Relações interpessoais
2018-09-15 11:43:09 +0000
84

Como desactivar ou prevenir uma birra adulta

Antecedentes: o meu parceiro e eu estamos no final dos nossos vinte e poucos anos. Vivemos juntos há cerca de um ano. Ele faz talvez 20% das tarefas domésticas, argumentando que eu tenho mais tempo livre porque trabalho menos horas. Quando ele não está a trabalhar ou a dormir, joga um jogo para telemóvel ou vê vídeos do YouTube.

Não me importo que ele seja preguiçoso. O problema são as suas birras infantis. Alguns exemplos:

Quando eu sugerir sair, ele vai concordar. No entanto, quando chegar a altura, ele vai encontrar algo para criticar sobre mim, por exemplo, eu pareço stressado ou queixar-me do nosso atraso. Ele ou vai para casa, ou se tivermos bilhetes / não podemos desistir, vai amuar o tempo todo.

Outro exemplo é que estou deitado no sofá a ler um livro. Ele virá ter comigo sempre que quiser e exigirá que eu lhe dê atenção nesse momento. Se eu não me submeter aos seus pedidos, ele vai ficar zangado e eu terei de vir ter com ele e pedir-lhe desculpa. Se eu tentar deixá-lo acarinhar-me e continuar a ler, ele vai posicionar-se de uma forma que me impede de ler. Se eu estiver no computador, ele me puxará para longe e chorará até que toda a minha atenção esteja com ele. Isto não está sempre a acontecer, ele permite que eu faça as coisas sozinho. Mas vai acontecer na maioria dos dias, a menos que ele já me esteja a evitar como parte de uma birra.

Ele não vê este comportamento como um problema. Predictably, quando eu tento falar com ele sobre isso num momento calmo, ele vai ter uma birra nesse momento e recusa-se a falar comigo durante algumas horas ou dias.

Ele está a comportar-se como uma criança de dois anos de idade. Mas as técnicas para lidar com as birras das crianças (distraí-lo, fingir que está tudo bem, falar sobre o assunto mais tarde quando ele estiver calmo) não funcionam com ele, porque ele reconhece o que estou a fazer e sente-se desrespeitado. Como posso lidar com estas birras no momento, e como posso fazer o meu parceiro entender que ele precisa de assumir alguma responsabilidade e aprender a lidar com pequenas desilusões sem uma enorme reacção exagerada?

Respostas [11]

159
2018-09-15 13:40:13 +0000

Penso que se passa aqui mais alguma coisa. Lendo através disto: ele concorda em sair, mas depois está zangado com algo pequeno. Ele faz exigências desrespeitosas ao seu tempo e depois comporta-se mal quando essas exigências não são satisfeitas. Ele não discute questões porque "se sente desrespeitado". Recusa-se a falar contigo durante dias. Ele faz exigências de afecto e insiste que elas sejam satisfeitas ao ponto de serem (suavemente) físicas e exige que VOCÊ peça desculpa por não satisfazer as suas exigências.

Esses não são sintomas de uma birra infantil. As birras infantis são sobre uma coisa, raiva por alguns minutos a uma hora, e depois desaparecem. As crianças como um todo não se enfurecem durante dias. Não penso que a questão seja tanto a birra como o seu comportamento para consigo como um todo.

Vou propor-lhe que veja isto como algo mais. Isto é consistente com o comportamento abusivo que tenho visto em relação a mulheres abusadas que conheço. E se for consistente com o comportamento que vi e ouvi destas mulheres, vai lentamente piorar.

Como lidar com isto? Confrontamo-la e recusamo-nos a deixá-la controlar-nos. Os abusadores confiam no poder para controlar, o que ele está a tentar fazer contigo. No final, tens absolutamente de reconhecer o teu próprio poder nesta relação e exercê-lo também. Isso não significa "ser apanhado numa luta pelo poder", mas "alcançar o equilíbrio".

Parte desse equilíbrio é não deixar que esse comportamento o controle, mesmo que seja uma birra. Tenha isto em mente: os comportamentos somente continuam se atingirem um objectivo. Se um comportamento for improdutivo, eventualmente irá parar.

