enquanto procuram a alma na Índia. Mas nem todos são iguais, é claro.

O mesmo aconteceu, por exemplo, com os americanos pouco depois de terem invadido o Iraque, mas sinto-me como se tivessem recuperado desde então. Dependendo do que se tem noticiado ultimamente, é claro que isto pode mudar. Se são da Noruega e a Noruega acabou de invadir a Inglaterra, as pessoas da Noruega talvez queiram ficar caladas.

15
11
2017-08-10 05:37:56 +0000

Se se souber que o turista é de um país que tem um líder particularmente agressivo, conflito com outro país, políticas que destroem vidas noutras partes do mundo e/ou riqueza percebida, alguns indivíduos podem optar por atacar o turista mesmo que este não concorde pessoalmente com o que o seu país está a fazer e/ou não é assim tão rico. Eu já vi isto. Por vezes pode ser mais seguro não identificar de onde se é.

Mesmo que o turista não pense que você vai atacar, outra pessoa pode aprender ouvindo.

Responder significa auto-identificação com todo um vasto conjunto de símbolos e ideias (estereótipos na mente da audiência) com os quais o viajante pode não se querer auto-identificar. Podem preferir que a audiência os conheça como um indivíduo, em vez de como representante de algum corpo maior.

Fazer a pergunta significa que tem quase a certeza que a resposta é "não daqui". A sua situação única pode significar que esta elevada confiança é justificada, mas nem sempre é esse o caso (e os locais por vezes também se fazem de turistas). Estar errado neste pressuposto pode ser ofensivo porque envia uma mensagem forte de que a pessoa que está a ser perguntada é não parte da sua comunidade.

Finalmente, muitas pessoas pensam que é mais fácil desviar a pergunta do que tentar explicar, por exemplo, Trump ou Brexit.

11
10
2017-08-10 11:51:13 +0000

Depende de onde você estiver, um pouco.

Em Delhi, como ocidental você é conversado a cada poucos metros, geralmente começando com "quando você chegou?" e "de onde você é?" seguido de uma observação genérica sobre uma equipe de futebol daquele país e uma má sequência para que você deve visitar um determinado lugar e/ou ignorar a enorme seta "informações turísticas" porque o escritório acabou de se mudar e eles não tiveram tempo de pendurar o novo letreiro ainda. A situação envelhece muito rapidamente.

Existe apenas um número limitado de portos de entrada, todos em grandes cidades, pelo que a maioria dos turistas que vê terá feito essa experiência muito recentemente. Nem sequer pára quando está no hotel, pode ter a certeza que alguém lhe vai bater à porta na primeira meia hora.

Por isso não há muito que possa fazer acerca disto - iniciar uma conversa com esta questão vai sempre colocar os turistas no limite.

10
7
2017-08-10 17:24:18 +0000

Poucas destas excelentes respostas abordaram directa e categoricamente as questões específicas levantadas pelo PO:

Será em geral uma má pergunta a fazer aos ocidentais? E é especialmente mau quando estão em digressão, digamos, pela Índia? Além disso, qual é a melhor abordagem para saber de onde são?

Eu próprio tenho uma intensa aversão a viajar e nunca estive fora do Sul da Índia, mas quando uma equipa de peritos de aspecto europeu visitou a minha cidade natal para nos ensinar técnicas avançadas de Gestão de Resíduos Sólidos, interagi um pouco com eles, sem nunca me sentir tentado a perguntar "de onde são" - porquê?

Porque eu não preciso de saber!

Nós índios sendo naturalmente amigáveis e também geralmente auto-confiantes na nossa identidade nacional, faríamos tal pergunta simplesmente por curiosidade e/ou como um iniciador de conversas, mas é uma regra básica da educação que não se pergunta a um estranho demasiadas coisas que eles próprios não se oferecem para te dizer. Como alguém já observou numa resposta aqui, alguns ocidentais são intensamente privados e não gostam dessas perguntas, mas creio que é uma pergunta especialmente pertinente a ser feita quando se está de visita a um país estrangeiro.

Por isso não é realmente uma má pergunta a fazer a um ocidental que visita um país como a Índia, mas é assim que devo 'educadamente' abordar o tema com um visitante estrangeiro de aspecto ocidental:

Eu: Bem-vindo à Índia e espero que goste da sua visita.

