Relações interpessoais
2018-04-11 14:18:44 +0000
69

Como lidar educadamente com os brancos que querem falar comigo sobre racismo/raça

Este é um tema sensível, e não quero ofender a sensibilidade de ninguém - mas, ao mesmo tempo, quero saber de uma forma eficaz de lidar com o trabalho emocional desproporcionado que me é exigido, como um homem negro que vive num país de maioria branca.

Tenho experimentado que falar sobre racismo e questões raciais com os brancos pode ser particularmente desgastante e frustrante , devido à constante defensiva, desvios, argumentos "tonais" e gaslighting .

Prefiro não discutir questões raciais com conhecidos brancos, porque em alguns aspectos vivemos vidas paralelas, e os humanos têm a tendência de não ver (ou trivializar/faltar) coisas que não os afectam directamente.

Ao longo dos anos, fiquei farto deste tipo de questões. Compreendo que alguns brancos queiram realmente compreender e fazer parte da solução. No entanto, não sinto que seja meu dever fazer o trabalho emocional de desempacotar estas questões (algumas das quais podem envolver reviver instâncias pessoais de humilhação, etc.), especialmente quando o "ouvinte" pode decidir afastar-se a qualquer momento e ignorar tudo, uma vez que pode não ter "pele no jogo".

** Gostaria de saber como POLITAMENTE, RESPEITAMENTE MAS FIRMEMENTE, lidar com quaisquer tentativas de pessoas brancas de se envolverem comigo na discussão de assuntos que envolvam raça sem assumir o fardo emocional de explicar as coisas e SEM soar amargo, ressentido ou alimentado.**

Respostas [10]

110
2018-04-11 18:42:32 +0000

Tenho sido a pessoa branca nessa situação e, provavelmente, mais enganadora do que quero admitir. Tenho amigos que são negros, homossexuais e transexuais, e todos eles tiveram de lidar com pessoas maioritariamente ignorantes que esperam que sejam sempre embaixadores dos seus grupos. É cansativo. (Como membro de uma religião minoritária recebo um pouco disto do vosso lado, mas não tanto quanto vi outros receberem)

Já vi os meus amigos usarem dois tipos de respostas, dependendo de quão bem eles conhecem a pessoa. Para os conhecidos, eles dizem algo como isto:

Eu tento evitar discussões sobre isso. Sei que a sua intenção é boa, mas eu recebo isto um lot e pode ser bastante drenante para mim.

Explicando o efeito negativo no seu sinal a uma pessoa educada para mudar de assunto.

Se a pessoa diz algo sobre querer aprender em vez de querer tenha uma discussão (que pode facilmente transformar-se num debate), pode sugerir outros recursos.

Para amigos mais chegados -- e eu já estive no lado receptor disto -- eles elaboram na parte "drenando". Um amigo negro explicou uma vez o desconforto de estar num ambiente de maioria branca com racismo casual (o olhar suspeito, segurar a bolsa mais de perto, atravessar a rua rapidamente, esse tipo de coisas), comparando-o a algumas experiências que ambos tivemos como mulheres no local de trabalho profissional. Uma amiga transexual explicou o desconforto de ter a sua entira comunidade julgada e escrutinada com base no que uma pessoa diz; ela só pode falar de próprio, não de transgéneros em geral, mas tem tido dificuldade em comunicar isso para evitar essas conversas. A chave é deixar a pessoa ver um pouco do que você lida, o suficiente para ter a idéia de que há um muito mais lá -- você está mostrando ao invés de dizer que é um tópico cheio de emoção. Como eu disse anteriormente, isto é para amigos próximos, não para colegas de trabalho casuais.

110
54
2018-04-11 20:14:54 +0000

Uma amiga minha encerrou-me muito eficazmente dizendo:

Não sou porta-voz da minha raça.

(Ela é afro-americana e diz que sou "a 2ª pessoa branca mais branca que conheço")

Para ser honesto, fui um pouco picado na altura porque fui honesto, sincero e acho que um pouco ingenuamente a tentar compreender - o que acho que é exactamente com o que estás a lidar. Mas eu percebi. E_ ainda somos amigos.

