Relações interpessoais
2017-10-18 06:09:34 +0000
57

Como pedir à sua namorada para pagar a sua parte da renda quando ela se mudar?

Estou prestes a mudar-me para uma nova parte do país (1000km da minha localização actual) e começar um novo emprego. Acabei de assinar um contrato de arrendamento para um apartamento (que posso pagar sozinho, se necessário) e sugeri à minha namorada que se mudasse comigo.

Ela vai ficar desempregada quando ambos nos mudarmos para esta nova cidade, mas garante-me que ela vai tentar encontrar trabalho assim que nos mudarmos. Não estou convencido de que ela vá tentar de todo , pois ainda não mostrou qualquer iniciativa na procura de emprego, e está a arranjar desculpas para não poder começar. Como posso dizer-lhe que, se não arranjar emprego num prazo razoável, ou pelo menos mostrar-me que está a tentar arranjar emprego para poder pagar metade da renda; então terei de lhe pedir que se mude para outro lugar. Não espero que ela comece imediatamente a pagar a sua parte a partir do primeiro dia, mas penso que ela precisa pelo menos de dar passos no sentido de se tornar financeiramente estável com elevada prioridade, de modo a que todas as responsabilidades sejam partilhadas igualmente.

A minha tentativa foi essencialmente perguntar "Quando nos mudamos, quanto tempo de procura de emprego achas que é um período de tempo razoável para arranjares um emprego antes de decidires mudar-te de volta "

A sua resposta foi "Estou chocada por me teres expulsado, ainda não me candidatei porque o ABC123XYZ, estou magoada por me teres dado este ultimato ".

Respostas [17]

110
2017-10-18 06:33:01 +0000

Há aqui, possivelmente, uma questão maior. Se a questão é literalmente "Como pedir à namorada para pagar a renda...", então já quase o fez.

Uma abordagem mais diplomática poderia ser apenas iniciar uma conversa com "Então, como é que vamos lidar com a renda? Dependendo da sua situação financeira, pode ser injusto esperar uma participação de 50/50 na renda, mas ela poderia pagar uma parte menor, ou que pagasse por serviços públicos, comida ou outras coisas. Dependendo do seu estado financeiro, claro.

Mas se ela está a arranjar desculpas, que não considera válidas, há aqui um problema de relacionamento; como é que isso vai continuar? Achas que ela é capaz de melhorar?

Se não confias nela de todo, essas são coisas que podes considerar muito mais importantes para obteres resposta.

E podes ter de correr aqui um risco. Em última análise, em algum momento, você terá um histórico de comportamento por parte dela. Talvez já tenha. Se assim for, essa é uma informação importante para você considerar. Mas se não tiver qualquer indicação se pode confiar nela para tentar verdadeiramente, terá, a dada altura, de considerar falar com ela sobre isso ou aceitar as suas explicações de que ela está a fazer o seu melhor.

Falar com ela sobre isso, no entanto, corre o risco de ela perder a confiança em si.

110
81
2017-10-18 08:32:13 +0000

A palavra-chave na sua pergunta é " convidado*".

(actualização: Foi. A pergunta foi entretanto editada para remover essa palavra. Salte o parágrafo seguinte para chegar à resposta real, deixo-a como esta foi a resposta original, o resto da resposta é independente da escolha da palavra.)

Pelos nossos padrões culturais ocidentais, se formos convidados para alguma coisa, esperamos não pagar por ela. A natureza de um convite é que a pessoa que convida é responsável por esses detalhes.

Já deveria ter tido esta conversa antes, e tê-la feito em aberto. Algo como "Vou mudar-me para este novo lugar, e seria uma oportunidade para começarmos a viver juntos". Se partilharmos a renda, podemos pagar uma casa suficientemente grande para ambos"

Isso dá um tom não ameaçador e cooperativo a esta questão. Voltar agora a esse terreno será incrivelmente difícil, especialmente porque já se decidiu e assinou o contrato de arrendamento da casa. Isso elimina o ângulo "juntos podemos ser mais do que cada um separadamente".