Se ele amuar quando concordar em sair, não deixe que isto o afecte. "Vejo que não estás contente; tudo bem. Nós comprámos bilhetes e eu vou ao espectáculo. Se não estiveres com disposição, podes ficar em casa e eu apanho-te quando o espectáculo acabar". Você não está respondendo; você não está discutindo. Recusas-te a deixar que este comportamento te controle. Estás a exercer o teu próprio poder.

"Compreendo que não estás a falar comigo; lamento ver isso. Vou à biblioteca para ler; volto dentro de algumas horas". "Vejo que estás zangado com alguma coisa e não estás a falar comigo. Vou tomar um café com alguns amigos. Voltarei por volta das 2" Mais uma vez, não estás a fazer-lhe exigências; não estás a responder ao comportamento - estás a recusar-te a deixar que ele te controle e a ter poder.

Já reconheceste que o seu comportamento precisa de mudar; não se pode ficar neste tipo de relação não baseada na preocupação e respeito mútuos. E ele precisa de ver que você tem opções e que as exercitará.

159
87
2018-09-15 15:06:54 +0000

Há duas grandes chaves para as birras das crianças. A primeira é compreender o que os causa, e prevenir isso (não a birra, o gatilho.) Para os meus filhos isso significava garantir que eles não passassem fome. Para muitas crianças isso significava não as deixar ver coisas que não lhes era permitido ter, ou não as manter fora do tempo que precisavam para dormir. O segundo é não deixar o birra funcionar.

Você descreveu dois cenários diferentes com o seu parceiro. O primeiro é que, por vezes, ele não quer ficar pelos planos de sair, e tenta perturbá-lo como uma técnica para não sair. A minha filha costumava aborrecer-me terrivelmente no caminho para as competições de patinagem. Como dizer-me que estava a tomar o caminho errado para um lugar onde nunca tínhamos estado, ou criticar a minha condução quando ela ainda não tinha aprendido a conduzir. Cheguei a compreender que isto nasceu do medo que ela tinha da competição e não me dirigia a mim pessoalmente. É possível que a sua parceira esteja nervosa com estes eventos - o que vestir, o que dizer às pessoas - e que uma discussão aberta sobre eles seja muito perspicaz para ambos. (Também é possível que ele seja um idiota egoísta rude, não estou a dizer que só há uma explicação para o que vêem). Por isso, quando ele começar a insultar-te mesmo antes da hora de ir, podes perguntar algo como "estás bem em ir a esta coisa esta noite?" e se ele disser que não, pergunta "o que é isso, é algo em que eu possa ajudar". Pode então acabar por "que tal eu ir representar-nos aos dois e tu não tens de ir?". (Os introvertidos ficam muitas vezes super satisfeitos com esta solução). Pode acabar por "faria mais sentido fazer isto na próxima semana?" ou quem sabe o quê, só se pode descobrir comunicando. Aqui você está a desviar o "tantrum" como lhe chama, (embora eu aplique isso a gritos e movimentos físicos fora de controlo, não considerados insultos seguidos de dias de amuos) para uma discussão sobre o porquê de ele não querer ir afinal, e o que é que vocês os dois, como casal, podem fazer quanto a esse não querer agora.

O segundo cenário envolve ele entrar numa sala enquanto você está ocupado, e ser rude até lhe prestar atenção. Penso que ele se sente ignorado e rejeitado quando vocês não reconhecem que ele entrou, e não parecem importar-se se ele entra ou não, por isso sugiro que se evite que essa emoção se levante dentro dele. Deixem-me sugerir-lhes algo que provavelmente considerem contra-intuitivo, e que alguns comentadores vão dizer que está a favorecer um agressor ou algo do género. Experimente-o durante alguns dias ou uma semana. Quando ele entrar numa sala, pare o que está a fazer. Se está a ler, não se limite a levantar os olhos do seu livro: coloque um marcador de livro e pouse-o. Se estás a fazer algo no PC podes fazer uma pausa, pausa, tira a mão do rato, vira as costas para o ecrã e olha para ele. Você está numa relação com essa pessoa. Você o ama, certo? Sorria. Ele acabou de entrar na sala. É bom vê-lo. Você gosta dele. Deixa-o saber. Ele pode querer ter uma conversa, ou pedir-lhe para fazer algo com ele, ou pode apenas querer fazer algo na mesma sala que você. Pode voltar para o livro ou para o PC num minuto ou dois. Se você fizer isto rotineiramente antes, ele fica todo rastejante-entre-o-você-e-o-objeto-anima-ele-jeito, você terá mais controle, então você ficará mais feliz. Vai ser lembrado que gosta realmente desta pessoa, por isso vai ser mais feliz. E ele provavelmente também será mais feliz.

