Relações interpessoais
2017-11-09 16:36:39 +0000
103

Conhecer alguém que costumava intimidar-me

Quando estava na escola, recebi muita intimidação verbal. Isto foi aumentando e diminuindo ao longo dos anos e, em geral, era suficientemente irregular para que eu pudesse aguentar a longo prazo, mesmo que a curto prazo eu tivesse alguns dias miseráveis. Mas havia um tipo, a quem vou chamar Brian, que era muito persistente. Mesmo quando saímos da escola aos 18 anos e a maioria dos meus colegas já tinha crescido há muito tempo fora deste tipo de comportamento, o Brian procurava activamente oportunidades para me pôr no chão e mostrar o seu desprezo.

É 10 anos depois e em breve estarei a frequentar uma reunião escolar. Há alguns velhos amigos que estou entusiasmado por ver, e um monte de outros conhecidos que me preocupam menos, mas com os quais terei todo o gosto em conversar e pôr a conversa em dia.

Depois há o Brian. Eu sei que é uma tolice, mas ainda fico um pouco apertado no peito a pensar no facto de poder acabar por me esbarrar nele. Não faço ideia de como ele vai reagir ao ver-me - suponho que ele provavelmente tenha saído do bullying, e mesmo que não tenha saído, estou mais confiante agora em limpar esse tipo de porcaria. Estranhamente, ** o que me preocupa mais é que ele se aproxime alegremente de mim e pergunte como me estou a sair, esquecendo ou ignorando a forma como ele se comportou comigo no passado. Se isso acontecer, não sei bem como devo reagir.**

  • não sinto que tenha algo a ganhar com um confronto - é pouco provável que tenha qualquer contacto com o Brian para além disto, e suspeito fortemente que trazer à baila não vai resolver nada e pode fazer-me parecer mesquinho aos outros que estão presentes.
  • A ideia de ser amigável para com ele como se nada tivesse acontecido incomoda-me.
  • Também não quero passar o dia inteiro a evitá-lo activamente, pois isso iria interferir no encontro com outras pessoas.
  • Quero ter uma ideia clara sobre o que posso dizer, pois sei que se for apanhado desprevenido, posso acabar por fazer comentários amargos ou criar embaraço.
  • O meu resultado ideal seria terminar a conversa o mais rapidamente possível, sem ser conflituoso, mas também sem ser falso - não quero fingir que gosto do Brian quando não gosto.

Respostas [11]

53
2017-11-09 16:48:02 +0000

Se fosse eu, praticaria apenas o que eu diria. Eu não tive isto com a minha reunião de classe, mas estranhamente acabei com alguém da minha cidade natal e tive alguma angústia por causa da sua reunião de classe. A questão é que eu decidi o que ia dizer, ensaiei isso e tinha tudo pronto. Não é preciso ser complexo.

Olá, é bom ver que estás a ir bem. Se me derem licença, tenho algumas pessoas que conheci no liceu com quem quero ir pôr a conversa em dia.

E depois é só ires ter com outra pessoa com quem realmente gostarias de falar. Se ele persistir ou voltar, pode acrescentar a isso algo como isto:

Não estou realmente interessado em voltar ao liceu consigo e não éramos realmente amigos, por isso preferia que não falássemos sobre nada disso. Obrigado

E mais uma vez, saia.

Você não lhe deve ouvi-lo, deixá-lo confortável nem serve de nada dizer-lhe exactamente o que pensa dele. Isto apenas o desliga. Pode ignorar tudo o que lhe é dito. Eu nem me lembro do que me foi dito. Já tinha praticado o suficiente na minha cabeça e sabia qual seria a minha resposta para qualquer coisa, por isso não é preciso prestar demasiada atenção.

Mas tem razão. Nunca ouvi falar de alguém que aparecesse para a reunião e continuasse há muito tempo um padrão de intimidação. Tenho a certeza que deve ter acontecido em algum lugar, mas não é típico de se ver. O que é mais comum é as pessoas agirem como se sempre gostassem de si e não fazem ideia porque não gosta de se cruzar com elas.