54
19
2018-04-12 14:37:28 +0000

Vi a sua actualização :

POLITAMENTE, RESPECTIVAMENTE MAS FIRMEMENTE

Educado, respeitoso e firme: "Tenho a certeza que tem boas intenções [educado para assumir boa vontade] e embora eu respeite os pontos de vista das pessoas, não gosto muito desta discussão. Fico contente que respeitem a minha preferência [respeitoso, pois assumem a "venda" deles terminando o tema]"

É também muito firme.

porque em alguns aspectos vivemos vidas paralelas

Todos nós vivemos. Imagine que se queixa de um engarrafamento de trânsito a um sobrevivente do Holocausto: acha que a sua experiência e a experiência do sobrevivente estão mesmo remotamente relacionadas até à dor de um momento? Não. Não conhecemos todas as experiências que outras pessoas passaram e todos vivemos experiências diferentes; alguns tentam compreender outros, mas não reconhecem que ninguém as faz na perfeição. Temos pelo menos 3 opções se não queremos discutir um tópico - ser directos, indirectos ou ignorar.

** Ser directo**. "Você não vem da minha [raça/ antecedentes/experiência] e nunca vai entender, por isso não quero saber ou ouvir o que você [pensa/acredita/sente]". Deixas claro que eles não são teus iguais em sua experiência e nunca serão. É directo para que a maioria das pessoas receba a mensagem.

** Seja indirecto***. "Tenho de ir apanhar [algo]" ou "Esqueci-me de [algo]" ou "Não estou realmente interessado neste tópico, desculpe, [mudar de tópico]". Isto é mais educado para mudar a conversa para outro tópico.

Ignorar*. Isto funciona muito bem no trabalho quando se está numa reunião e a conversa é sobre um tópico em que não se quer envolver de todo, como a política. É preciso muito trabalho, mas aprender a afinar toda a gente independentemente do que estão a dizer é uma grande habilidade que é muito gratificante. No final, aprenderás a ser auto-dirigido mesmo num mundo de ruído.

Claro que podemos envolver a pessoa com a crença de que ela pode ter uma boa intenção e tentar mostrar bondade, mesmo que ela não "consiga". O que devo dizer a alguém que me diga que sobreviveu ao Holocausto? Será que "lamentar" é suficiente? Nada do que eu diga compensará as suas experiências, mas, felizmente, conheci alguns que não esperavam que eu compreendesse totalmente e não me julgaram por isso. Essas são pessoas maravilhosas!

19
12
2018-04-11 17:18:32 +0000

Penso que as motivações para não querer envolver-se não são tão importantes como o desejo geral de se envolver ou não. Se alguém me quisesse fazer perguntas sobre algo que eu não queria falar, eu responderia com "Obrigado por perguntar; não discuto isso com os outros". Quando digo isto, sorrio e tento ser o mais gracioso possível.

Acho que a resposta de "Não faço [X]" não é argumentativa e não dá nada para debater. Se alguém perguntar porque não o faço, respondo com um simples "opto por não o fazer" e se eles insistirem, eu digo "Suponhamos que explico porquê". Como é que isso vai mudar o facto de eu não discutir isto?". Isso torna claro que não estou interessado e que seria um longo processo com um final inalterado, para que todos possamos poupar-nos a muitos problemas.

Dado que o objectivo é simplesmente não se envolver, isto (penso eu) será o menos frustrante. É para mim e muda o foco da discussão de "porque não faço isto" para "se eu faria isto". Impede que as minhas emoções se elevem relativamente a algo doloroso e permite-me concentrar-me em algo que não seja a situação que me leva a não querer falar sobre algo.

12
7
2018-04-11 15:21:48 +0000

Se o seu objectivo é não perturbar as pessoas, então tente tratá-lo como qualquer outro pedido com o qual não tenha tempo ou largura de banda para lidar.

Diga-lhes "Não tenho tempo para ter uma longa conversa a explicar-lhe isto agora mesmo". Eu uso declarações semelhantes quando recuso pedidos de todos, de familiares a colegas de trabalho, quando me pedem coisas com as quais não tenho tempo para lidar.

Se o seu raciocínio para não querer explicar algo tem menos a ver com não ter tempo e mais devido à natureza complicada do assunto. Diga-lhes: "Este é um assunto complicado, não quero ir lá consigo neste momento". Tornar os obstáculos à sua explicação interna torna mais difícil para as pessoas tentarem argumentar em torno da sua resistência, dizendo-lhes.