Se não queres fazer isso, porque de facto o teu dia não melhora quando ele entra na sala, então talvez os seus receios (de que serias mais feliz por não viveres com ele) estejam de facto correctos, e devias olhar para o que será preciso para te separares. Mas experimente primeiro e veja se ambos se animam.

Isto parece-lhe que estou a pedir desculpa por ele ou a desculpar um comportamento horrível? Não é essa a minha intenção. Os comportamentos que descreve não estão não estão bem. Mas dizer a alguém "se me continuar a tratar assim, vou deixá-lo" não vai, de facto, impedi-lo de o tratar assim. É perfeitamente possível que o comportamento horrível venha do medo, da preocupação, do stress, da insegurança e de coisas do género. E uma vez que chama a esta pessoa seu parceiro e está comprometido com ela, uma das coisas que você pode ser capaz de fazer é diminuir esses sentimentos e ajudá-la a sentir-se segura e cuidada. Isto pode melhorar os seus comportamentos de forma dramática. Mais uma vez, você não está causando a rudeza e amuosidade. Não é responsável* por isso. Mas há coisas que pode fazer que podem, ao mudar as emoções subjacentes, corrigir os comportamentos. Maio.

87
48
2018-09-16 16:59:04 +0000

Você está numa relação abusiva; e você deve _ deixar o seu parceiro_

O que você descreve é abuso emocional , e não está tudo bem. Particularmente no que diz respeito a sinais são exigências pouco razoáveis, ficar zangado quando estas exigências não são cumpridas, e depois castigá-lo por não cumprir as suas exigências. Isto é um comportamento abusivamente controlador.

As suas exigências não são razoáveis. Ele passa o seu tempo em perseguições solitárias (YouTube, videojogos), mas exige que você abandone as suas perseguições solitárias (leitura) por capricho dele. Isto é completamente unilateral e um sinal claro de que ele não o está a tratar com respeito. Concordar com algo e depois não o querer fazer na altura não é um grande comportamento de relacionamento, mas usar isso como desculpa para o castigar, criticando-o ou amuando-o toda a noite, é abusivo. Retirar de si durante dias se ele não conseguir o que quer é um comportamento abusivo, está a fazê-lo (a) assumir a responsabilidade, e (b) sentir-se culpado pelo seu mau comportamento.

Não importa se o seu comportamento abusivo vem de uma incapacidade de se controlar a si próprio, ou de algumas inseguranças de infância, ou se ele apenas é uma pessoa má; o facto é que eles são abusivos e você não merece ser tratado dessa forma. Deve abandonar a sua relação, e não tolerar tal comportamento de futuros parceiros.

48
36
2018-09-16 17:43:42 +0000

Tendo passado muitas vezes grande parte do meu casamento como o parceiro mais infantil, vou sugerir que ajudar a si e ao seu parceiro nesta situação é mais complicado e mais envolvido do que parece apreciar neste momento.

No âmago, o seu parceiro está a "atirar temperamentos" porque lhes falta a capacidade básica de relacionamento E por causa da sua visão de mundo incorrecta. Não terá sucesso no estabelecimento de uma relação mais saudável com o seu parceiro se tratar apenas os sintomas (os tântricos) em vez de abordar as questões mais profundas. E para abordar essas questões mais profundas com o seu parceiro, terá primeiro de aprender algumas coisas sobre si e melhorar as suas próprias capacidades de comunicação para poder ajudar o seu parceiro.

Um dos livros que realmente me ajudou, The Anatomy of Peace, ensina que enquanto o nosso objectivo principal for mudar outra pessoa, teremos um sucesso limitado. Para ser bem sucedido em ajudar os outros a mudar, tem de vir como resultado de amá-los e não como um plano deliberado e bem definido para os mudar. Embora eu saiba que isto não responde tecnicamente à sua pergunta, pergunto qual é o seu objectivo com esta relação? O tipo de crescimento que sei que o seu parceiro precisa não vai chegar rápida ou facilmente. Está realmente empenhado no nível de esforço para ajudar o seu parceiro através deste crescimento?

