Relações interpessoais
2018-03-24 01:03:46 +0000
68

Testemunhei uma mulher a ser abusada (apalpada) numa discoteca

Cenário

Cenário

Na quinta-feira passada eu (21 anos, homem) estava no meu sindicato de estudantes, pois estava a decorrer um evento de Bateria e Baixo. Eu saí com um grupo bastante grande, cerca de 8 rapazes incluindo eu e 2 raparigas. Estávamos todos a divertir-nos imenso. Estava a falar com estranhos à minha volta e a conversar com muitos grupos de amizade diferentes. Basicamente, estava a sentir-me muito confiante em mim e extrovertida. Eu não diria que estava bêbado mas estava numa boa moca.

Depois reparei num tipo muito deslocado a andar por aí a olhar para as mulheres.

Razões

  1. Ele não estava a usar roupa normal para uma noite fora (ex. trackies/jacket).
  2. Ele estava sozinho (não que não se possa estar num clube sozinho, mas para um evento de Bateria e Baixo, seria de esperar que as pessoas estivessem a dançar).
  3. Mantivemos contacto visual durante alguns segundos e ele olhou para mim aborrecido e sem emoção, não o olhar de alguém a divertir-se.

Eu fiquei de olho nele e reparei que ele se aproximou de uma mulher por trás e começou a apalpá-la. A mulher que eu acredito que estava com um dos seus outros amigos e 4 rapazes que ainda não tinham reparado. Agora obviamente eu sabia que isto estava errado e tinha de fazer alguma coisa.

Possíveis abordagens

  1. Fale com a mulher (fingindo que a conheço) e pergunte-lhe se ela queria vir tomar uma bebida. Assim ela afasta-se do tipo, sem que eu tenha de o confrontar.

  2. Aproxima-se directamente do tipo e diz-lhe que o que ele está a fazer não é fixe. Isto pode me colocar em apuros com ele e eu teria que me preparar para o confronto.

  3. Pergunte se a rapariga está bem e diga aos seus amigos o que se passa. Este seria um cenário forte em números, onde eu não teria de confrontar o tipo sozinho.

  4. Vai buscar um segurança sem falar com a rapariga antes da mão.

No final eu fui com a escolha número 1 e isto funcionou, no entanto o tipo empurrou-me o que eu esperava mas não reagi e apenas andei até ao bar. O gajo não me seguiu e não o vimos mais durante o resto da noite.

Qual seria a melhor abordagem para este tipo de situação? As mulheres preferem esta abordagem de outros homens que não conhecem ou existe uma forma melhor para mim?

Localização: No Reino Unido.

Respostas [4]

126
2018-03-24 02:29:13 +0000

Sendo eu próprio um frequentador do clube, elogio-o por ter sido corajoso e por ter intervindo em prol da mulher - e também fico contente por saber que não recebeu mais do que um simples empurrão dessa pessoa.

No entanto, teria de dizer que o que fez foi bastante arriscado; a melhor coisa a fazer nesta situação é dizer a um segurança*. Os seguranças descobrem então normalmente pela mulher se o homem é um amigo ou namorado e se a sua apalpadela foi consensual. Se ela disser que não, expulsam-no muito rapidamente. São necessários segundos para que uma equipa de pausas tenha uma situação sob controlo, ao passo que se tentar tomar as coisas nas suas próprias mãos, corre o risco de se magoar e de ter mais problemas do que os necessários, tanto para si como para a mulher. A segurança das discotecas conhece bem o seu trabalho_, e deve definitivamente utilizar este recurso quando houver necessidade de o fazer.

Um artigo sobre assédio nas discotecas refere que

é contra a lei agredir sexualmente alguém verbal ou fisicamente - e isso inclui um aperto no rabo. Se não consegue ver a segurança, encontre alguém que esteja a trabalhar no local e espere que essa pessoa notifique a segurança.

e que

realisticamente, a maioria de nós não está a sair para tomar chá verde. Mesmo que esteja drogado ou bêbado, pode denunciar o assédio à segurança. Não deve ser um obstáculo para que você denuncie. Não cabe ao clube fazer de juiz e júri. Deves continuar a subir e dizer o que aconteceu.

