Relações interpessoais
2017-08-17 14:45:54 +0000
59

Como posso dizer aos não pais, "Espere e veja até ter filhos" sem ser cliché e odioso?

Estou no início dos meus 30 anos, casado, e tenho vários filhos pequenos. Tenho muitos colegas de trabalho na mesma faixa etária que não têm filhos mas estão no caminho certo (recém casados, ou noivos, filhos no futuro nos próximos 5-10 anos).

Muitas vezes os temas do discurso no escritório giram em torno da conversa do casal sem filhos:

  • Tirar férias em locais românticos/perigosos
  • Cansar crianças nos supermercados
  • Cansar crianças nos restaurantes
  • Cansar crianças nos restaurantes
  • Amamentar no supermercado (ver abaixo)
  • Ter passatempos
  • Ler livros por prazer
  • Festas de sexta-feira à noite
  • Festas de sábado à noite

Quando me perguntam se vou sair à cidade no fim-de-semana, a minha resposta é normalmente: não, tenho filhos. Eles ficam aborrecidos e dizem que é para isso que serve de babysitter. Qualquer outro casado c/ filhos amigos recebem isto. Não nos podemos dar ao luxo, ou sentir-nos confortáveis, em utilizar os serviços de babysitting semanalmente/diariamente para os nossos filhos. Geralmente guardamos essas coisas para emergências (que acontecem constantemente com uma família com crianças pequenas, como o babysitting para podermos ir trabalhar e ganhar dinheiro).

Basicamente, como posso dizer aos não pais que eles simplesmente não compreendem, e quando são pais eles vão esquecê-lo.

Atualização do aleitamento materno

Muitas vezes quando a minha mulher amamenta em público ouvimos suspiros audíveis, gemidos, risos laterais ou risos. Isto ocorre com frequência suficiente para ser cómico. Quanto ao propósito desta pergunta, já vimos/ouvimos que estes ocorrem de casais sem filhos nas faixas etárias acima que as probabilidades são de ter, ou poderão ter, filhos no futuro. Por isso, a pergunta acima aplica-se, "espere até ter bebés com fome e estar no supermercado".

Nota

Para uma divulgação completa, parece-nos relevante dizer na sua resposta se é ou não pai ou mãe.

Respostas [14]

132
2017-08-17 15:46:59 +0000

Há muitos pontos em comum partilhados pelos pais, mas não tantos como a maioria dos pais parece assumir.

"Espere até ter filhos" assume que outras pessoas terão as mesmas experiências e restrições que você. Esta não é uma hipótese segura.

Alguns pais terão redes alargadas de família em que podem (e vão) confiar para tomar conta dos filhos, permitindo aos pais amplas oportunidades para jantar fora, ter uma "noite de encontros", ou mesmo retiros de fim-de-semana, sem um filho. Assumir que por estas coisas serem difíceis para si (e, na verdade, para muitos outros pais), serão coisas que outros pais deixarão de poder desfrutar assim que tiverem filhos, é incorrecto.

"Eu tenho filhos" não é a razão pela qual não pode sair da cidade durante o fim-de-semana. A verdadeira razão é mais provável que seja algo como:

  • um quarto de hotel para 4 pessoas é demasiado caro
  • o seu filho tem uma consulta prévia que não pode cancelar
  • trazer leite materno pré-expresso requer acesso a um frigorífico que o hotel pode não fornecer
  • passar 3 horas num carro com uma criança é desagradável para todos os envolvidos.

Não tenha medo de dizer estas coisas. As pessoas serão mais compreensivas se lhes derem um contexto real, e é mais provável que considerem estas coisas no futuro. Além disso, há sempre a hipótese de estarem dispostas a fazer adaptações que possam tornar possível algum tipo de compromisso, em vez de o excluir completamente.

Como se eu fosse pai ou não... Não vou dizer aqui explicitamente, porque não quero alimentar a ideia errada de que há uma percepção especial que se tem automaticamente quando se tem filhos. Conheci muitas pessoas que não têm filhos, mas que "conseguem", e muitos pais que ficaram completamente (e tragicamente) inalterados ao tornarem-se pais.

Volto a dizê-lo: as mudanças de vida que acontecem às pessoas ao tornarem-se pais são não* universais.