Se a resposta for sim, então eu sugeriria o seguinte para começar por outro livro que me ajudou muito, Crucial Conversations.

Em ambos os cenários, parece que o seu parceiro tem necessidades / receios de não estar a comunicar correctamente. Cabe-lhe a si, como parceiro mais maduro, criar um espaço seguro que o convide a começar a avaliar o que está a sentir e a expressar esses sentimentos para que possa falar através das coisas.

Por exemplo, chega a casa depois da noite fora, onde ele amuou o tempo todo. Quando chega a casa, pode começar com algo do tipo "Parecia que não gostava muito da nossa noite fora". Podes partilhar porquê?". Ele poderia dizer: "Não quero falar sobre isso". Nesta altura, tem efectivamente de ter uma meta conversa onde se pergunta: "Porque não quer falar sobre isso?" e ele dirá: "Porque vamos apenas discutir e nada vai mudar". Neste momento, ele expressou um medo válido e, para estabelecer um espaço seguro para ele se abrir, é preciso validar esse medo. Pode dizer: "Está correcto. No passado, a discussão destas coisas acabou de nos levar a lutar. Mas porque te amo e me preocupo com a tua felicidade, gostaria de tentar novamente falar dos momentos em que estás infeliz e do que precisamos de fazer para ajudar na tua infelicidade. Poderíamos, por favor, tentar discutir o que te deixou infeliz esta noite?". Depois poderia dizer: "O que será diferente desta vez?". E poderá responder: "Porque desta vez vou tentar ouvir sem ficar zangado"

Gostaria de destacar algumas técnicas que ajudaram não só a minha mulher e eu a comunicar, mas também a comunicar melhor com a nossa filha adolescente do exemplo acima:

  • Fazer perguntas "porquê". Nunca fazer perguntas de sim/não. E cada vez que respondem a outra pergunta "porquê" que pode fazer para que se abram mais.
  • Deve estar disposto e ser capaz de ouvir o que eles têm a dizer sem se zangar. No momento em que se enfurecer, tudo se fechará. Dito isto, quando (note-se que eu disse "quando" e não "se") ficar zangado, pode ajudar dizendo ao seu parceiro, o mais calmamente possível, o que também está a sentir.
  • Validação. Quando o seu parceiro está chateado ou zangado pode começar a criar um espaço seguro para ele falar, validando os seus sentimentos. Uma coisa que foi muito difícil para mim aprender foi que mesmo que as conclusões de uma pessoa sejam incorrectas (se o seu ponto de vista é distorcido ou torto para o resto do mundo), os seus sentimentos são reais e legítimos e vêm de um lugar que é real. Como resultado, é sempre possível validar o que o seu parceiro está a sentir, mesmo que não concorde com isso.
  • Comece com o seu objectivo em mente. O que pretende de qualquer conversa crucial em particular? É convencer o seu parceiro de que está correcto? É para ajudar um de vocês ou ambos a serem mais felizes? Será para descobrir como ter uma noite fora que ambos possam desfrutar ou para descobrir limites para o tempo "eu"?

Gostaria de fazer eco do que o carecaPrussiano afirmou com uma perspectiva um pouco mais matizada. Este comportamento do seu parceiro é definitivamente abusivo e manipulador. Eu sugeriria pelo que descreveu que vem mais da sua própria ignorância e imaturidade do que de qualquer maldade real e ele pode ser capaz de crescer para além dela, se quiser. Houve momentos no meu casamento em que o meu cônjuge me sentou e me disse em termos inequívocos: "Tens de mudar ou não podemos continuar casados". O que queres? Esses momentos foram para mim um verdadeiro despertar. O mesmo aconteceu com um emprego e um patrão que se preocupava o suficiente comigo. como pessoa a dizer basicamente a mesma coisa. Uma coisa boa que ele fez foi depois dar-me tarefas de leitura e de formação contínua para me ajudar a crescer.