53
26
2017-11-09 21:34:14 +0000

Já me aconteceu isto, por isso, vou ajudar.

** Encontramo-nos e cumprimentamo-lo como qualquer outro de há muito quando**

Se ele cresceu ao mínimo, ficará ligeiramente envergonhado e incerto como lidar com o encontro you*. Se não estiver, tenha pena dele - mas não lhe dê qualquer atenção. Já não tem de o fazer. Lembro-me muito bem que só de conhecer os meus amigos e colegas de escola me trouxe de volta ao que era, de repente eu era muito a mesma pessoa que era antes. Isso surpreendeu-me. Contudo, também pude notar esta mudança em mim e "agarrar-me" à minha nova personalidade, ou ao meu eu evoluído/experiente, se quiserem. Tal como vós, fui intimidado até certo ponto na escola, mas felizmente durante a faculdade e nos últimos anos encontrei o meu lugar, a minha voz e a minha auto-confiança. A tua autoconfiança, que ganhaste nos anos que se seguiram à escola, ainda lá está e continuará lá. Confie nisso. A melhor maneira de a testar é encontrar o teu velho némesis com uma folha em branco. Se você pode fazer isso, então você se elevou acima disso. Os velhos sentimentos estavam muito próximos de mim, mas eu estava no comando.

No meu caso, a pessoa que me tinha intimidado veio ter comigo e pediu-me desculpa e apertou-me a mão. Eu disse - no essencial - "obrigado, isso é mais do que eu esperava e significa algo para mim, tudo me é perdoado". Foi um momento muito profundo para mim. Mais tarde nessa noite, quando regressei a casa, continuei a pensar nisso, derramei algumas lágrimas. Telefonei à minha mãe e falámos sobre o assunto. E eu sou um homem adulto. É estranho como as coisas do passado ainda podem ter impacto no presente. A questão principal é que, mesmo que ele fosse um rufia e a senhora fosse uma vítima, já não é esse o caso, a menos que o deixe ser. Agarre-se ao estado actual, é um homem adulto, a sua autoconfiança está dentro de si e dentro das coisas com que se preocupa e das coisas que criou - na verdade não é possível magoá-lo. Os teus sentimentos vão estar por todo o lado - reconhecer os teus sentimentos é algo que uma pessoa "centrada" tem de fazer. Os teus sentimentos são os teus sentimentos, não são os teus sentimentos, o cerne de você não é tão frágil como era. Para o novo você, é possível estar triste, magoado ou com medo sem se preocupar em parecer fraco.

O meu conselho é: Conheça-o como qualquer outra pessoa, mas não fique por perto a menos que queira. Vá falar com alguém cuja história você gostaria de ouvir. Talvez ele queira falar contigo. Talvez não haja problema. Talvez ele seja o mesmo idiota que costumava ser. Sabe que agora o mundo está cheio de pilas, ele não é especial de forma alguma, ele é igual aos outros. Não vale a pena passar tempo com ele.


edit: Eu escrevi isto como se fosse um homem, já que sou um. Se não for, tudo ainda se aplica, basta substituir o pronome por um da sua escolha.

26
9
2017-11-09 19:04:45 +0000

O meu resultado ideal seria terminar a conversa o mais rapidamente possível, sem ser conflituoso, mas também sem ser falso - não quero fingir que gosto do Brian quando não gosto.

Pode fazer isso mesmo. Procure formas de sair de uma conversa e pode conversar sobre o que mudou na profissão, na escola ou na vida e acabar facilmente com ela, já que este é o seu resultado ideal com ele. Disseste que há outras pessoas que estás ansioso por conhecer, por isso já tens uma saída fácil: "Olá, vou dizer olá à Jane..." e não há nada de estranho ou invulgar nisso.