O seu primeiro ponto de ordem seria apologizar pelo mal-entendido. Incline-se para o diálogo, não se curve nos seus princípios. Explique-lhe que não a queria ameaçar. Que, pelos seus padrões, um casal que vivem juntos partilha responsabilidades. Então ** Ofereça-lhe alternativas***. Ela pode partilhar a renda e as tarefas consigo, ou você pode tratar da renda e ela leva a maior parte das tarefas. Peça também a sua opinião e sugestões sobre como estabelecer a vida de casal.

Esta é uma conversa importante e a renda é uma pequena parte dela.

81
71
2017-10-18 09:11:55 +0000

Raramente vi uma pergunta tão bem separada em dois mundos.

Penso que se pode resolver isto dividindo os riscos e possibilidades e gerir as expectativas com precisão.

O seu pesadelo: Ela vai viver consigo, vive no conforto do seu bolso indefinidamente ou até que uma oportunidade melhor se apresente. Qualquer 'amor' na equação é apenas isso, calculista.

O seu pesadelo: Ela vai viver consigo, queimando todos os seus navios, não consegue satisfazer as suas expectativas irrealistas e acaba desolada, desesperada, nas ruas.

A realidade estará algures no meio.

O que deve ajudar:

  1. Comunique os seus medos. Não ande com rodeios, saia com a verdade feia, e explique porque isso o assusta assim. Assusta-te porque pode destruir a tua relação. De jeito nenhum, vocês dois são forçados pelos acontecimentos a pular para o fundo do poço sem estarem exatamente prontos. Tal é a vida.

  2. Pergunta sobre os seus medos.

Suspeito que ela possa estar incerta sobre as suas perspectivas, e pode hesitar em baixar os seus padrões e falhar ou capturar um trabalho sem saída.

  1. Fale sobre as opções. Esperemos que depois de 1. e 2. a maioria das emoções estejam fora do caminho. Então, quais são as opções? Romper, relação de longa distância, não se mover de todo (isto parece já ter passado), mover-se como planeado (mas com expectativas claramente definidas de antemão_).

  2. Decidam. Isto precisa de ser feito em conjunto, pois envolve ambas as vossas vidas de uma forma não pequena. Na verdade, tudo isto se tornou muito conflituoso ao aceitar o emprego e contratar o apartamento _ que podem pagar_. Isto significa que deixou as suas opções em aberto.

Algumas ideias. Isto pode ir longe demais para o seu gosto. Mas reparei que qualquer relação que não tenha equilíbrio acaba por explodir.

  1. Arranje um lugar mais pequeno até a sua namorada ter um emprego. Abrace e partilhe as recompensas do sucesso.

  2. Deixe-a dizer-lhe qual é o seu plano para conseguir esse novo emprego. Não há erro em arranjar um emprego É um emprego.

  3. Deixe-a visitar e sentir a água/ter entrevistas de emprego em vez de se mudar (e comprometer-se a 100%) de uma só vez.

  4. Mudar-se sozinha inicialmente e usar o primeiro período para investigar quais são as suas perspectivas na nova cidade. Trabalhe um pouco em rede. Depois decida.

Seja como for, boa sorte com a grande aventura!

71
29
2017-10-18 18:01:29 +0000

A forma como formulou a sua pergunta sounds como se tivesse pedido à sua namorada para desenraizar a vida dela e mudar 1000k, não por amor, mas porque precisa de alguém para subsidiar a sua renda. Agora isso pode, de forma alguma, ser uma leitura justa da situação, mas se ler assim para mim, apenas com base em ouvir apenas seu lado da história, eu poderia definitivamente vê-la olhando para ela.

Pedir a um parceiro romântico para morar com você, ou atravessar o país com você, NÃO é uma proposta de negócio, e eu duvido que ela tenha dito sim, porque ela vê você como um bilhete grátis para fora da cidade. Por isso pare de a tratar como se a sua agenda fosse enganá-lo a si. Se a sua opinião sobre ela é que ela nunca fará o seu próprio peso se o puder ajudar, e isso incomoda-o, nunca deveria ter-lhe pedido para ir viver consigo. Nunca deves viver com alguém em quem não confies.

O meu conselho para ti é escolheres um lugar que possas pagar sozinho e depois avaliar por ti próprio o que é importante aqui: Está interessado na sua companhia, ou apenas na sua contribuição financeira? Se é a primeira, recue um pouco e dê-lhe um pouco de tempo, em vez de ultimatos preventivos. Se for o segundo, encontre um companheiro de quarto platónico para partilhar as despesas com ele.