132
105
2017-08-17 16:25:12 +0000

Há alguns pontos muito bons nas outras respostas até agora, mas outra coisa que vale a pena assinalar é a mudança de prioridades à medida que se vai entrando neste capítulo da vida. É realmente a peça de que os não pais muitas vezes sentem falta.

Claro que há os sinais exteriores, como não ir tanto ao pub com os amigos, mas vale a pena notar que esse é o sintoma e não a questão real.

Lembro-me de ser um jovem solteiro que zombou dos meus amigos mais velhos que foram "acorrentados pela mulher e/ou pelos filhos". Na altura a minha perspectiva era que eles certamente preferiam estar fora a divertir-se, e provavelmente estariam, se a mulher o permitisse.

O que eu não me apercebi, até ter atravessado aquela ponte, é que não se trata realmente de "ser permitido". Depois de ter uma família em casa, as minhas prioridades mudaram. Uma noite fora era divertida, mas eu gostava de estar em casa para aconchegar as crianças na cama. Gostei muito de passar tempo com a minha família, e qualquer oportunidade de ter uma boa noite de sono foi absolutamente aproveitada porque tornou o dia seguinte com as crianças mais suave.

Também, as minhas prioridades financeiras mudaram. Já não estava só a pensar em mim. Uma noite na cidade foi sempre ponderada contra a conta da mercearia da semana seguinte ou a festa de aniversário do mês seguinte, ou a necessidade de ter um pouco de poupança para a emergência seguinte.

Seja como for...

Não há uma maneira boa, sucinta, de explicar tudo isso a alguém que ainda não o tenha experimentado.

O que se pode fazer por outro lado é deixar claro que não se vai ficar em casa com a família porque "tem de" é porque honestamente se quer.

Desculpem rapazes, eu planeei passar tempo com a minha família. Jantar, esconder e procurar, hora do banho, hora da história e aconchegar todos na cama.

Em vez de:

Não posso, tenho filhos em casa.

Estas duas declarações enviam mensagens muito diferentes aos vossos amigos.


Nota lateral...

Certifique-se de que está a tomar algum ocasional tempo de adulto. É bom para si.

105
25
2017-08-17 16:06:26 +0000

Aqui está 1/2 resposta, porque eu não tenho realmente uma resposta para a questão da amamentação.

Quando perguntam se vou sair na cidade no fim-de-semana, a minha resposta é normalmente: não, ter filhos.

A minha resposta seria "Não, sem planos".

Se disserem que é aborrecido. Diga apenas "Sim, sou aborrecido"

Por outras palavras, não há necessidade de explicar, defender ou justificar a sua decisão. Quanto mais se explica, mais lhes dá o poder de adivinhar as suas decisões.

Disclaimer: Com base nos comentários que recebi até agora, sinto que preciso de esclarecer algo. Este tipo de resposta destina-se apenas a amigos/colegas de trabalho que, habitualmente, ** lhe causam sempre dificuldades** nesta questão. Não defendo, de modo algum, que respondam da mesma forma aos amigos que não estão a tentar iniciar uma discussão recorrente convosco. Afinal de contas, partilhar informação pessoal uns com os outros é uma parte normal e saudável de se ser amigo. E eu não sou contra isso.

25
18
2017-08-18 02:53:20 +0000

O problema são experiências muito diferentes. Deixe-me oferecer-lhe a perspectiva de alguém nas circunstâncias perfeitas para ser pai e, no entanto, sem filhos.

Eu gosto de crianças, até que elas estejam a fazer cocó, a gritar, a chorar, a enrolar os olhos, ou a ser irritantes de várias outras formas criativas. Eu não desgosto de todas as crianças: Nunca gostaria de ficar presa a elas, pelo menos durante 18 anos da minha vida. Por isso, pode relacionar-se: imagine perder a sua mão não dominante. É assim que eu me sentiria por ter filhos meus.

Você lista várias circunstâncias em que "espere até ter filhos" e não são todas iguais.

  • Amamentação irritante no supermercado (ver abaixo)

Esta merece uma questão própria. Não só está fora da experiência dos casais sem filhos, como também da cerca de metade da população que não tem seios. É uma questão complicada.