Apenas um pensamento final: o meu rufia do liceu foi fisicamente violento comigo várias vezes. Nunca mais o pude ver porque se suicidou. Pode ser um rufia que tem muita coisa na sua vida que os leva a agir dessa forma. Nunca desejei vê-lo, até ter ouvido dizer que ele tinha falecido. Depois percebi que perdi uma oportunidade de ser gentil com ele e deixei passar toda esta situação. Pode não me sentir bem fazer isso na altura, mas pode ser uma experiência que mais tarde se sinta satisfeito por ter feito. Basta pensar nisso; não estou a sugerir que seja gracioso. Mas pode ser que o liberte para o resto da sua vida.

Além disso, ele pode nem sequer estar presente na reunião.

9
6
2017-11-10 10:46:28 +0000

Um ponto de vista alternativo. Quanto quer realmente participar nesta reunião?

Como alguém que foi profundamente intimidado durante todo o percurso escolar (e quero dizer tudo o percurso, desde os 5 anos até aos 18, com abusos físicos, verbais e emocionais diários), fugir foi de longe a melhor coisa para mim. Costumava chegar a casa no Natal e sair no Ano Novo e esbarrar com as mesmas pessoas, e embora tivéssemos idade suficiente para não haver bullying activo, as mesmas correntes subjacentes ainda lá estavam. Depois os meus pais deixaram a cidade, e não havia razão para voltar.

O Facebook já existia nessa altura, por isso ainda tinha todas estas pessoas na FB. Eu deliberadamente não tinha amisturado (ou aceitado convites de amigos) os piores rufias, mas eles ainda apareceram na minha alimentação porque as pessoas da minha lista de amigos os conheciam. Como você, eu era amigo da FB com muitas pessoas que só conhecia realmente; e a maioria delas tinha me intimidado em algum momento da minha infância.

Foi há cerca de 5 anos (e isso faz 20 anos desde que saí da escola!) que eu fiz algo a respeito disso, o que não os amamentava a todos. Claro que para a maioria das pessoas isso não é grande coisa, mas para mim foi sobre o porquê de eu o ter feito. Finalmente aceitei que não havia problema em cortar completamente esta parte do meu passado e de todos os que lhe estavam associados, e não precisava de deixar que isso ainda me incomodasse. Agora tenho 4 ou 5 pessoas da escola no meu Facebook com quem quero realmente manter contacto, e é isso.

Será que agora podem ser pessoas decentes? Será que querem sequer pedir desculpa? Possivelmente. Não me interessa._ Não são pessoas para mim - não, na verdade, são less do que pessoas - e já não me ocupam a cabeça. Dar-lhes uma oportunidade de mostrar que são pessoas decentes agora seria para seu benefício, não para o meu, e levei 20 anos a aceitar que não me importo de não lhes dar esse espaço na minha cabeça.

Então eu iria a essa reunião? Claro que não.

6
3
2017-11-10 15:43:14 +0000

Há cerca de 25 anos, havia um tipo na escola que me costumava intimidar de vez em quando - noutras alturas, porém, éramos algo como bons amigos.

Há 2 anos, voltei a conhecê-lo e conversámos um pouco juntos. Mais tarde na conversa (ele sempre foi um grande fã de TV) ele mencionou a série de TV "My Name Is Earl" onde o personagem principal tinha uma lista de pessoas a quem ele estava prestes a pedir desculpas. Ele disse-me que se ele tivesse uma lista dessas, eu também estaria nela. Não foi nada de mais, mas significou muito para mim.

3
3
2017-11-10 14:20:18 +0000

Para responder à parte da sua pergunta em negrito; se ele se aproximar de si de uma forma alegre, penso que deve chamá-lo para o seu comportamento passado.

Oh hey Brian. Meu Deus, que idiota você era no colegial. Tenho a certeza que tu cresceste, mas maldito homem, (tive de desabafar por um minuto). Como tens passado?

Aqui reconheces o seu comportamento passado, tirando-te o embaraço que podes sentir e dando-lhe uma oportunidade fácil de um rápido pedido de desculpas para que ambos possam trocar alguma conversa fiada e seguir em frente rapidamente.