O mais importante é que

a tua prioridade é ficares em segurança. Se sente que a situação está a aumentar, fale com a segurança e fique com os seus amigos.

Se a segurança do clube não responde, chame a polícia e explique com confiança que a situação não foi resolvida pelos seguranças.

Fonte: http://mixmag.net/feature/what-to-do-if-you-get-sexually-harassed-in-a-nightclub/8

126
47
2018-03-24 07:42:00 +0000

Concordo com resposta de D.Hutchinson , penso que lidou bastante bem com a situação.

No entanto, para tornar a sua abordagem mais geral, sugiro-lhe que entre no com o seu grupo de amigos. Uma vez encontrei-me na sua situação, com as grandes diferenças de que os gropers eram dois (em duas raparigas) e Eu sou uma rapariga (também não sou particularmente forte), por isso não há uma abordagem de força bruta disponível para mim. O que fiz foi espalhar rapidamente a informação sobre os dois rapazes ao meu grupo de amigos. Imediatamente a seguir, rodeámos as raparigas, "casualmente" encerrando-as no nosso círculo enquanto dançávamos com elas. Perguntámos-lhes se estavam bem e dissemos-lhes que podiam ficar connosco o tempo que quisessem.

Basicamente, não vão sozinhas. Confrontar o(s) homem(s) com outras pessoas, idealmente com um grupo. Entretanto, uma pessoa do grupo pode ir e dizer a um segurança* sobre ele/eles. Desta forma, não vai perder de vista o tipo, caso ele se mude.

47
6
2018-03-25 14:54:05 +0000

Se a mulher estava numa situação em que não conseguia lidar sozinha, por exemplo, ele estava a segurá-la enquanto ela tentava fugir ou estava a dormir, então deveria estar a fazer alguma coisa (seja directamente ou a chamar outra pessoa). Caso contrário, deve deixá-la lidar com a situação sozinha. A partir da cena que descreveu, ela era totalmente capaz de lidar com a situação chamando um segurança ou simplesmente dizendo-lhe para sair, por exemplo.

Se reagir demasiado depressa pode até acabar por ser falsamente acusada de molestar mulheres no caso de ela não ter visto quem o fez.

6
4
2018-03-26 06:45:31 +0000

Primeiro, bom trabalho e não apenas ignorar a situação como a maioria das pessoas faz.

Tenho estado em algumas dessas situações ao longo dos anos, e normalmente colocar-se entre o tipo e a rapariga sem o atacar directamente (verbal ou fisicamente) funciona melhor. Não existe uma receita perfeita, é preciso ler a situação. Às vezes é muito claro que a rapariga não recebe a atenção dele, outras vezes menos.

Eu iria definitivamente com uma variação de #1, mas em vez de lhe pedir uma bebida - o que a poderia colocar na situação desconfortável de ter de lidar com dois arrepios - eu perguntar-lhe-ia directamente se está tudo bem, ou se o tipo a está a incomodar. Ignorem-no, falem apenas com ela. Sim, eu até lhe virava as costas. O risco é controlável pela minha experiência, mas o seu ambiente pode variar. Sempre considerei que dar-lhe distância física do arrepio é a coisa mais importante a fazer imediatamente.

Se isto não for suficiente, é altura de arranjar um segurança. Você não quer estar numa luta num bar. Primeiro não sabes do que o outro tipo é capaz e, segundo, os salteadores chegarão ao local sem qualquer informação sobre quem o iniciou, eles vão derrubar os dois e resolver as coisas à porta.

Se conseguires envolver um amigo rapidamente, sem te afastares da situação, fá-lo sempre. Se não conseguir, eu pessoalmente prefiro sempre entrar mais do que sair e voltar.

Isto depende muito do clube e da cena e poderá ver isso nas respostas. Nos clubes que frequentei (mudei-me recentemente) sentia-me razoavelmente seguro e posso defender-me o suficiente para proteger as minhas áreas vitais. Outros lugares podem ser diferentes.

4