  • Crianças irritantes em supermercados
  • Crianças irritantes em restaurantes

Crianças irritantes são uma coisa. Imagino que mesmo entre as pessoas com crianças, ainda haja miúdos irritantes. Tenho a certeza que muitas vezes são os seus próprios filhos que os aborrecem.

gif representing a child being annoying _ Isto conta como aborrecido?_

Há circunstâncias em que o comportamento das crianças é aceitável, como no McDonald's. E há lugares onde não é, como as 19:00 horas, numa mesa perto de um bom bar. Há pais que são capazes de lidar eficazmente com os seus filhos, ou pelo menos sair se os filhos derreterem. Há também alguns que deixam uma criança chorar num restaurante cheio de adultos que tentam desfrutar de uma noite tranquila e possivelmente romântica.

Se ouvir alguns colegas de trabalho a comentar sobre isto, porque sente a necessidade de dizer alguma coisa?

  • Tirar férias em locais românticos/perigosos
  • Ter passatempos
  • Ler livros por prazer
  • Festas de sexta-feira à noite
  • Festas de sábado à noite

Quando me perguntam se vou sair à cidade no fim-de-semana, a minha resposta costuma ser: não, tenho filhos. Eles ficam aborrecidos e dizem que é para isso que servem de babysitter.

Estas são as coisas que as pessoas sem filhos gostam de fazer. É praticamente a descrição da minha vida. Eu gosto tanto dessa vida que evitei ter filhos.

As pessoas gostam de partilhar as actividades que gostam com os outros. Ou, pelo menos, é a forragem de conversa fiada comum.

Mau:

  • "Vai sair este fim-de-semana?"
  • "Não, eu tenho filhos"

As pessoas sem filhos vão questionar as suas escolhas de vida se responder desta forma. Não conseguem perceber porque é que decidirias ter filhos se isso significa que não podes sair, que é o que eles gostam. Para a pessoa sem filhos, esta não é uma decisão racional.

Um pouco melhor:

  • "Vai sair este fim-de-semana?"
  • "Não, não consigo encontrar uma ama para o fim-de-semana"

Isto é um pouco melhor, uma vez que é mais uma razão real. Mas ainda não explica porque escolheria ter filhos.

Nada mau:

  • "Vai sair este fim-de-semana?"
  • "Não, tenciono passar algum tempo com a minha família em casa"

Agora não é escrava do seu filho: apenas tem uma ideia diferente do que quer fazer no fim-de-semana. As pessoas compreendem isso.

Bom:

  • "Vai sair este fim-de-semana?"
  • "Sim, vou levar o meu filho ao McDonald's."

Não só vai sair este fim-de-semana, como o seu filho é uma parte positiva.

18
18
2017-08-17 15:33:54 +0000

Sugiro que isto seja um pouco reformulado. Não tente dizer-lhes que vão entender quando forem pais.

Quereria fazer essas coisas se não tivesse filhos? Se sim, poderia dizer que adoraria poder fazê-lo, mas os cuidados infantis não são baratos nem fáceis a curto prazo e, de qualquer forma, não são crianças para sempre, pelo que podem muito bem ser a sua prioridade para os próximos anos!

Dito isto, levámos as nossas três crianças a subir montanhas, a partir para países interessantes, a escalar, a voar, a navegar e a uma série de outras coisas, pelo que talvez pudesse ver se elas gostariam de o acompanhar numa actividade com as crianças. (Isto funciona melhor se os seus filhos forem geralmente bem comportados, para que os seus colegas possam ver que, embora fazer coisas com várias crianças seja um trabalho árduo e exija planeamento, ainda pode ser divertido)

No que diz respeito ao comentário sobre amamentação - trata-se de uma questão totalmente distinta, que tem grandes desafios em alguns países e culturas. Onde eu vivo é ilegal discriminar as mães que amamentam, pelo que o desafio nesse ponto pode ser bastante rígido :-)

18
17
2017-08-17 21:30:45 +0000

Qual é o seu objectivo?

Primeiro, tem de considerar o que realmente espera ganhar. Quer que as pessoas à sua volta deixem de falar das suas vidas sem filhos? Quer que elas parem de o pressionar sobre o porquê de não ter planos excitantes para o fim-de-semana? Quer apenas colocar as pessoas no seu lugar?