Se ele acabar por ser um bocado parvo ainda, podes dizer que afinal ele não mudou muito e simplesmente virar costas.

3
3
2017-11-09 16:56:23 +0000

Limita-se a escová-lo e a ignorá-lo. Como disse, ultrapassou o problema e não vai ganhar nada em falar com o Brian. Responda simplesmente à pergunta dele e siga em frente com qualquer conversa que tenha tido antes disso. Ser rude, neste caso, é a resposta certa.

3
2
2017-11-10 15:22:20 +0000

Penso que o que tem de considerar aqui é que não há resposta para todas as capturas. Há aqui uma lista de respostas que vão desde abraçá-lo e perdoá-lo, até ao seu afastamento e não ir à reunião, e todas elas são opções válidas.

O resultado final é que foi vítima de Brian's bullying you. Isso significa que você tem o direito de proceder com esta reunião da forma que achar mais adequada. Você tem que determinar o que quer e isso vai ser baseado no seu próprio carácter. Como outros já salientaram, talvez ele seja apologético, talvez ele seja o mesmo idiota da sua juventude. Em qualquer das circunstâncias, você precisa de estar preparado para lidar com ele da forma que lhe dê mais satisfação e encerramento.

Talvez você decida ser gentil e decidir perdoá-lo, mesmo que ele não o peça.

Talvez você sinta a necessidade de lhe dizer que ele foi um idiota e que as suas artimanhas deixaram um impacto na sua juventude, mesmo que ele pareça ser um homem melhor e mudado.

Talvez ambos ajam como se nada tivesse acontecido e se tornem melhores amigos.

Talvez ajam como se nem sequer se lembrassem do nome dele e ajam totalmente desinteressados em interagir com ele.

Qualquer opção é válida (bem, a menos que se torne violenta) e só precisam de determinar o que vos dará o tipo certo de encerramento.

Boa sorte!

2
2
2017-11-10 05:57:51 +0000

As reuniões do liceu têm uma forma estranha de nos colocar onde estávamos social e emocionalmente na altura. É a única experiência que os seus colegas tiveram uns com os outros, por isso... Eu consigo ver um rufia a querer reviver os seus dias como "a brincar".

Mas agora és um adulto. Talvez o rufia também seja. Talvez tenha sido colocado no seu lugar e se arrependa, mas nunca saberá se simplesmente o ignora, a menos que tenha decidido fazer o que quer que seja.

Aconselho-o a estar aberto a uma conversa com o rufia se ele se aproximar de si. Se for superficial e não se aproximar, pode dizer algo gentil, como: "Não se lembra muito das nossas interacções, pois não? Pode desculpar-se nessa altura, não tendo causado uma cena. Ou pode arriscar-se a falar sobre isso. Agora és uma pessoa diferente, e este é definitivamente um ponto vulnerável para se estar dentro. Mas você tem potencial para ser pedido perdão.

Por favor, tenha em mente que eu não fui bully nem bullied na escola secundária, por isso não falo por experiência directa. Falo sobretudo na esperança de que as pessoas mudem.

Boa sorte.

2
1
2017-11-12 18:53:08 +0000

Como uma pessoa que lhe fizeram certas coisas enquanto esteve na escola, coisas que eu não apreciei e não pedi, eu sei o que você passou

Você deve absolutamente aproveitar esta oportunidade para ver esta pessoa novamente. Se, por nenhuma outra razão, conseguir um encerramento pessoal. Ele pode ter mudado ou pode não ter.

Saiba que não tem nada que se sentir mal, não fez nada de mal. Aproveite esta oportunidade para mencionar a esta pessoa o que ele lhe fez e como o fez sentir, ele pode ter sentimentos de culpa pelo que fez, se o fizer, dê-lhe a oportunidade de pedir desculpa.

Se o conseguir perdoar, isto não o fará para o libertar da sua culpa, mas apenas para que possa encontrar uma solução.