Eu sugeriria vivamente que você próprio dedicasse algum tempo a fazer alguma leitura. Dois livros que para mim foram transformadores foram a Anatomia da Paz do Grupo Arbinger e as Conversas Cruciais. Eu também sugeriria que você considerasse encontrar um bom conselheiro de relacionamento com o qual pudesse se encontrar pessoalmente para fornecer treinamento e ensino contínuo.

36
17
2018-09-15 18:16:02 +0000

Vai-te embora.

Quando eu era adolescente conheci um Jovem Amigo, que me disse,

Eu vou 'discutar' qualquer coisa com qualquer um :-) Mas se se transformar num 'argumento' direi: "Tens razão!", e vou-me embora.

OMI não é o teu trabalho controlar o seu comportamento, evocar o comportamento adulto dele.

Tanto quanto sei, este ("vai-te embora") pode ser um bom conselho para "desactivar ou prevenir" todas as formas de abuso numa relação - ou seja também violência, alcoolismo, etc.

Também pode haver algo de estranho ou pouco saudável na relação, ou na sua visão da mesma, que o encoraje, permita ou reduza a comportar-se dessa forma - mas penso que é impossível dizer o que é dado (com base) apenas na sua (unilateral) descrição da relação. Assim, outra possibilidade pode ser "terapia" ou "aconselhamento de casais", também conhecido como "aconselhamento conjugal".


Com base neste comentário , talvez também haja alguma habilidade emocional ou de relacionamento que ele não aprendeu com/ com os seus pais - infelizmente eu não sei como suprir uma falta como essa ... a não ser modelar (isto é demonstrar) comportamento adulto apropriado (comportamento amoroso, se é esse tipo de relação), e ver se ele responde em conformidade, e se não, então "governar-se a si próprio em conformidade".


Correndo o risco de estar fora do tópico, ver este tópico (sobre a escolha do parceiro): incluindo esta resposta e este comentário (isto é, que um parceiro não é uma criança).


Uma vez que pergunta, pode ser que ele sinta que não está a receber afecto suficiente de si (ou, como disse, "atenção"). Entretanto estás a chamar-lhe preguiçoso e infantil e a queixar-te das tarefas domésticas.

Acho que esta relação não está a correr bem para (fazer bem para) nenhum de vocês.

Talvez devesses separar-te, ou obter conselhos mais profundos sobre a relação do que se pode gerir num site de Q+A como este.


Eu também penso que:

  • Durante uma ruptura da relação, ambas as partes (com ou sem razão) culpam a outra, têm as suas próprias queixas.
  • Seria inábil para mim "tomar o seu partido" (ou tomar o dele) na discussão, culpá-lo com base no que você disse -- e. g. confirmar a sua opinião ("sim, você está certo: ele é preguiçoso e infantil") - embora ainda mais errado negar o que disse

  • "Amuado" é um sintoma ou exemplo de um colapso da comunicação

  • Um conselheiro de casais pode, se ambos consentirem, tente facilitar a comunicação nos dois sentidos - não tomando especialmente partido ("sim, ele é preguiçoso"), mas "estabelecendo limites" - ou, como um nerd poderia dizer, definindo um "protocolo de comunicação", como, por exemplo, "espere pela sua vez, você tem que ouvi-la enquanto ela fala", ou, talvez técnicas como I-messages " e assim por diante . .. mas, não sei, penso que existem muitas escolas (técnicas, filosofias) de aconselhamento de relações

  • Se não se consegue chegar a acordo sobre como se relacionar um com o outro, se não se consegue fazer isso, então o que pode ser melhor é um advogado de divórcio ou equivalente - que, mais uma vez, pode (idealmente) não tomar partido quanto à causa do fim da relação, mas em vez disso tente facilitar um divórcio sem culpa

Também estou provavelmente a parecer um pouco clínico, mas se eu diagnosticar algo é que talvez haja uma falta de gentileza ou afecto, de uma maneira ou de ambas - não que você deva (ser obrigado a) sentir-se afectuoso mas, não sei, você e/ou ele podem querer ter uma relação com o seu parceiro.