Depois tem de considerar se isto o vai ajudar a atingir esse objectivo. Penso que em todas as circunstâncias, excepto nas mais raras, dizer a alguém "Espera até teres filhos" vai ser paternalista e é pouco provável que mude a opinião de alguém a menos que já esteja aberto a ver uma nova perspectiva. Como diz o adágio, não se pode controlar os outros, só se pode controlar a reacção que se tem a eles. Por isso, a menos que o seu objectivo seja simplesmente colocar as pessoas no seu lugar, não acredito que haja uma forma táctil de o dizer e que consiga alcançar algo de positivo.

Como o pode alcançar?

Em vez de tentar mudar as pessoas, pode considerar mudar a sua abordagem. Você escreve que as discussões no escritório muitas vezes giram em torno de "conversa de casal sem filhos", mas se a maioria das pessoas no seu escritório são casais sem filhos, então o que eles estão realmente a falar é sobre as suas experiências vividas. Quase de certeza que não estão a falar destas coisas para o excluir intencionalmente, mas sim porque essas coisas são importantes e relevantes para eles. Se se sentir excluído, tente acrescentar algo que seja importante e relevante para si. Por exemplo, da próxima vez que os seus colegas de trabalho estiverem a falar de livros que tenham lido, pode dizer-lhes como tudo o que tem lido ultimamente é "Rosie Revere, Engenheira", porque a sua filha está obcecada com isso e obriga-o a ler-lhe pelo menos duas vezes por dia.

Pelo menos pela minha experiência, perguntar a um colega de trabalho se eles têm planos para o fim-de-semana é uma forma bastante comum de conversa fiada. Em vez de dizer não e encerrar a conversa, diga-lhes algo que planeia fazer, mesmo que seja algo aborrecido. Como uma pessoa em casa que muitas vezes prefere ter fins-de-semana de pouca monta, descobri que o humor pode contribuir muito para mascarar essas coisas chatas e desencorajar as pessoas de te quererem convencer a fazer algo divertido. Por isso, se um colega de trabalho perguntar se tens planos para sair, podes dizer "Não, mas eu estou a planear limpar a garagem". Se eu não o fizer em breve, as aranhas vão começar a reclamar os direitos dos ocupantes"

A não ser que se consiga tirar algum tipo de alegria dos debates que ninguém pode ganhar, evite ser arrastado para discussões com pessoas que não têm interesse na sua perspectiva. Tal como você (presumivelmente) não está disposto a considerar que a outra pessoa tem razão e que deve apenas contratar uma baby-sitter, é provável que o seu interlocutor não se preocupe com a razão pela qual os cuidados infantis são caros, eles só querem convencê-lo de que estão correctos. Quando alguém tentar iniciar um debate deste tipo consigo, não o envolva. Pessoalmente, encontrei um pouco de descontracção combinada com uma pergunta que os redirecciona para outro tema que lhes interessa é uma forma bastante eficaz de evitar este tipo de argumentos inúteis. Na pior das hipóteses, se a pessoa realmente não o deixar ir, encontre uma desculpa educada para se afastar.

17
11
2017-08-18 07:35:13 +0000

Outra razão pela qual a frase "Espere até ter filhos" pode não ser apropriada é que não se pode saber se a pessoa com quem se está a falar está a tentar ter filhos e não é capaz de o fazer. Uma grande percentagem de casais tem dificuldade em conceber http://www.resolve.org/about/fast-facts-about-fertility.html ) e este tipo de comentários pode ser muito prejudicial.

Uma forma segura de expressar a mesma ideia seria algo como:

É difícil para mim fazer mais ou menos devido à minha situação familiar.

É claro que não tem de se justificar para tais assuntos pessoais e não deve ser necessária mais nenhuma explicação.

11
7
2017-08-18 06:03:33 +0000

Não é como se você parecesse precisar de mais uma resposta, com todas as respostas anteriores que já recebeu, mas, eu pensei que iria colocar algumas ideias:

Sempre pareceu ao meu marido e a mim, que antes de casarmos, mas enquanto namorávamos, não importava quem eram os nossos amigos no trabalho, tínhamos tendência para sair Mostly com outros como nós: solteiros, mas numa relação comprometida.

E quando casamos, então as pessoas com quem fazíamos mais coisas eram iguais a nós, casados, mas sem filhos. Isto não foi uma escolha consciente, mas penso que no nosso caso, foi mais fácil para todos.