1
0
2017-11-10 19:17:10 +0000

Ao longo dos meus anos de escola, fui escolhido, mas não pelas razões que se podem pensar. Eu era um cristão devoto e a Santíssima Trindade era tão real para mim como qualquer coisa que se possa ver, ouvir ou tocar. Recebi ordens para virar a outra face e o fiz. Os descuidados não lavados viram isto e tiraram o máximo proveito.

Um pequeno companheiro em particular teve o hábito de abusar de mim durante todo o liceu. Ele se aproximava de mim com uma espécie de raiva que se enfurecia dentro dele e saía dele como lava quente. Ele agiu como se fosse o libertador da santa vingança e que eu era o lixo merecedor apenas do seu ódio, raiva e abuso.

Eu fui para a faculdade e perdi a minha fé, exatamente como a maioria dos jovens. Não dessa forma irada de "questionar a Deus". Apenas a percepção de que Deus não era um velho homem branco barbudo a atirar parafusos de iluminação aos malfeitores. A lógica de que os valentões se tinham safado, sem serem destruídos por Deus, era uma realidade crucial que eu tinha de aceitar.

Quando isto aconteceu (muito rapidamente após a minha chegada), comecei a sonhar com versões alternativas de confronto com o pequeno sujeito. A maioria dos sonhos fez-me beliscar a cabeça dele como um camarão vivo. Outros sonhos fizeram-me sufocar a respiração do seu corpo ou esmagar-lhe a cabeça no chão.

Tive estes sonhos 2-3 noites por semana durante dois anos.

Então um dia, comecei a perceber que à medida que avançava na faculdade para o meu curso de engenharia, que a cada vitória, a recorrência dos sonhos diminuía.

Então comecei a ganhar na vida, e os sonhos diminuíam ainda mais. Um trabalho novo e excitante, com muito trabalho e salário, um pouco menos. Uma esposa inteligente, empenhada e bonita, um pouco menos. Filhos saudáveis, fortes, inteligentes, um pouco menos.

Eu definitivamente não sou rico. Para alguns padrões, eu mal sou da classe média. Mas seja qual for o espaço em que me encontre, sou o dono. Faça o que fizer, faço o meu melhor e aproveito os frutos do meu trabalho. Tenho uma grande carreira e uma vida doméstica que é tranquila, divertida, saudável e segura. Tenho muitos dias sem medo e embora o sonho ainda esteja claro na minha memória, (tanto quanto sei) ele deixou o meu sono.

Fui a essa reunião, e ele estava lá, e estendeu a mão para tentar apagar o passado, fazer algo diferente que nunca existiu. Olhei para a sua mão, sem dizer nada. Fiquei enjoado com a simples ideia de lhe tocar na carne. A sua mulher observou, um olhar de confusão no seu rosto. Eu sabia que ela não podia saber nada disso - de que outra forma poderia ter casado com ele?

Reuniões, desculpas, conversa fiada. Nada disto é compensação, recompensa, novo começo. Nada disto apaga o que foi e devolve o que perdeu. Se houver uma resposta, é tão estúpido que desafia a compreensão por si.

Sobreviver e prosperar sendo um melhor você. Vá mais longe e mais longe do que eles alguma vez possam imaginar. Seja alguém que eles nunca conheceram e que nunca poderão conhecer. Seja alguém com quem eles queiram pedir desculpa, que queiram "tomar uma cerveja", mas não podem, porque já não existem mais no mundo dos tolos e idiotas. Despeja-os do teu planeta.

E lembra-te, nunca, nunca, para visitares outro ser humano o inferno que sobreviveste. Tens a obrigação de ajudar os outros, porque tu sabes. Tens um conhecimento precioso e doloroso e tens de ajudar outros como tu, especialmente quando o vês acontecer. Não, eles não vão compreender a tua ajuda. Mas se conseguires plantar uma semente, então podes ser responsável pela sua fuga da mesma forma que és responsável pela tua.

0