7
6
2018-04-12 02:15:58 +0000

As outras respostas são boas. Que as pessoas saibam que a ignorância não negra da experiência negra é uma parte significativa do problema e que podem ajudar, educando-se a si próprias. Se tivesse um conjunto de recursos a recomendar, estaria a ajudar a aliviar o fardo a longo prazo. Pessoalmente, acho que seguir os relatos dos twitteiros negros e activistas tem sido uma muito informativo (livros e ensaios destes escritores também muito bons):

  • DeRay Mckesson
  • Ta-Nehisi Coates
  • Roxanne Gay
  • Samuel Sinyangwe
  • Carvell Wallace
  • bell hooks

Honestamente, há muitos mais. Eu sugeriria incluir algum anti-racismo cristão evangélico para as pessoas nessa episteme, mas embora Russell Moore esteja até certo ponto sobre o caso , eu não conheço um texto teológico completo anti-racismo. Tenho a certeza que eles existem, mas rapaz, muitos racistas parecem ainda frequentar a igreja e pensam que o Cristianismo apoia o seu racismo. Tenho discutido com eles no Twitter de vez em quando. A minha mulher recomenda realmente o podcast "Truth's Table".

6
3
2018-04-13 15:15:56 +0000

Já tem um bom controlo sobre o que quer fazer. Quer encerrar com firmeza e eficácia as conversas com pessoas que não estão bem informadas ou com uma mente fechada sobre questões de raça, sem assumir a responsabilidade de as iluminar ou de ser a pessoa inútil com um chip no ombro.

Já respondeu à sua própria pergunta através de vários comentários e revisões do seu post original. Não pretendo colocar palavras na sua boca, mas já sabe que:

  • A maioria das pessoas que levantam questões raciais consigo sabem pouco sobre elas, nunca tendo had sabido muito sobre elas.
  • Aprender sobre elas vai fazê-las sentir uma série de emoções que podem incluir qualquer uma ou todas:

Não tem os recursos emocionais ou a inclinação para as segurar à mão através daquela montanha-russa ou ser o seu saco de pancada emocional, e francamente não o censuro.

O que mencionou nos comentários é que não está disposto a envolver

até que eles tenham demonstrado que estão conscientes da natureza espinhosa do assunto, e que estão preparados para se sentirem desconfortáveis

que se liga muito de perto ao que Martie Sirois diz no seu Blog-post The Kind of Racism You Don't Even Know You Have ' \\ &003' \ &003' (Não sei porque não se parece com um, mas este é um link. Talvez seja apenas o meu monitor)

Não é responsabilidade das minorias (pessoas de cor, gays, trans, etc.) educar-te ou perdoar-te cada vez que tens outro, e outro, e outro lapso. É sua responsabilidade tomar a iniciativa de fazer melhor por si próprio. Como? Leia escritores negros (ou gays, ou trans, ou feministas). Ouça as suas vozes. Quando elas estiverem a falar, não se ajoelhem e digam algo defensivo em resposta. Apenas. Ouçam. A única vez que é aceitável dizer algo em resposta é se você vai pegar o que aprendeu daquela comunidade ou pessoa marginalizada e usá-lo para promover a conversa e ajudar a educar outras pessoas brancas (ou heterossexuais, ou pessoas cisgêneros).

Então a sua resposta está lá, e grande parte dela já está nas suas próprias palavras. Não quer adiar a aprendizagem das pessoas sobre questões relacionadas com a raça, mas não o pode fazer por elas. Por isso adoça um pouco a pílula com um elogio antes de lhes dizeres o que nos disseste, inequivocamente, e depois mantém a tua posição, talvez algo como isto, ou algo parafraseado do blog do Sirois:

É fixe que estejas interessado, mais pessoas devem estar. Mas se queres mesmo saber destas coisas há uma estrada que tens de percorrer e eu não posso ser o teu atalho. Tens de fazer alguma leitura, ouvir e pensar no que lês e ouves. Provavelmente vais sentir-te desconfortável com algumas delas e vais precisar de algum tempo para te adaptares ao que vais encontrar antes de chegares onde falar comigo vai ajudar qualquer um de nós.