Quando havia um filho, os nossos amigos também os tinham, e depois estávamos todos na mesma página, e tendia a haver menos obstáculos de comunicação para saltar por cima. Mas nunca ninguém foi excluído, mas a maioria das pessoas solteiras não está interessada em passar tempo com os filhos de outras pessoas, e isso deve ser bom...

7
4
2017-08-17 20:47:24 +0000

O próprio acto de decidir ter filhos significa que houve uma mudança de mentalidade e uma mudança de interesses ou prioridades. Esta é, penso eu, a raiz do comentário geral "espere até ter filhos". Ninguém jovem quer ouvi-lo porque é tomado como uma velha frase cansada, mas muitas vezes o foco da vida mudou. Até certo ponto, não pode ser explicado a alguém até que também ele mude de forma semelhante, uma vez que muitas vezes não há experiência comparável em pessoas mais jovens, pelo que o "espera até..." se depara com preachy.

Dito isto, um comentário como "o acto de decidir ter filhos faz com que se reavaliem as prioridades pela sua própria natureza" é, pelo menos, explicativo.

Por outro lado, dizer uma afirmação positiva como se passasse o fim-de-semana com a sua família ou a ver um filme ou etc., em vez de dizer que "não", não vai sair da cidade deveria, por si só, ser uma resposta suficiente e sugerir-lhes os benefícios (para si) das suas prioridades actuais, mesmo que eles não as compreendam.

4
3
2017-08-18 09:10:19 +0000

Em primeiro lugar, o que está a tentar transmitir com as suas declarações?

A partir do seu posto não é imediatamente claro qual é o seu verdadeiro problema. A meu ver, ou procura comunicar as suas dificuldades em participar em saídas sociais ou procura comunicar que simplesmente tem outras prioridades devido à sua escolha de ter filhos e à forma como escolheu criá-los.

Se está a tentar comunicar as suas dificuldades

Parece ter tentado ilustrar quais são as suas dificuldades mas eles não 'perceberam'. Neste caso, pode valer a pena entrar em mais detalhes, por exemplo, pode explicar exactamente o que entra numa estadia de uma noite num hotel quando o seu filho está consigo. O seu objectivo é explicar as suas dificuldades de uma forma que permita às pessoas que ainda não as tenham experimentado compreendê-las.

Se está a tentar comunicar que o seu conjunto de prioridades é diferente

Neste caso, parece estar a confundir o seu ponto de vista, tentando explicar porque não tem os mesmos passatempos que os outros têm_ ao dizer "Eu tenho filhos", como se isso explicasse tudo por magia. O problema com que se está a deparar é que para as pessoas com quem estava a falar, obviamente que não tem, por isso esperar que elas 'o consigam' é improdutivo. Em vez disso, devias tentar explicar como é ter um filho.

Pessoalmente, não sou pai, mas tenho quase a certeza que compreendo muito bem o conceito de ter um ou mais seres que gostas tanto que vale a pena "desistir" das coisas que os teus colegas mencionaram, para que possas passar o teu tempo a cuidar, a ensinar e a entreter esses seres que ajudaste a trazer para este mundo. Também compreendo que ser pai tem muitas vezes os seus lados feios. Já vi pais cansados que quase não descansam porque o seu bebé está a nascer. Sentei-me ao jantar com os pais depois de o seu filho ter estado agitado o dia todo, quando já não tinham energia para manter as birras do pequeno sob controlo. Tenho uma ideia suficiente sobre os requisitos de cuidar de crianças (jovens) que sei que ter algum tempo prolongado para si, para ler um livro ou jogar um jogo, é a excepção e não a regra.

Sei estas coisas porque as vi acontecer, mas também porque os pais me explicaram estas dificuldades. O cliché de _'vais perceber quando tiveres filhos existe por uma razão: olhando para ele de fora, é difícil obter uma imagem completa de todas as pequenas coisas e não tão pequenas coisas que entram em jogo quando se está a criar uma criança e, embora não haja substituto para a experiência pessoal, uma boa explicação irá longe.

3
2
2017-08-19 19:37:32 +0000

Embora não responda necessariamente a todas as preocupações da pergunta, uma resposta para o título é ** Faça o que lhes diz sobre você e não sobre eles***.