Visitante estrangeiro: A Índia é um país tão agradável!

Eu: Obrigado. Tenho a certeza que o seu país também é tão agradável... (nota: este é um convite óbvio para falar sobre a sua origem.)

Situação 1: Visitante "morde o isco" o que significa que não se importa de falar sobre o seu país --

Visitante: Oh sim, é! Eu sou do Canadá.

Eu: Eu tenho familiares a viver em Vancouver, BC. Muitos índios emigraram para o Canadá, especialmente de Punjab. Então o Canadá é muito amado na Índia!

Visitante: Eu próprio sou de Toronto, mas BC é um lugar maravilhoso...(etc, etc)

Situação 2: O visitante não morde a isca e foge ou muda de assunto. Nesse caso, seria educado da minha parte não insistir na questão.

7
7
2017-08-11 03:07:08 +0000

Em primeiro lugar, vou avisar-vos: Não sou ocidental, mas de qualquer forma gostaria de responder a esta pergunta em termos mais amplos. Sinto que esta pergunta não se limita aos ocidentais, mesmo que tenha uma hipótese de, colectivamente, os ocidentais serem mais propensos a não gostar dela. Na verdade, sou um viajante perpétuo de um dos países asiáticos que viaja agora pela Europa, mas às vezes as pessoas fazem-me esta pergunta!

Para responder à sua pergunta, desculpe, algumas pessoas não gostam desta pergunta.

Também não gosto e fico chateado se um estranho me faz esta pergunta. A maior razão é que é uma pergunta demasiado aborrecida.

Embora esta pergunta lhe pareça uma pergunta única, o viajante seria interrogado, tantas vezes por outros, tanto locais como companheiros de viagem. Por isso, alguns deles aborrecem-se facilmente.

Normalmente, a pergunta é seguida por outro conjunto de perguntas aborrecidas, como

  • Quantos dias/de quando vive/de quando viaja aqui?
  • Gosta de comida neste país?
  • Como pensa este país?
  • Porque gosta deste país?

etc, etc...; Depois, dependendo da resposta, seria seguido por:

  • Mas no seu país é ~~~.

Isto é bastante aborrecido para mim, e fico chateado por responder à mesma pergunta exactamente da mesma forma.

Outra razão pela qual algumas pessoas não gostam é a seguinte:

  • Não gostam de ser categorizados/estereotipados
  • Não gostam do seu próprio país, por isso não gostam que se siga o quão bom pensa que o seu país é.
  • Não só "de onde você é", mas geralmente é rude fazer perguntas privadas na sua cultura ou nas suas opiniões
  • Eles não gostam que você mude o seu comportamento quando você sabe de onde eles são (para sua informação eu sinto-me muito nervoso para responder num país onde alegadamente muitas pessoas odeiam o meu país)

Finalmente, para responder a esta pergunta:

Também, qual é a melhor abordagem para saber de onde eles são?

Se não gostam da pergunta por ser demasiado aborrecida (como eu), tente usar uma pergunta diferente e mais informativa, como:

** Em que aspectos acha que a Índia é semelhante ao seu país?**

Algumas pessoas começam a dizer-lhe de onde são; mesmo que não, pode adivinhar a partir das suas respostas. Eu prefiro este tipo de perguntas ao aborrecido "de onde você é".

7
5
2017-08-10 10:15:16 +0000

Concordo com outros, não faria esta pergunta se as pessoas não a oferecessem ou não a levantassem elas próprias. Embora após longas conversas entre viajantes, guias turísticos ou anfitriões de restaurantes, ou mesmo lojistas tendam a abraçar a fronteira de onde "de onde você é" eventualmente emerge.

Como um indiano que viaja muito, esta pergunta é-me feita muitas vezes, e na minha experiência é uma pergunta que quase qualquer um faria depois de termos tido uma breve conversa / pequena conversa aleatória.

E SEMPRE, felizmente, só tem levado a interacções mais profundas e divertidas. Nunca me ofendi com isso. Há sempre momentos, em que quero ficar sozinho, nesse caso a minha linguagem corporal e expressão facial, penso eu, desencorajam as pessoas de se aproximarem de mim por completo. Por isso o "onde estás" não tem espaço para estourar.

Agora, como viajante solitária, "estás a viajar sozinha", é uma pergunta, nem sempre gosto, e por isso, se me perguntarem, nem sempre respondo com verdade.