Mesmo isso (i.e. "afecto") pode variar um pouco, por exemplo, o Budismo pode recomendar as atitudes Brahma-vihara como a forma correcta de se relacionar com as pessoas, em vez de desejo e apego e aversão -- as respostas devem ser baseadas na (minha) experiência pessoal, mas é realmente difícil presumir que sei o que cada um de vocês dá, cada um espera desta relação -- por isso, sabem, acho que teriam de comunicar com ele sobre isso.

17
14
2018-09-17 14:19:04 +0000

Tenho sido como o seu parceiro. Demorei trinta anos a ultrapassar essas questões.

O que me ajudou foi ser deixado pelos meus parceiros depois de os ter abusado emocionalmente nas nossas relações. Só me ensinaram que precisava de mudar se não quisesse ficar sozinho.

Se ficar com o seu parceiro, ele não tem motivos para mudar, porque o seu comportamento não tem qualquer desvantagem para ele.

14
12
2018-09-17 05:33:27 +0000

Concordo com outras pessoas que salientaram que o comportamento do seu parceiro é controlador e (emocionalmente) abusivo. Na minha experiência, alguns indivíduos com este padrão de comportamento escalam para formas mais extremas de abuso, e outros não. Não sei de nenhuma forma de prever se ele vai persistir em comportar-se como se comporta, ou se o seu comportamento vai piorar com o tempo. (Os instantes de verdadeira mudança de comportamento cognitivo são bastante raros, estatisticamente falando; além disso, as mudanças bem sucedidas só ocorrem nas pessoas quando o medo da mudança é compensado pelo sofrimento associado à permanência na mesma. Chama-lhe "motivação", chama-lhe "ficar no fundo do poço" - de qualquer forma, ele não muda a menos que queira mudar.

É muito provável que ele não veja o seu comportamento como abusivo. Na verdade, ele pode afirmar que está a ser "vitimizado" pela sua recusa em largar tudo e a tratar dele em reclusão no seu horário. É muito provavelmente inútil confrontá-lo verbalmente sobre o seu comportamento, especialmente se usar linguagem como "controladora" e "abusiva".

Outros no fio da meada indicaram que não se pode mudar o seu comportamento. Têm toda a razão em fazê-lo.

  • Então é aqui que começa a "verdadeira conversa": prepare-se, pode ser difícil de ouvir:

  • Não o pode mudar, só o pode mudar a si.

  • Provavelmente ele vai continuar com o seu comportamento. Pode até piorar.

  • Esta relação não é 100% má; se fosse, ter-te-ias afastado a meio do primeiro encontro, amirite? Então o que é que tinha de bom no início? O que (se alguma coisa) continua a ser bom nisso? Será que o bom compensa o mau? Será que os bons vão superar os maus num ano, em cinco, em dez?

  • Há alguma coisa na sua história pessoal que sugira que está a repetir padrões negativos? A sua relação com o seu parceiro é semelhante à relação que os seus pais tinham? Como é a sua auto-estima? Sente que "precisa" de um parceiro para estar bem? Existe alguma parte de si que gosta de "ser o adulto" enquanto ele "se comporta de forma infantil"? Tem medo de estar sozinha? Sente que precisa de um parceiro para poder sobreviver? O meu argumento aqui é que o seu "velcro de relação" é compatível com o seu, então o que é isso?

Aqui está como eu procederia se estivesse agora no seu lugar (eu estava numa situação semelhante antes, no meu caso o meu ex-parceiro problemático era uma mulher, não um homem - eu também sou uma mulher, btw):

  1. Concentre-se no que pode controlar. Esqueça de tentar perceber porque é que ele se comporta da forma como se comporta ou o que você pode fazer diferente para o obrigar a fazer diferente. Você não é a razão pela qual ele faz o que faz. Ponha a sua energia a examinar a si próprio, a sua história, as suas motivações, e como quer viver no futuro
  2. Procure o apoio de familiares de confiança, amigos, auto-ajuda ou grupos de apoio, e/ou de um profissional.
  3. Não guarde segredo do que está a passar; os segredos tornam as coisas piores, não melhores
  4. Espere que no momento em que você coloca o foco em você, em vez de nele, é muito provável que ele assuste o eff out. Chama-se a isso uma reacção de "mudança! Se ele tiver o padrão crescente de comportamento problemático, durante uma reacção de "change-back", os seus comportamentos problemáticos irão aumentar em frequência e intensidade. Mantenha-se seguro e peça apoio às pessoas que mencionei no número 2.