Especificamente, se disser _"Espere até ter filhos" _ está a afirmar saber mais sobre os seus próprios planos e psicologia do que eles. Isto é facilmente interpretado como arrogante e humilhante, o que não é uma boa maneira de fazer amigos ou influenciar as pessoas para o bem.

Por outro lado, se disser "Eu costumava sentir-me muito da mesma maneira, mas depois do nascimento da minha filha a minha atitude mudou" ambos estão a aceitar que o ponto de vista deles é razoável e a sugerir que pode haver mais do que isso. Eles não podem argumentar que você está errado porque a sua afirmação é sobre a sua vida interna e não a deles.

Se a interacção evoluir para uma conversa, você pode expandir as causas da sua mudança de opinião. Lembre-os que os pais não podem controlar nem sempre prever o estado de espírito dos seus filhos pequenos. Que as mercearias têm de ser compradas e que não há forma de saber com certeza se o bebé se vai soltar a meio, mas não pode ficar em casa para sempre por medo que isso aconteça.

E, claro, tem de estar preparado para admitir que a mudança nas suas circunstâncias é, até certo ponto, o seu problema. Quando o seu filho vai para um local público sedado (restaurante fino, museu, exibição de filmes...) é da sua responsabilidade acalmá-lo ou retirá-lo.

2
1
2018-02-20 22:49:46 +0000

Ah, a velha situação: teve uma grande mudança de vida, que altera a perspectiva, e as pessoas do outro lado da bolha invisível simplesmente não a percebem. Serão simplesmente incapazes de o conseguir, será que o conseguiriam se fossem explicadas, ou serão intencionalmente ignorantes? Um pouco de cada, dependendo do indivíduo.

Não sou pai, mas não tenho dificuldade em em empatizar. Com alguma imaginação, e lendo as experiências dos outros, vejo claramente que ser pai é uma enorme responsabilidade, e muitas tarefas que em tempos se podiam fazer por capricho são agora grandes inconvenientes.

No entanto, a maioria das pessoas não é especialmente empática. São demasiado confiantes. Tiram conclusões precipitadas. Não estão cientes da sua própria ignorância. Pensam que se estivessem na sua situação, poderiam facilmente resolver todos os seus problemas. É irritante. É especialmente comum entre pessoas na casa dos 20 anos, que conseguiram algum sucesso e não foram atingidas com grandes contratempos ou responsabilidades.

(Tenho 28 anos, mas tive uma série de golpes importantes em meados dos 20 que me deram muita perspectiva. Muitas pessoas da minha idade parecem agora ridiculamente abrigadas, ignorantes e arrogantes. Surpreende-me que os seus colegas de trabalho pareçam ter mantido essa arrogância até aos 30 anos, mas talvez seja porque são sem filhos).

De qualquer forma, não há uma linha de "one-liner" que se possa dar que os faça perceber isto. Se você puder explicar pacientemente e dar algum contexto, algumas pessoas vão tê-lo. (Algumas não o farão, por muito que explique. Vão continuar a discutir consigo e a tentar convencê-lo de que podem gerir a sua vida muito melhor do que você). A melhor resposta curta, tal como foi referido noutra resposta, é deixar claro que é a sua preferência:

Não, é mais um fim-de-semana a brincar com as crianças. Para ser honesto, uma vez que me tornei pai, sair para festejar não era tão importante para mim.

Não, é outro fim-de-semana a brincar com os miúdos. Parece ressentida. Ser pai torna mais difícil sair para as festas. Não deve tornar impossível ter passatempos ou ler livros por prazer. Dizer que essas coisas são "coisas de casal sem filhos" sugere que se pensa que ser pai é incompatível com ter uma vida própria. Se possível, deve procurar consertar as coisas para ter algum "meu tempo" incorporado na sua agenda diária.

Basicamente, como posso dizer aos não pais que eles simplesmente não entendem, e quando eles são pais eles vão entender.

Isto pode ser apenas uma frase embaraçosa, mas parece que está a tomar uma atitude de confronto. Há uma coisa chamada "comunicação não violenta", e um dos princípios é evitar fazer suposições negativas. Os seus colegas de trabalho estão a fazer suposições negativas sobre si - por exemplo, que você poderia sair se estivesse realmente organizado. Por sua vez, estão a fazer suposições negativas a seu respeito - "eles simplesmente não compreendem". Esta é uma receita para a hostilidade. Terá um momento mais agradável se, em vez de perguntar

como posso dizer aos não pais que eles simplesmente não compreendem

perguntou

como posso dar aos não pais uma compreensão básica da minha situação?