Interacções felizes.

5
4
2017-08-10 14:20:14 +0000

Sou dos Países Baixos, a cerca de 60KM da fronteira belga, e não sei se seria indelicado fazer tais perguntas aqui ou em qualquer um dos países à minha volta.

Então o que poderá causar isto? Conheço bastantes pessoas que dizem que "precisam" de ir de férias e viagens longas para se afastarem de casa, do stress da vida quotidiana. Quando têm uma semana livre do trabalho, nem sequer suportam ficar em casa, precisam de estar "fora" numa viagem.

Posso imaginar que essas pessoas não queiram ser lembradas de casa, e que apenas queiram submergir na viagem tanto quanto possível.

Mas, claro, isto é completamente diferente por pessoa. Pessoalmente adoro estar em casa, na minha própria casa, e embora goste de descobrir outros países e culturas pouco a pouco, não me importo nada de pensar ou falar de casa, e não me importo se alguém apenas tenta fazer conversa ou se está realmente interessado no meu país. Fico feliz em responder a qualquer pergunta sobre isso.

Acabei de voltar de férias para outros países próximos (Alemanha e Dinamarca), e recebi esta pergunta o tempo todo, normalmente seguida de algumas tentativas de dizer uma ou duas palavras em holandês, por isso não tenho conhecimento de nenhum tabu na nossa área sobre fazer tais perguntas, e aparentemente os vários anfitriões nas minhas férias também não. Eu diria que é até considerado educado mostrar interesse pelas pessoas, de uma forma ou de outra.

4
3
2017-08-15 16:36:10 +0000

Estou atrasado para este programa, mas estou surpreendido com as respostas (embora compreenda as razões subjacentes)

Será em geral uma má pergunta a fazer aos ocidentais? E é especialmente mau quando eles estão em digressão, digamos, pela Índia?

Como ocidental que viajou pela Europa, não me ofendo mais com esta pergunta do que "Como estás a gostar da tua estadia até agora? Portanto, não, eu não faria uma afirmação geral de que é uma má pergunta.

Eu tomo isso como uma cortesia, conversa fiada, o que quer que seja. Sou um convidado num país estrangeiro; não me cabe a mim ficar ofendido com os costumes do país que estou a visitar. Na verdade, estou um pouco contente por estar a falar com um nativo. De qualquer forma, normalmente quero praticar a língua :)

Algumas pessoas fazem perguntas rudes ("És rico?" Talvez pensem que todos os americanos são ricos.) Eu também respondo a essas perguntas. ("Não; quem me dera, mas não.") Às vezes dou a volta à pergunta ("Não.") Quando eles dizem não, eu digo que temos algo em comum!

Conheci muitas pessoas maravilhosas nas minhas viagens, estranhos que se abriram e fizeram coisas completamente inesperadas e maravilhosas por mim. Talvez seja por isso que não tenho quaisquer suspeitas quando me perguntam de onde sou.

Também, sou dos Estados Unidos. Gosto do meu país, mas não de tudo o que diz respeito a ele. Tenho curiosidade em saber o que os outros pensam do meu país. Uma vez estava a trocar pequenas conversas com um polícia (um bobby?) em Londres quando expressei admiração por Tony Blair. Isto obviamente atingiu um ponto doloroso, porque ele atirou de volta: "Bem, agora tens o teu próprio líder trabalhista para lidar com isso". (Isto foi pouco depois de Obama ter sido eleito.) Eu ri-me e disse: "Tens razão! Acho que vou ver como gosto disso". (Não viajo desde que o Trump foi eleito, mas provavelmente responderia a qualquer reclamação com: "Tens toda a razão. Posso viver contigo? Não suporto a ideia de voltar"

Além disso, qual é a melhor abordagem para saber de onde são?

Seja aberto e educado, e não ameaçador. Pergunte sobre eles. A maioria das pessoas gosta de falar sobre si próprias. Não faça desta a sua primeira pergunta.

Eu adoro conhecer visitantes! Você está aqui de férias? De onde você é?

Ou peça permissão para perguntar de onde são. A maioria das pessoas não diz: "Não, não pode".

Nunca ouvi esse sotaque; posso perguntar de onde é?

Mais uma vez, quando viajo, sou um convidado no seu país. A minha função é adaptar-me ou partir. Se é costume você perguntar, eu adapto-me.