29
22
2017-10-18 08:44:42 +0000

Você não!!!!

Quer dizer, vocês vão viver juntos. Se ela é realmente tua namorada e alguém de quem gostas, então prepara-te para a apoiar. Se não consegues fazer isso, então não tens nada que lhe pedir para fazer isto contigo e deves acabar agora.

Para ser claro, não há problema em dizer algo do tipo "vamos pagar 50/50 da renda", mas não há problema em dizer "Olha, se não me deres 600 dólares por mês, já não te amo!"

Disseste efectivamente o último. Disseste que a tua relação continuada está dependente de ela arranjar um emprego e pagar-te dinheiro (para a renda e serviços públicos).

Mais uma vez, nada de mal em partilhar as contas, mas o que fizeste foi efectivamente um passo a menos de chular a tua namorada.

Sugiro que ou não vão viver juntos, e aprendam com este erro, ou se ambos ainda quiserem viver juntos, aceitem que vão pagar 100% das contas durante algum tempo. Pede desculpa por seres um gigante e NUNCA voltes a falar da ideia de partilhar as contas (deixa-a falar nisso).

Novamente nada de mal em dividir as contas, mas tens de começar a agir como um "nós" e não como um "eu e tu".

22
13
2017-10-18 07:08:47 +0000

A sua pergunta concreta é:

Como lhe digo que se ela não arranjar emprego num período de tempo razoável, ou pelo menos mostrar-me que está a tentar arranjar emprego para poder pagar metade da renda; então terei de lhe pedir que se mude para outro lugar.

Já marcou o ultimato, e feriu-a um pouco no processo. Não interessa se ela vai conseguir encontrar um emprego e ajudar com as obrigações financeiras da sua relação. Neste momento, já há uma perda de confiança do lado dela e uma falta de confiança do teu lado.

Estás a pedir à tua namorada que se desenraíze e te siga para começar uma nova aventura. Além disso, ela aceitou o convite, esperançosamente conhecendo os riscos envolvidos, e parece que está disposta a isso. Uma vez que pelo menos você está a entrar nesta situação vendo as bandeiras vermelhas de antemão, ou você:

  1. compromete-se com o aluguer para o futuro imprevisível ou
  2. retira o convite até que ela tenha encontrado um emprego ou
  3. termina a relação agora antes que haja grandes perdas financeiras e emocionais.
13
6
2017-10-18 09:00:20 +0000

Você pergunta sem rodeios , e ** o mais rápido possível!**

Acho que não é irrazoável esperar partilhar as despesas quando se vive com alguém (assumindo que você não enganou esta pessoa a pensar que ela vai ter uma boleia grátis para toda a vida). Só porque se ama alguém, não significa que se seja financeiramente responsável por ele. A renda não é barata.

Por outro lado, o amor pode dobrar um pouco o critério: se o emprego que ela recebe paga metade do que o seu faz, talvez a parte dela na renda possa ser mais baixa. Se ela for capaz de ganhar mais mas optar por não o fazer, há outras formas de contribuir, seja a limpeza, a cozinha, a reparação da casa, etc.

Se não conseguir resolver isto imediatamente, pode causar um problema real mais tarde, ou pior ainda, um ressentimento a longo prazo. O dinheiro é uma parte importante da vida real, e fingir que não é um problema seria uma receita para o desastre. É bom para si pedir conselhos a outros. Vai receber muitas respostas variadas sobre uma questão delicada como esta; cabe-lhe a si considerá-las todas e decidir por si próprio.

_Boa sorte!

6
5
2017-10-18 12:25:19 +0000

Você já deu um enorme passo em falso aqui - você já deu um her, e não sobre acompanhar o aluguel.

É inteiramente razoável pedir à sua namorada que está morando com você para ajudar com o aluguel em alguma capacidade - afinal de contas, se você não pode pagar, você está bem fora de uma casa. Mas ao concentrares-te em saber se ela está 'realmente' à procura de trabalho ou não, tu mudaste a situação e fizeste a questão sobre ela.