Se eles pressionarem, tens de te agarrar a isso:

Não ajuda nenhum de nós começar por aqui

O que vais então precisar de decidir é como vais reagir se as pessoas se forem embora e fizerem apenas leitura suficiente para voltarem e reclamarem que o privilégio branco nunca fez nada por elas....

3
1
2018-04-12 05:38:59 +0000

Sinto o mesmo quando as pessoas falam de política que eu quando vivo numa cidade onde as minhas opiniões políticas são diferentes das da maioria. Só não me apetece discutir sobre isso, na verdade, nunca. Portanto, o que eu faço é parecer completamente desinteressado quando alguém fala de política. Nunca digo, não vamos falar sobre isso. Digo apenas algumas palavras aqui e ali. Ou, melhor ainda, começo a fazer piadas ligeiras sobre o assunto para lhes dizer que não estou a levar a sério a sua discussão política super séria e pesada. Então adivinhem só. Eles riem-se e, de alguma forma, o tema muda sem que ninguém se aperceba (excepto eu). E deixam de falar no assunto.

1
0
2018-09-04 18:25:54 +0000

Se você está diante deste tipo de conversas sobre mídias sociais, um grande recurso é White Nonsense Roundup . Eles são uma organização voluntária que acredita que as pessoas de cor têm o suficiente nos seus pratos e não deveriam ter de explicar o racismo aos brancos, por isso eles "reúnem os seus" para educar sobre questões raciais. Pode etiquetá-los num poste e um voluntário irá tomar conta de si ao explicar o assunto em questão. Já os marquei algumas vezes e têm sido óptimos.

Se as conversas são presenciais, pode simplesmente dizer-lhes que não quer falar sobre isso e mudar a conversa. Se persistirem, lembre-lhes que ** só porque você é uma pessoa de cor, não significa que seja um especialista no assunto ou que queira participar nestas conversas**. Lembra-lhes que são perfeitamente capazes de fazer as suas próprias pesquisas e que há uma infinidade de recursos na Internet.

0
0
2018-04-11 17:51:23 +0000

Não posso dizer que "sei como te sentes", a minha experiência é diferente, mas é algo semelhante. Sou uma pessoa esquisita e, ao "sair" publicamente, muitas vezes sou colocada na posição de porta-voz e tenho de explicar as coisas às pessoas heterossexuais. E isso é reconhecidamente frustrante, particularmente quando as perguntas são mais uma fachada usada para proclamar inocência...

Muitas pessoas realmente não "sabem melhor" e eu normalmente tento dar-lhes o benefício da dúvida. Eu tento ser calmo, tento ser simpático, mas a certa altura quero definitivamente dizer "UGHHH STRAIGHT PEOPLE! Apenas Google it!"

** O que parece funcionar muito tempo é apenas ser honesto com eles.**

Não me importo de ter uma conversa respeitosa sobre estas coisas, mas tenho os meus limites. Se você está apenas curioso sobre o assunto, não me importo de responder a perguntas, mas por favor esteja ciente de como algumas destas perguntas são realmente pessoais...

Isto prepara o terreno para uma conversa, esperançosamente produtiva, e se começar a descarrilar, posso afastar-me sem muito alarido.

Se você não está completamente interessado em ter estas conversas, com um parceiro de conversação pouco instruído, você pode absolutamente dizer isso também.

Desculpe, eu normalmente acho estas conversas demasiado tributárias. Se estiver realmente interessado, pode encontrar informação muito boa sobre X, Y e Z. Se ainda tiver dúvidas depois de fazer alguma pesquisa por conta própria, sinta-se à vontade para me contactar.

Acho que ajuda assumir que as pessoas têm um bom significado, mesmo que sejam um pouco ignorantes. Sei que isso, por si só, se torna tributário. Muitas pessoas não têm muito bom sentido e alargar o benefício da dúvida torna-se realmente cansativo, mas ajuda. Tratar as pessoas como fanáticos horríveis e odiosos pode tornar-se uma profecia auto-realizadora. Quando abordadas dessa forma, as pessoas ficam na defensiva e muitas vezes começam a comportar-se mal em resposta.

0