3
3
2017-08-10 14:34:41 +0000

Há duas maneiras de perguntar isto, dependendo da informação que se quer saber e porquê. Depende também se a pergunta é feita durante uma conversa amigável ou se é feita durante um grelhador.

Está apenas curioso porque gosta de conhecer pessoas de culturas diferentes, ou está apenas a ser intrometido, ou pode denunciá-lo a alguém?

Na minha experiência no Brasil, depende da redacção da pergunta para saber como a pergunta é respondida. Se um funcionário de hotel ou um agente da alfândega perguntar a alguém de onde ele é, ele pode responder de onde chegou ao Brasil ou em que país ele está vivendo agora. Isso não significa necessariamente qual é a sua cidadania e pode não corresponder ao seu passaporte.

Mas também podem pensar que está a perguntar de que país é o seu património nacional. Em geral, algumas pessoas podem estar receosas de fornecer informações sobre a sua cidadania ou nacionalidade em ambientes políticos turbulentos ou por receio de assédio. Assim, embora a sua resposta lhe possa parecer rude, pode significar que estão apenas a ser cuidadosos.

Mas se precisarem de responder a uma questão legal por parte de um agente aduaneiro ou da polícia, isso é, evidentemente, de esperar e cumprirão essa informação sem hesitação. Nas suas conversas com turistas, seja claro sobre que informação quer saber: de onde são (cidade onde vivem, país de origem, meio cultural, onde viveram para obter esse sotaque, etc.)

3
3
2017-08-11 22:22:07 +0000

Ando de bicicleta todos os dias em frente ao castelo de Versalhes e encontrei muitos turistas perdidos ou desorientados (nas ruas que circundam o castelo). Costumo parar para os ajudar e quase sempre lhes pergunto de onde são, por pura curiosidade.

Nunca tive uma reacção má (ou mesmo surpresa), independentemente do local de onde os turistas vinham (incluindo a Europa).

Como mencionado num comentário, também me fizeram esta pergunta muitas vezes e nunca me aborreci ou fiquei surpreendido - esta é também uma das razões pelas quais as pessoas viajam, para conversar com os locais.

3
3
2017-08-11 16:55:42 +0000

Para alguns, perguntar "de onde você é" parece-me demasiado directo e pessoal. Pessoalmente, não o vejo como particularmente (ou, para todos os efeitos, como algo indelicado ou mal-educado), mas aqueles que protegem a sua vida pessoal podem. Algumas formas alternativas poderiam ser "De onde vocês estão viajando?", que tem um toque um pouco menos pessoal. ou você poderia construir isso, fazendo perguntas como "O que os traz aqui? Férias? Comida? Família, etc." e com base no quão confortáveis e abertas são as suas respostas, pode avaliar as suas respostas e ver se se sente apropriado perguntar.

3
3
2017-08-10 17:00:09 +0000

Eu sou dos Países Baixos e quando estava de férias na Turquia costumava estar sempre a fazer esta pergunta.

Reparei que os preços eram diferentes para os holandeses em comparação com os irlandeses e para os americanos os preços eram os mais elevados. Normalmente o que quer que responda dá-lhes uma boa indicação do esquema a usar ou dos preços que lhe vão perguntar.

No hotel, os não holandeses costumavam seguir-nos pela razão de que tínhamos o preço mais baixo, por exemplo, para uma chávena de chá ou uma viagem de barco. Os holandeses são vulgarmente conhecidos como "cheapskates" nestas regiões. Quando os vendedores de rua nos viam, gritavam: kijken kijken niks kopen, o que significa _ olhar e não comprar_.

Espero que isto ajude a esclarecer alguma da hesitação que se vê quando se pergunta.

3
2
2017-08-12 07:14:04 +0000

É rude.

A principal razão é a imigração e os cidadãos nacionalizados. Se alguém me pergunta de onde sou, é porque não pareço ser de onde quer que estejamos. Escondido abaixo de "De onde és?" está "O que fazes aqui?", que pode começar a ficar muito sensível.

Por vezes, espera-se que os cidadãos nascidos, cujas famílias são novas num país, respondam de onde são os seus pais. Quantas gerações são precisas até alguém poder ser "de" um lugar?