Tens de trazer a verdadeira questão de volta à tona - explica-lhe que não se trata de criticar o seu comportamento, trata-se de ter a certeza que podes continuar a pagar e a viver no teu apartamento. Pode até oferecer-se para a ajudar na procura de trabalho - é muito difícil e muito stressante encontrar emprego hoje em dia, especialmente num lugar novo onde nenhum de vocês tem raízes.

Se continua a ser um problema, e é claro que ela não está a levar isto a sério, então precisas de ter uma conversa mais completa e individual com ela sobre a tua situação de vida.

Como um aparte - tu did convida-a a viver contigo, por isso se não tinhas um plano para se a tua namorada não conseguisse encontrar trabalho, isso não é her fault, é yours. Tenha isto em mente ao fazer planos para o futuro.

5
5
2017-10-19 18:06:11 +0000

Alojar-se com uma namorada/ namorado é como o casamento.

Se você se mudar com sua namorada por conveniência e/ou porque você não se sente confortável em terminar com ela agora mesmo. Essas acções tornar-se-ão infinitamente mais difíceis de realizar depois de partilhar a mesma residência durante algum tempo.

E isto é apenas a nível emocional, existem também ramificações legais a considerar.

Por exemplo, despejar um co-locatário (uma ex-namorada/namorado) que não paga renda (e que nunca pagou qualquer renda) pode ser quase impossível (mesmo que você mesmo se tenha mudado, você ainda pode ser responsável pela renda ao senhorio).

E há também o conceito de de factor relationship na Austrália (no Reino Unido e nos EUA, chamamos-lhe common law marriage). A ideia é que pode ser considerado legalmente casado com essa pessoa depois de ter passado um certo tempo a viver com ela.

Na Austrália o termo de facto relationship é frequentemente utilizado para se referir a relações entre quaisquer duas pessoas que não são casadas, mas que vivem efectivamente em determinadas circunstâncias domésticas.

fonte

Mas pode ser pior do que isso, se ela precisar de um visto de parceiro para entrar na Austrália (o que não faço ideia se é este o caso porque não disse de uma forma ou de outra), ambos podem ser obrigados a provar/jurar o facto de ambos estarem numa relação de facto há já algum tempo.

Mais uma vez, por favor, ambos percebam o que significa dar este passo aparentemente inócuo de viajar e viverem juntos.

Compreendam também que estarão apoiando esta rapariga do seu próprio ambiente local. Se ela viajar e se mudar consigo para tão longe da sua casa, não terá família local, amigos locais, nem emprego, nem rede de apoio de qualquer tipo, excepto para si.

Está pronto para essa responsabilidade? O que vai fazer se ela ficar deprimida? O que vai fazer se ela quiser preencher esse vazio ao ter um bebé? Terá sequer tempo para estar com ela? E se ela não estiver a trabalhar agora no seu local porque alguém a está a apoiar, não pense que ela vai começar a trabalhar depois da mudança se você ou os seus pais ainda a apoiarem depois da mudança.

Mesmo que pague a viagem dela e subsidie uma grande parte das suas despesas, pode fazer mais sentido que não se mudem os dois para a mesma residência e que só arranje um pequeno estúdio/quarto partilhado para si.

E mesmo que se mude com ela, pode ser melhor que ela o siga três meses, ou mesmo seis meses depois.

Agora com base no seu nome de utilizador, calculo que seja um programador informático. Além disso, como a sua namorada não está a trabalhar, presumo que as perspectivas de emprego dela sejam limitadas, mesmo que ela encontre um emprego.

Ter a mudança dela no seu próprio lugar comum com o seu próprio nome (não o seu) seria uma forma de a tornar independente de si e de a motivar a encontrar um emprego real. Além disso, partilhar um lugar com colegas de quarto ensiná-la-ia a dar-se bem com colegas de quarto, o que é uma habilidade valiosa se ela ainda não a tiver, e forçá-la-ia a ser semi-social com os colegas de quarto, em vez de depender de si apenas para companhia (uma vez que presumo que estará bastante ocupada quando começar a trabalhar, pelo menos no início).

5
4
2017-10-19 17:25:29 +0000

Não estou convencido de que ela vá tentar de todo, pois ainda não mostrou qualquer iniciativa para procurar emprego e está a arranjar desculpas para não poder começar.