Boa sorte nesta viagem, é difícil mas vale a pena.

12
10
2018-09-16 17:50:58 +0000

Este pode não ser o conselho que procura, mas tudo o que descreve são bandeiras vermelhas e apontam para uma relação pouco saudável com uma pessoa possivelmente instável do ponto de vista mental.

Recomendo que se questione seriamente esta relação. O que descreve não é o comportamento de uma pessoa saudável.

Pode provavelmente reduzir este comportamento em particular usando qualquer uma das pistas dadas noutras respostas. No entanto, concordo com muitos dos presentes que este comportamento é indicativo de questões mais profundas, e que apenas surgirão de novo através de algum outro comportamento intolerável.

10
7
2018-09-16 17:40:07 +0000

Penso que é preciso avaliar primeiro a vossa relação. Será que mostra sinais de amor e apoio? Esses sinais são mais frequentes do que as suas "birras"? Será que ele mostra genuinamente feliz para as suas realizações pessoais? Vocês têm os mesmos objectivos futuros? Será que ele passa a maior parte do tempo fora do trabalho com vocês? Ele é apaixonado e generoso na cama? Se quando você discute, você acaba chorando, como ele reage - ele deixa cair as discussões e tenta confortar você ou ele fica ainda mais irritado?

Se você sente que as respostas às perguntas acima são positivas, e mostra que a sua relação é saudável e feliz, mas sente que as suas "birras" vão degradá-la, você deve resolver isso.

Você consegue identificar a causa do seu comportamento de "birra"? Ele era filho único, era mimado quando era pequeno ou em relacionamentos anteriores? Este comportamento é permanente ou ocasional? Se você encontrar uma causa razoável, pelo menos você tem uma pista de que não é porque ele começou a sentir-se desconfortável com a sua relação.

Em relação às suas birras, eu simplesmente não me submeteria se sentisse que o seu comportamento é totalmente injusto. Se ambos estão, indo para algum lugar e ele vai embora, vão sozinhos. Se precisar de tempo para si, basta dizer-lhe. Se quiserem passar tempo juntos e ele estiver a brincar há horas, façam algo sozinhos ou com os vossos amigos. Diz-lhe sempre que ele te fizer sentir triste ou questionar o futuro de vocês estarem juntos. Não peças desculpa se realmente sentes que tens razão, pois isso fá-lo pensar que ele tem razão em tratar-te assim.

Se as coisas não mudarem, podes precisar de discutir abertamente sobre o futuro da tua relação. Quando isso acontecer, esteja preparado para permanecer forte na sua posição se ele não mostrar sinais de o ouvir. Ninguém é perfeito e para que uma relação funcione, ambos têm, por vezes, de se libertar.

Também, se ele alguma vez se tornar violento para consigo, chame a polícia, saia e nunca olhe para trás.

7
5
2018-09-16 17:34:48 +0000

Um adulto que se comporta assim não se comporta como um adulto de dois anos; significa algo mais quando um adulto o faz. Eu deixaria de comparar com uma criança e procuraria outras palavras para descrever o comportamento.

Predictably, quando eu tento falar com ele sobre isso num momento calmo, ele vai ter uma birra nesse momento e recusa-se a falar comigo durante algumas horas ou dias.

Tentar falar num momento calmo parece ser a coisa obviamente certa a fazer. Se isso não for possível, então esse parece ser o primeiro "bloqueador" antes de poder falar sobre temperamento e comportamento.

Parece que, de momento, ele não o vai ouvir. Há mais alguém em quem ambos confiam e respeitam e a quem ele daria ouvidos?

5
0
2018-09-21 08:46:37 +0000

Ao ver como ele parece preocupar-se consigo, uma forma de o fazer sentir-se culpado é fazê-lo sentir-se culpado. Faça-se parecer mais desiludido com isso do que você. Talvez até acrescente algumas lágrimas. Passivo até ao fim, isso fá-lo-ia querer proteger-te, inclusive dele próprio.

Parece que és emocionalmente estável e uma pessoa forte, servindo assim como pilar de apoio para ele, e é por isso que ele se permite relaxar completamente à tua volta.

0