Pelo menos é assim na minha parte dos Estados, perguntar às pessoas de onde são faz com que elas se sintam como se não pertencessem. Uma pergunta melhor é "onde mora?"

Nos albergues "de onde você é" é muito comum. Nenhum de nós é do albergue, por isso a minha razão não se aplica. No entanto, se eu estou num albergue, estou a tentar aprender sobre um novo lugar. Não percebo porque queres saber de onde sou quando há todas estas coisas espantosas à nossa volta.

2
2
2017-08-13 18:33:47 +0000

Não é "rude", também não é uma questão invulgar na conversa ocidental, mas algumas pessoas são sensíveis a isso. Principalmente porque podem estar habituadas a que as pessoas usem a pergunta inocente como pretexto para julgamento/crítica, etc.

Uma forma melhor de perguntar pode ser dizer "Eu sou de [cidade natal], de onde és?"

Prefacing the question with the same info about yourself remove o possível aspecto julgador da tua pergunta, e torna mais claro o contexto de amabilidade e curiosidade genuína.

Se eles ainda não quiserem responder você pode dizer algo como "Ok, eu só estava curioso" e depois avançar com a conversa.

Se eles responderem então você pode dizer "Oh, eu nunca estive lá, como é que é na [sua cidade natal]?" isto reforça que a sua intenção é a curiosidade honesta.

2
2
2017-08-09 20:21:04 +0000

Sou alguém que reage como se diz na pergunta; com base na experiência pessoal, posso responder à pergunta da seguinte forma.

Não gosto muito que me perguntem de onde sou, porque não sei como responder, e qualquer resposta daria informações enganosas, uma vez que vivi em muitos países diferentes e sou influenciado em diferentes graus por todos eles.

Por isso penso que sim - é uma má pergunta. Talvez, em particular, quando as pessoas viajam a sério pela Índia, possam querer sentir-se parte do lugar, e a pergunta "De onde são?" afirma implicitamente que são pessoas de fora.

Em vez disso, poderia perguntar, por exemplo, em que países (plural) viveram.

2
2
2017-08-13 05:13:57 +0000

Eu sou europeu e tenho estado do outro lado desta situação. Vivi na Índia durante vários anos, e falava a língua onde vivia. Por isso não era realmente um turista, mas muitas pessoas assumiram que eu era, e assim trataram-me como tal.

É claro que todos os estrangeiros na Índia me perguntam isto a lot e muito frequentemente como a primeira pergunta quando conhecem novas pessoas.

Para mim, não é bem que seja rude, é apenas que nos cansamos de estar sempre a perguntar isso. Lembro-me de brincar com os meus amigos que devia imprimir um pequeno cartão com a minha nacionalidade, idade, estado civil, educação, etc., para dar a mão para que não tivesse de responder a todas as perguntas mais comuns vezes sem conta quando conheço pessoas. Claro que isso teria sido actualmente rude, e nunca pensei seriamente em fazê-lo.

Por vezes, porém, como piada, quando as pessoas me perguntavam de onde eu era, e eu estava cansado de responder à pergunta, costumava responder "Coimbatore" (outra cidade indiana do estado em que vivia). As pessoas normalmente achavam isso engraçado, por vezes confundia-as um pouco, e olhavam para a minha aparência. Eu dava-lhes então a verdadeira resposta.

Então não, não é realmente rude, é uma pergunta natural para fazer aos estrangeiros.

Fica apenas um pouco cansativo. Claro que o mais óbvio de um é que se é estrangeiro, e por isso é uma pergunta natural. Mas por vezes, depois de ter falado com centenas de pessoas, uma parte de alguém deseja que as conversas possam começar com outra coisa. E que a coisa mais interessante de uma não seria que se fosse um estrangeiro.

No entanto, não culpo os locais por perguntarem. Agora que estou novamente no meu próprio país natal, também me sinto tentado a perguntar à maioria dos não-locais de onde são, simplesmente por curiosidade. No entanto, tento não o perguntar inicialmente. De qualquer forma, normalmente surge naturalmente mais tarde, como parte da conversa.

Espero que esta resposta tenha explicado algo.

Recomendação para futuros encontros: É bom perguntar às pessoas de onde são, mas pense em esperar até ter falado um pouco. (Talvez já tenha esperado, mas estou apenas a mencioná-lo.) Isso pode fazer com que as pessoas se sintam mais descontraídas e se sintam mais felizes ao responder à pergunta. Além disso, pode até surgir naturalmente no decorrer da conversa.