Pareces um pai frustrado de uma mãe de 20 anos sem motivação, e não um parceiro amoroso numa relação adulta. Porque lhe pediste para ir contigo? Talvez devesse mudar-se sozinho e tentar encontrar um parceiro que considerasse igual (mas as mulheres independentes têm expectativas próprias). Ou isso ou aceitar a sua namorada como ela é e apoiá-la financeiramente em troca do apoio não monetário que ela pode dar.

4
4
2017-10-19 18:21:55 +0000

diz o senhor: "Polly, lamento muito, muito ter feito asneira. Eu não me expliquei muito bem e gostaria de começar de novo: Decidi mudar-me para Melborne/Brisbane/Sydney/onde quer que seja. Ficaria muito feliz se viessem comigo, mas se vierem, espero que contribuam de forma justa para os nossos custos partilhados (comida, e renda). Estou disposto a apoiar-nos a ambos durante alguns meses, mas não estou disposto a apoiar-te indefinidamente" Embora eu pense que a tua desconfiança em relação a ela mostra que a relação está condenada e que não devias ter pedido - uma vez que já sabes que os teus sentimentos por ela não são muito fortes. Também acho que ela seria uma tola se alinhasse. Mas eu posso estar enganado.

4
3
2017-10-19 21:29:07 +0000

(1) As coisas começaram mal ao fazer perguntas difíceis sobre a renda. Tente ultrapassar isso não voltando a falar nisso, pelo menos por agora.

(2) Mudar-se juntos para um lugar mais pequeno primeiro significa apenas que terá de se mudar de novo quando as suas finanças estiverem mais bem estabelecidas. Apenas assuma que tudo correrá bem e obtenha o apartamento que ambos realmente querem da primeira vez.

(3) É muito mais fácil para ela encontrar um bom emprego quando lá estiver do que fazê-lo por "controlo remoto". Ela pode apenas surpreendê-lo ao encontrar um emprego rapidamente assim que ambos se mudarem para lá. Dê um "salto de fé" esperando para lhe fazer exigências de dinheiro.

(4) Pagar um apartamento pequeno inteiro é mais caro do que metade de um apartamento maior. Só por essa razão tente fazê-lo funcionar.

(5) Presumo que a conheça suficientemente bem para saber se ela tem ambições profissionais próprias ou se está apenas à procura de alguém para pagar as contas.

(6) Se não funcionar, saia. Tenha uma estratégia de saída em vigor.

(Estou numa situação não muito diferente da sua. Devo seguir o meu próprio conselho.)

Boa sorte.

3
3
2017-10-18 09:49:52 +0000

Explica o teu lado da história, queres que as coisas sejam justas para you as well

Não queres pagar 100%, o que é justo e todos podem compreender isso. Explica apenas que podes não ser um tampão por um bocado porque estão numa relação (de apoio) juntos, mas que isso tem limites pois é o teu dinheiro que deves ser capaz de gastar como preferes (como ser umas flores bonitas para a tua namorada ;) ).

Podes falar disto em intervalos cada vez maiores, ela deve ter tempo para o arranjar. Primeiro, fale disto de forma leve, depois um pouco mais assertiva, até que seja um prazo difícil. Isto pode demorar algumas semanas/meses.

A sua contribuição não tem de ser financeira. Ela pode limpar, lavar a loiça, lavar a roupa, fazer compras, etc. A sua contribuição pode ser tarefas, dando-lhe mais algum tempo livre.

3
2
2017-10-18 17:53:49 +0000

Dê-lhe a oportunidade, como você disse que planeava pagar a renda, que a pagaria se ela morasse lá ou não. Ela pode não saber onde vai trabalhar até conhecer a área e planear arranjar o emprego numa zona próxima. Vê as coisas desta forma, não estás sozinho numa zona nova, e és tu que lhe estás a pedir para mudar a sua vida por ti. Apoie o seu G/F e encoraje-a com um apoio que não a negue. Ajude-a a encontrar um emprego, pergunte-lhe o que ela quer fazer e ajude-a a encontrá-lo ou o que quer que você tenha de fazer para ajudar. Vale a pena manter relacionamentos, e dinheiro é papel. haverá momentos em que você vai passar por secas, e bons momentos também, o melhor é ter um bom amigo para passar por elas.