1
1
2017-08-17 22:59:16 +0000

Quando eu era criança, os meus pais divertiam-se regularmente ou visitavam velhos amigos estudantes, às vezes levando-me a mim e às minhas irmãs com eles, às vezes não, especialmente porque éramos um pouco mais velhos. Também não estávamos particularmente bem, e não me lembro de ter tido uma babysitter em algum momento. Era suposto comportarmo-nos e, de um modo geral, fá-lo. O meu pai era um leitor ávido e os passatempos da minha mãe incluíam pintura, tricô e jardinagem.

O que eu quero dizer é o seguinte: talvez não te apeteça ler, ter passatempos, sair com os teus antigos amigos, ir a festas, etc., etc., mas isto não tem nada a ver com o facto de teres filhos como tal. Enquanto não se escavar dentro de si e encontrar a verdadeira razão, não se pode ter uma discussão sensata sobre isto com ninguém. Dizer "espera até teres filhos", independentemente da forma como o digas, pode ser o pior caminho a seguir, uma vez que não é apenas desdenhoso, cliché, arrogante e sabe-tudo, mas também é desonesto.

1
1
2017-08-19 21:05:15 +0000

Eu respondo de forma diferente a coisas diferentes. O facto é que já lá estive e fiz isso nos fins-de-semana românticos, nas festas loucas e decidi, no último minuto, ir de avião para Las Vegas só porque. É divertido. Não é significativo nem gratificante a longo prazo. Os passatempos também são óptimos, mas a não ser que você esteja sentindo falta deles ou se ressinta da falta de oportunidade de fazê-los, quem se importa? Não me dou ao trabalho de entreter as queixas de ninguém sobre qualquer coisa relacionada com outras pessoas no exercício público dos seus reais direitos, tais como crianças barulhentas, idosos lentos, amamentação, calças caídas ou qualquer outra coisa. Se o que mais tem acontecido na sua vida são outras pessoas a incomodá-lo em público, não tem problemas reais, por isso, vou andando e não entretenho a conversa.

Não pode explicar a paternidade a não pais. Não consegues mesmo. Eu adorava crianças muito antes de ter alguma. Estive muito envolvida na vida de muitas crianças, venho de uma família numerosa e já levei bebés tão novos como 2 meses para um fim-de-semana. Eu ainda tinha não ideia da quantidade de mudanças que iriam acontecer na minha vida quando eles aparecessem. É uma mudança muito grande em tudo, desde quanto se dorme até quanto dinheiro se tem e o que se faz com ele até àquilo em que se pensa e se sonha acordado. Costumava pensar em coisas como a forma de reorganizar a mobília para fluir melhor nas festas que damos e agora vagueio em pensamento a pensar se talvez a gosma desaparecida possa tirar aquela porcaria misteriosa do meu tapete que eu penso que pode ser pastilha elástica ou talvez baba, ou massa de vidraceiro a pensar. A maternidade tornou-me muito mais prático, muito mais fácil de agradar em geral (como se eu estivesse para lá de entusiasmada se encontrasse a minha máquina de lavar loiça vazia ao acaso), e muito mais difícil de enojar. Numa sexta-feira à noite fico muito feliz se todos se deitam sem problemas, ninguém acorda a vomitar em cima de mim e eu posso ver um filme sem interrupções, sem adormecer primeiro. Não conseguias fazer-me entender isso quando eu não tinha filhos. Não conseguia entender como podia estar tão cansado, tão ocupado, tão magro e ainda assim sentir isto realizado. Nunca teria percebido que alguma coisa podia ser tão dura e grande ao mesmo tempo. Não me parece que faça sentido dizer às vezes que só quero fugir, mas sentiria falta deles no momento em que saísse pela porta.

Então não se preocupe é o meu conselho. Não vais conseguir chegar a ninguém com planos de crianças no futuro. Eles não podem saber. Tem sido horrível em momentos e de partir o coração e assustar, mas vale incrivelmente a pena. Não há nada como isto.

1