2
1
2017-08-14 02:45:00 +0000

Se a razão para não dizer a alguém de onde você é, é porque você espera um preconceito da sua parte, então, logicamente, você merece esse preconceito, porque você está sendo hipocritamente prejudicado para com essa pessoa, assumindo que ela está pedindo uma razão negativa. Ou evitando dizer a verdade só por precaução. Claro que isto só se aplica na ausência de indícios de preconceito (como uma forte expectativa de preconceito devido a ser a cultura comum na localização física ou região geográfica em que se está quando se faz a pergunta, a linguagem corporal do questionador, o contexto, etc.)

Por outro lado, existe uma razão lógica para as pessoas procurarem distinguir entre os recém-chegados e aqueles que contribuíram (por vezes ao longo de gerações) para a cultura de uma área. Se não gosta de como isso o faz sentir-se como um recém-chegado (relativo ou literal), duro. É a natureza humana. Se as pessoas o fazem sem sentido, então isso é para ser desrespeitado. Se o fazem apenas com base na raça, mas esse elemento racial não tem muito a ver com quem historicamente criou a cultura de uma área e construiu uma área, então isso é para ser desrespeitado. No entanto, se dizemos que a maioria das pessoas que historicamente e culturalmente inventaram e criaram uma área para ser o que é hoje (bom e mau...), então quem são vocês para desafiar isso só porque não está de acordo em servir os vossos sentimentos, ou os vossos ideais de correcção política? Há normalmente uma lógica mais sólida nesse comportamento, do que muitos admitiriam. Em vez disso, mentem e agem como ideais e a realidade deveria ser a mesma coisa, sem uma base lógica sólida. Isso não acaba bem, note.

Exemplo: em Londres, Inglaterra (que não é a área nativa de ninguém, na verdade, excepto os bolsos de "nativos londrinos" que lá vivem há várias gerações, não aceitam dinheiro e espaço, mas não deixam um legado cultural como a maioria das pessoas). Não há lugar errado para se estar, é para onde se vai que isso importa... e que experiências, idiossincrasias, interesses culturais e histórias se podem trazer à mesa para partilhar.

Uma vez perguntei à nova namorada de um amigo de onde ela era (não foi a primeira vez que a conheci). Ela perguntou-me porque é que eu estava a perguntar. Pessoas que são obcecadas pelo poder, respondem sempre a uma pergunta com uma pergunta. Ela nunca respondeu, o que foi muito mais rude e deu o tom para ser desagradável. Ela é da República Checa, que é um dos poucos lugares da Europa Central onde eu estive. A razão pela qual eu estava a pedir era para colocar o sotaque, pois gosto de sotaques, e para tentar relacionar (positivo). Algumas pessoas gostam de manter uma forte integridade em torno destas questões e de não fazer discriminações positivas ou negativas nos tribunais (querem relacionar-se, se é que querem relacionar-se, com base em questões não nacionais ou culturais). No entanto, no caso desta mulher, ela estava a ser preconceituosa para comigo ao assumir que havia uma resposta errada (penso eu). Isto é numa era Brexit do Reino Unido (esqueço-me se foi antes ou depois da Brexit). Não sinto qualquer remorso ao fazer a pergunta. Quando estou na mesma posição, respondo prontamente. Devo ter vergonha de responder? As pessoas devem ter vergonha de se sentirem curiosas? Não e não! Chama-se a isso "discussão". Que as batatas fritas caiam onde podem. O "esclarecimento" anti-preconceito não é servido por se ter medo de falar. Tolerância é bom, mas tem que vir de todos os lados simultaneamente. Sentir-se assustado, paranóico e irritado é uma profecia que se cumpre a si mesmo. É também o que nenhuma nação / região / cidade / grupo de pessoas quer ter emigrado, como uma vibração. Pense sobre isso...

1
0
2017-08-10 11:19:00 +0000

Não tenho qualquer problema em que alguém me pergunte de onde sou durante as minhas férias. Se eu me registar em algum lugar e eles não tiverem perguntas, isso seria um sinal de total falta de interesse (que é o que outras pessoas chamariam de profissional, suponho).

Então suponho que difere de uma pessoa para a outra, mas em geral não é uma má pergunta.

0