2
1
2017-10-19 02:14:49 +0000

"Como lhe digo isso se ela não conseguir um emprego num prazo razoável?" Seja simpático, mas diga-lhe usando essa linguagem exacta para que fique extremamente claro. No entanto, matem-na com gentileza. Ou seja, cozinhe-lhe o jantar e compre rosas para que quando lhe disser "Eu amo-a, mas se não arranjar emprego e ajudar com as contas não pode ficar. Serei paciente mas em breve precisarei da sua ajuda e não o poderei fazer sem si"

Vai ver o esforço dela se ela o estiver a apresentar. Actualmente vivo com o meu parceiro e felizmente nunca precisámos de complementar os rendimentos dos outros, mas acho que se formos claros com a comunicação nunca precisaremos de interpretar o significado dos outros. Não o revestir com açúcar ou ser geral.

Sejam exactos.

1
-2
2017-10-18 12:51:32 +0000

Antes de mais, deixem-me assegurar-vos - não a magoaram. Ela só quer evitar esta discussão. Imagine que a situação é o oposto: ela tem um quarto, você muda-se, ela espera que você pague metade da renda. Ficaria "magoada" com isso?

Também, considere este facto: É impossivelmente difícil mudar uma pessoa adulta , mesmo para um psicanalista profissional. Se você acredita que algo está errado com a sua atitude, não espere que seja magicamente corrigido mais tarde. Não, o amor também não ajuda.

Respondendo à sua pergunta, não, neste caso não deve "pedir" que ela seja a sua parceira. Deve requerir que ela não seja sua passageira (a menos que queira uma, claro). Se ela for uma pessoa decente, mas não estiver preparada para este passo sério, ela reagirá adequadamente. Se não for, não reagirá.

-2
-4
2017-10-19 18:33:49 +0000

Eu próprio inventei uma citação, que muitas vezes penso que se aplica a estas situações. Da qual eu própria estou envolvida numa.

Aqui vão os votos:(

Mas espere por favor!

"As mulheres querem algo em troca de nada. Os homens acham que o seu nada é algo "

Estão essencialmente a discutir um assunto financeiro.

Na minha opinião, num mundo "justo e irrealista". A mulher nem sequer CONSIDERaria mudar-se consigo, a menos que pudesse contribuir financeiramente de forma igual.

E vice-versa, se uma mulher pedisse a um homem para ir viver consigo.

Portanto, se ela estiver disposta a ir viver consigo (sem a entrada de capital bruto para o aluguer), mesmo da forma mais insignificante, será que recebe algo em troca de nada.

Por outro lado, está a proteger as suas finanças, assegurando que a sua amiga leva o seu peso financeiramente. Mas estamos a falar de ALUGUER, que de qualquer forma afirmaste poder suportar (Pensas que o teu nada (renda) é alguma coisa).

** Qual é a realidade?**

Leia alguns livros sobre relações, e o que é tipicamente atractivo para o outro sexo.

Há inegáveis evidências de que o que as mulheres tipicamente acham atraente sobre os homens, é diferente do que os homens tipicamente acham atraente sobre as mulheres.

Por exemplo, na minha própria vida; valorizo o seguinte

1.) Atractividade Física 2.) Cumprimento Sexual 3.) Louvor e Respeito

Para o meu cônjuge, os seus valores são:

1.) Estabilidade Financeira 2.) Afeto 3.) Conversa

(De: Suas Necessidades, Suas Necessidades)

~~~~~ TL DR; e conclusão

O meu ponto de vista é que uma relação é para garantir que ambas as pessoas envolvidas se sintam seguras, realizadas e valorizadas.

Talvez ela não deva pagar renda de todo. Se a estabilidade financeira é importante para ela, isso pode tornar-se um atributo muito atractivo para ela.

Ter uma conversa honesta e aberta sobre a forma como cada pessoa participa EQUALMENTE na relação é uma obrigação. Ela poderia contribuir para a "equipa" de uma infinidade de formas que não significam pagar renda. ~~~~~~

Na minha própria relação tenho uma namorada que não paga renda.

Esta tem sido uma relação contínua desde há dois anos. E por vezes, ela é 6 anos mais nova do que eu, que tenho de defender as minhas contribuições para a relação contra as dela.

Uma conversa honesta e aberta ajudou o nosso amor e fez com que ambos nos sentissemos realizados na relação.

-4